Latifundiários colocam Doria contra a parede por isenção no ICSM; governador recuou

Latifundiários do estado de São Paulo pressionaram o governador João Doria (PSDB) a suspender as mudanças que o mesmo fez no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e serviços (ICMS) aumentando o preço da tarifa e retirando o benefício da isenção.

Os latifundiários pressionaram o governo paulista pela isenção do pagamento do imposto especialmente sobre combustível e insumos agrícolas, como adubo e sementes. Para isso, os ruralistas chegaram a convocar protestos em 200 cidades, fazendo o representante paulista da grande burguesia, Doria, recuar. No dia 6 de janeiro, o governador anunciou a suspensão do reajuste fiscal.

Segundo os fazendeiros, a classe se sente "traída" pelo governador e por deputados que representam seus interesses na Assembléia Legislativa do estado de São Paulo (Alesp), com a autorização do ajuste no imposto. A aprovação do pacote de ajuste fiscal ocorreu no mês de outubro de 2020. Contudo, a medida, ainda assim, depende de decreto do governador.

Mesmo após o recuo de Doria, latifundiários organizaram vários "tratoraços" em várias cidades paulistas, numa clara demonstração de força.

"Tratoraço" em Limeira, estado de São Paulo. Foto: Edijan Del Santo.

Sobre a disputa no ceio da grande burguesia paulista, reproduzimos um trecho da matéria O aumento geral de João Dória e o cinismo da Fiesp.

A elevação da alíquota do ICMS, por um lado, impactará seguramente os preços finais de mercadorias como remédios, combustíveis, vestuário, calçados, comunicação, serviços em geral e alimentos, além de aumentar também o preço de produtos comprados pelas micro e pequenas empresas. Por certo, os maiores prejudicados serão os trabalhadores. Todavia não é isso que indigna a Fiesp.

A alíquota também impactará os interesses econômicos desses setores da grande burguesia e, especialmente, os latifundiários paulistas, que, diminuídas as concessões de benefícios fiscais e toda a escandalosa mordomia da qual usufruem impunemente, pagarão imposto maior para compra de insumos e demais mercadorias para seu consumo produtivo (tais como energia elétrica, tratores, máquinas e outros equipamentos). O choque entre este setor industrial-comercial da fração compradora da grande burguesia com Dória vem crescendo desde o início da pandemia, quando este último aplicou medidas restritivas mais severas, não por humanismo, mas por medo de uma explosão social contra o colapso do sistema de saúde que o levasse de roldão a um funeral político.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin