MG: Após dois anos do hediondo crime, Vale segue impune e ameaça comunidade de despejo

A mineradora Vale S.A. em conluio com a prefeitura de Brumadinho, cidade localizada em Minas Gerais, ameaça expulsar cerca de 70 famílias moradoras da comunidade de Pires para construir obras com finalidade de “compensar os atingidos” pelo crime ocorrido em janeiro de 2019, com o rompimento da barragem de Córrego do Feijão.

A Prefeitura de Brumadinho emitiu em 22 de setembro um decreto onde declarou como de utilidade pública as áreas dos terrenos da comunidade de Pires e autorizou a Vale a despejar as famílias. 

Os moradores denunciam que apenas souberam da decisão no final de 2020 quando encontraram piquetes colocados pela mineradora para marcar o terreno e ao buscar esclarecimentos na prefeitura souberam do despejo. 

A Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (Aedas), assessoria técnica que auxilia os atingidos de Brumadinho, alega que tomou conhecimento da ação em novembro e após emitir um parecer técnico questionando a decisão, obteve do Ministério Público de Minas Gerais uma recomendação que seja revogado o decreto e se execute ações interventivas apenas após promover discussão e comunicação com os atingidos.

Em entrevista ao portal Brasil de Fato, a moradora Rejane Fernandes afirma: “A gente vive com medo de que ela [Vale] entre na comunidade e expulse todo mundo, porque ela manda e desmanda em todo mundo. As comunidades estão super revoltadas com tudo o que está acontecendo, e a gente está a mercê da Vale”.

Vale se beneficia de acordos e ônus do crime recai sobre as vítimas

Os moradores de Pires são parte dos atingidos por um dos maiores crimes contra o povo, envolvendo a exploração da mineração no Brasil e o velho Estado. A área onde está localizada a comunidade, passa um trecho do Rio Paraopeba, local que após o incidente  ficou concentrada a lama tóxica vazada pela mineradora.

A desapropriação tem como pretexto a construção estação de tratamento de água e esgoto. Apesar desta, além de iluminação pública e pavimentação da estrada até Brumadinho, ser reivindicação antiga da comunidade de Pires, apenas após o crime ocorrido a Vale foi impelida a realizar estas obras como forma de compensação dos atingidos.

A mineradora fará ainda este mês novas reuniões com a prefeitura para realizar um possível acordo sobre indenizações, processo que já dura mais de dois anos. Há cerca de 6 meses um acordo a respeito do montante de R$ 250 milhões que deveriam ser pagos pela Vale devido a multas aplicadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e que seriam destinadas a parques federais do estado e programas de saneamento, não foram pagos e não tiveram sequer projetos apresentados.

Em contrapartida, as ações da mineradora subiram 64% em 2020. No terceiro trimestre do ano referido a Vale registrou o maior lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) desde 2014.

Protesto promovido por estudantes contra a política de aprofundamento da subjugação nacional sob a consigna "Vale Assassina e Terrorista!", maio de 2019. Foto: Banco de dados AND.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin