Ano novo e desmonte: ciência brasileira sofrerá ainda mais cortes orçamentários em 2021

Área da Ciência e tecnologia sofre com desmonte e precarização, decorrentes de cortes de verbas. Foto: CNI

Diante de um contexto cada vez menos favorável para o desenvolvimento da ciência no Brasil, o ano de 2021 já se inicia com temor pelo futuro incerto das pesquisas e trabalhos científicos nas universidades públicas do país. Segundo a previsão orçamentária do Governo Federal para este ano, aprovada em dezembro de 2020 no Congresso, somente o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) perderá 34% de sua verba anual. No ano passado, R$ 3,6 bilhões foram concedidos para gastos, e caso Jair Bolsonaro sancione a proposta de orçamento nos moldes atuais, a quantia cairá para R$ 2,7 bilhões - menos de um terço do valor disposto há dez anos.

Tal redução de investimentos no MCTI afeta o desenvolvimento de pesquisas. Cerca de 60% delas são custeadas por um grupo de entidades composto pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal Nível Superior (Capes), que por sua vez é mantida pelo Ministério da Educação (MEC). Todas sofreram cortes de verbas que, conforme experiências passadas apontam, devem se agravar ainda mais este ano. 

O CNPq, por exemplo, sofrerá redução de 8,3% em seus recursos, dispondo apenas de R$ 22 milhões para fomento à pesquisa, o que corresponde a 18% da quantia estipulada em 2019. A Capes perderá R$ 1,2 bilhões em relação aos R$ 4,2 bilhões que detinha em 2019. O FNDCT, por sua vez, sofrerá um corte de R$ 4,8 bilhões neste ano. Em carta enviada ao Congresso, um grupo composto por entidades como a Academia Brasileira de Ciências (ABC), a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), declarou que o país se deparará com um quadro de quase paralisação do setor de Ciência, Tecnologia e Inovação caso o orçamento do FNDCT para 2021 se concretize.

“Os impactos da diminuição de recursos serão drásticos. Não poderemos abrir novos cursos nem novas áreas de pesquisa. Ficaremos à mercê da liberação de emendas parlamentares”, afirmou a reitora do Instituto Federal Catarinense e vice-presidente do Conif, Sônia Fernandes. Segundo ela, a redução de investimentos, se manifesta como uma grande ameaça para a ciência brasileira que, perante a crise sanitária originada pela pandemia do novo coronavírus, se mostra essencial.

“Com a pandemia, o investimento em ciência deveria ser maior, não menor”, é o que declara Sandra Regina Goulart Almeida, reitora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Em um período de cinco anos, a UFMG sofreu corte orçamentário de R$ 100 milhões, sendo R$ 60 milhões a menos planejados para 2021. Com o atual cenário preocupante para o fomento da ciência, a reitora ainda afirmou que o país voltou aos “patamares de 2008”, frisando o impacto da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, que congelou gastos na educação a partir de 2017, no ensino superior. “Houve diminuição considerável no número de bolsas da Capes e do CNPq. Temos um quadro ainda mais preocupante para o ano que vem [2021]”, alegou Almeida. Além disso, um levantamento da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) mostrou que durante a pandemia, cerca de 8.000 bolsas permanentes foram cortadas pela Capes. 

Na carta enviada ao Congresso, as entidades nacionais da Ciência, Tecnologia e Inovação também defendem que a pandemia suscitou a obrigação de aumentar os investimentos na área: “no momento crítico de pandemia, recursos para pesquisa básica e aplicada e para a inovação tecnológica são essenciais para o enfrentamento da Covid-19”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro