RJ: Segundo dia de protesto na CDD após PM assassinar trabalhador

Foto: Banco de Dados

Os moradores da Cidade De Deus (CDD) realizaram, na tarde de 5 de janeiro, a segunda manifestação contra o assassinato de Marcelo Guimarães, trabalhador de 38 anos morto, segundo testemunhas, pela ação da Polícia Militar (PM) no dia anterior.

Os moradores e manifestantes se reuniram no local onde Marcelo foi assassinado. A família se juntou ao ato após o enterro que havia ocorrido em Inhaúma mais cedo naquele dia. 

Em depoimento exclusivo ao AND, Guilherme, que trabalha na frente do local do assassinato e presenciou o momento do assassinato, afirmou:

– Não teve troca de tiro… Ele reduziu e o "Caveirão" deu um tiro. Ele caiu aqui, onde está a marca de sangue… O "Caveirão" deu a volta dando tiro para o alto, depois vieram com uma garrafa pet cheia de cápsula e jogaram aqui.

Indignada com a situação, a família fez diversas falas, durante o protesto, denunciando a política genocida do velho Estado e as ações covardes da PM. A filha de Marcelo, Vitória Guimarães, disse: “Nós queremos justiça, não só por ele, mas por todos aqueles que a polícia matou. Meu pai era trabalhador, diferente deles, que são bandidos e corruptos. O governo mata os pretos, pobres, favelados e o trabalhador. Meu pai era honesto, eles não são, essa é a diferença”. 

A sogra de Marcelo, Claudia Lucia, disse: “O policial foi covarde! Ele tem que pagar!”. Carla, viúva de Marcelo, reforçou: “Não teve troca de tiro, meu marido foi assassinado!”.

Foto: Banco de Dados AND

Os manifestantes seguiram em marcha para uma praça central na CDD e, ao passar pela delegacia de polícia, o ato parou e os manifestantes ecoaram gritos tais como: Não foi confronto, foi assassinato! e Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar! 

A PM esteve presente de forma ostensiva durante todo ato, com viaturas, blindado ("Caveirão"), policiais com fuzis e muitos deles com os rostos tapados. Cercando as ruas em volta do local e os manifestantes durante a marcha, os policiais foram vaiados e rechaçados pelas massas que gritavam: Assassinos e Não houve confronto.

No mesmo dia, em outro ponto do estado, em Niterói, no bairro do Fonseca, um outro protesto ocorria. As causas eram semelhantes: moradores do morro Santo Cristo acusaram a PM de assassinar dois jovens.

Leia também: RJ: Moradores fazem protesto após PMs matarem jovens em Niterói

COMENTÁRIO EDITORIAL

Este caso está longe de ser acidental, e é resultado da velha ordem social. Buscando justificar essa e tantas outras mortes de trabalhadores, vitimados por um verdadeiro genocídio, o velho Estado, através da PM, afirma sempre ser uma fatalidade, “bala perdida” etc., como se a desgraça que ocorre nas favelas e a morte “acidental” (a grande maioria, não é acidental) de inocentes fossem “efeito colateral” para eliminar a delinquência. Porém, como podemos perceber, o banho de sangue das forças policiais não só não elimina a delinquência, como essas forças se unificam; para combatê-la mesmo, seria preciso, ademais de solucionar os principais problemas que lançam os jovens a essa vida, concentrar-se na repressão aos verdadeiros bandidos: latifundiários, grandes empresários e políticos envolvidos, desde o alto de seus montões de dinheiro, com o narcotráfico internacional, comandado por magnatas que nada sofrem com as operações policiais nas favelas. Por outro lado, essa delinquência que cresce nos bairros pobres, da qual Marcelo e tantos outros não eram parte, é fruto de um massacre econômico que, no Rio de Janeiro, de maio a outubro, fez aumentar em 48% o número de desempregados (sem contar a legião de milhares de camelôs e outros trabalhadores às bordas da miséria completa). Primeiro, a velha ordem descarta e leva à delinquência um enorme contingente de jovens revoltados e desiludidos para, em seguida, matá-lo e, de sobra, matar também aqueles que não têm nenhuma relação com a delinquência, mas que são pobres e pretos potencialmente revoltados com tamanha exploração e opressão, sendo esse o seu "crime". Trata-se, este e todos os demais casos, não de acidentes, mas sim de uma sinistra perversidade, com o objetivo de controlar a revolta dos pobres - revolta contra toda a podridão e sofrimento que enfrentam - impondo um regime de terror policial, de choque. E a prova maior disso é a ameaça de um reles policial, um pobre-diabo insignificante que se acha autoridade para decretar o fim do direito à manifestação, sempre efetivamente negado às massas do povo.

Desde aqui, o AND se solidariza com a família e amigos do Marcelo e de tantos outros que, na escuridão dos becos, são alvos da sanha assassina do velho Estado brasileiro.

Foto: Comitê de Apoio AND Rio de Janeiro.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza