Irlanda: Povo se rebela após assassinato de jovem preto pela polícia

Cerca de 200 pessoas se rebelaram em um protesto contra o assassinato de um jovem preto em frente à uma estação da polícia irlandesa (Gardaí) no oeste de Dublin. Os manifestantes responderam às intimidações da polícia com chutes e lançaram dispositivos explosivos contra as viaturas. A manifestação ocorreu no dia 31 de dezembro de 2020, de manhã.

O assassinato de George Nkencho, de 27 anos, ocorrera no dia anterior. O jovem estava sofrendo de um episódio de saúde mental e carregava consigo uma faca de manteiga. Sua família o acompanhava e tentava ajudar a conter a situação. George já era conhecido pela Gardaí por sofrer dos episódios, pois a família já os havia contatado antes. 

O seu irmão Emmanuel, testemunha do assassinato, declarou em uma entrevista, revoltado: “Se você me diz que não consegue deter um preto com uma faca de manteiga, que tipo de polícia você é? Estão me dizendo que não é racismo, que a culpa é dele. Não vou parar até que seja feita a justiça".

Emmanuel também denuncia que os policiais não tentaram todos os métodos para deter seu irmão e não usaram spray de pimenta: “Eles o atingiram com o taser até o chão, mas isso não os impediu de acabar com ele à minha frente, das minhas duas irmãs, meus irmãos e todos”.

“Houve cinco tiros e o quinto foi o que o matou”, relata. "E eles tentam me dizer que isso é justiça. Não há justiça aí”.

A irmã de George afirmou na internet que ele “sofria de uma doença mental grave e aqueles que o conheciam sabem o tipo de pessoa que ele era. Ele não era um bandido nem um criminoso”.

No dia 2 de janeiro, outro protesto com dezenas de pessoas ocorreu em rechaço ao assassinato covarde do jovem preto.


Manifestantes protestam contra o assassinato do jovem preto George Nkencho pela polícia em frente à estação da Gardaí de Blanchardstwon. Foto: Tony Garvin.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin