MS: Trabalhadores da saúde indígena são demitidos em meio a pandemia

Dezessete trabalhadores da saúde indígena do Polo Base de Dourados, localizado no Mato Grosso do Sul, foram demitidos em meio a pandemia e três aguardam finalização de processos internos.

Segundo denúncias divulgadas pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) as demissões são arbitrárias e as perseguições no setor tiveram impulso quando o Ministério da Saúde, chefiado pelo general Eduardo Pazzuelo, nomeou o militar coronel da reserva, Joe Saccenti Júnior, ao cargo de coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) de Mato Grosso do Sul.

De acordo com as denúncias, qualquer profissional da saúde indígena que comente ou questione as decisões tomadas pelo DSEI recebe advertência e/ou demissão, estas ações têm ocorrido principalmente contra os trabalhadores indígenas que atuam na saúde indígena.

Entre os demitidos consta a enfermeira Indianara Kaiowá, coordenadora técnica do Polo Base que esteve na linha de frente do atendimento a indígenas infectados. 

O Polo Base da cidade de Dourados atendeu os primeiros casos de infecção pelo vírus entre os povos Guarani e Kaiowá. Durante a fase mais crítica da pandemia, a unidade ficou sem chefia e sem agente administrativo por um período em decorrência de afastamentos e das demissões, e de acordo com os relatos, principalmente os trabalhadores indígenas assumiram a condução das atividades.

Outro fato denunciado é a falta de transporte para as equipes de saúde que desde dezembro só podem prestar atendimento por um período do dia. De acordo com a Apib, a compra de insumos muitas vezes depende do financiamento colaborativo feito pelas organizações indígenas e sociedade civil.

No mês de janeiro foi ultrapassada a marca 200 mil mortes registradas em todo solo nacional em decorrência do Covid-19. Segundo dados oficiais, no Estado do Mato Grosso do Sul 3,6 mil casos entre indígenas foram confirmados e houveram 76 mortes.

Leia mais: MS: Socorro Popular organiza o povo na produção de sabão para combate à Covid-19 em Dourados

Indígenas Guarani e Kaiowá em Dourados (MS). Foto: Egon Heck.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin