Os acontecimentos de 6 de janeiro nas entranhas do imperialismo ianque

Foto: Banco de dados AND

Os acontecimentos de 6 de janeiro, no Capitólio (parlamento ianque), são sintomas da enfermidade crônica de que sofre o sistema imperialista em sua crise geral de decomposição, tanto mais neste momento, de grave crise geral de superprodução relativa.

A grande concentração e centralização do capital nas mãos de um punhado de monopolistas, processo inevitável que produz crises cíclicas sucessivamente mais graves que as antecedentes, gera um processo correspondente no sistema político, a saber, de centralização e concentração de Poder político no Estado imperialista, restrição de direitos e deformação de sua tão propagandeada democracia hipócrita. Um regime produtor insaciável de misérias e agravamento de todas as suas contradições só pode sustentar-se com um regime político de choque. O fenômeno Trump é filho deste processo sinistro de marcha à barbárie em que está submetida toda a Humanidade na época do imperialismo. Porém, não é o único. Que sejam vistas as mil e uma denúncias do contínuo genocídio promovido pelo imperialismo ianque antes de Donald Trump para se comprovar esta verdade.

Compreender corretamente aqueles acontecimentos – e os que virão depois dele – é chave para reafirmar a natureza do imperialismo e compreender profundamente sua tendência econômica e política.

Ver fascismo em Trump é a armadilha perfeita da reação para legitimar ante a opinião pública a velha ordem “democrática” genocida do imperialismo. Trump não defende uma reestruturação corporativa fascista da sociedade, nem se opõe ao regime demoliberal reacionário, do qual é defensor no essencial. O que predica Trump é o mesmo que predicam todos os políticos da reação imperialista neste período histórico: concentração e centralização de Poder político, restrição de direitos e endurecimento das leis penais às custas das aclamadas liberdades individuais. Este é um processo em marcha contínua que tem como suas promotoras maiores as forças do establishment ianque (com ênfase nos altos mandos militares e do Pentágono), que, a propósito, têm explícita preferência em tal situação pela máfia do Partido Democrata, os lobos em pele de cordeiro.

A denúncia de fraude nas eleições do USA e de todos os países sob domínio do capital monopolista, longe de dever assustar os democratas e revolucionários de todo o mundo por ser uma ameaça à "democracia" ianque, deve ser vista como comprovação de suas teses fundamentais. Afinal, esta é a democracia dos monopólios, que nenhuma ilusão cresça sobre isso. A farsa eleitoral se realiza mediante fraude de todos os tipos e em vários níveis e graus; a denúncia acerca de seu caráter fraudulento, feita ora ou outra por um reacionário inconformado com sua derrota eleitoral, nada mais é do que a verdade que, em situações regulares, não é conveniente ser dita. O fato de tais denúncias saírem da boca dos reacionários é também sintomático da grave crise do sistema imperialista e no centro da superpotência hegemônica única (Estados Unidos, USA). Digamos que a situação de instabilidade política e institucional, fruto dos abalos na economia e da subsequente pugna entre os diferentes setores e grupos de poder da burguesia imperialista, propicia estes lapsos de sensatez, se assim quisermos chamar.

A atuação de milícias reacionárias e até de elementos fascistas, por sua vez, embora tenha convergido muito especialmente no episódio de 6 de janeiro com a bravata de Trump, é um fenômeno relativamente independente. Tais milícias aproveitam-se do furdunço criado na pugna entre os demoliberais ultrarreacionários. Trump, ainda que tentando se apoiar nesses grupos para pressionar o Congresso e tendo como preocupação maior a grave perspectiva financeira que se lhe apresentará com o fim de seu mandato, não tem com eles nenhum compromisso. Não é ele um chefe ideológico. A ira que toma conta, agora, destes grupos político-paramilitares por terem sidos abandonados pelo palhaço Trump (que abertamente deu última forma em seus movimentos de contestação à transição de governo e pediu até a seus apoiadores para permiti-la pacífica) é mais uma comprovação deste fato.

Biden, que assumirá como presidente da superpotência hegemônica única, tendo em sua retaguarda – desde a campanha – os setores mais odiosos e reacionários do capital financeiro ianque e da estrutura burocrático-militar do Estado, alavancará a níveis nunca vistos o processo de reacionarização da máquina estatal. Disso podemos estar certos. Todavia, "onde há opressão há resistência" e a marcha inexorável da situação política internacional ruma à desordem, instabilidades e reforça a tendência histórica e política principal: a Revolução Proletária Mundial.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro