Haiti: Milhares de manifestantes exigem a renúncia de Jovenel Moise

Manifestantes queimam pneus exigindo a renúncia de Moise. Foto: EFE/Jean Marc Herve Abelard

No dia 15 de janeiro, milhares de pessoas foram às ruas de Puerto Príncipe, capital do Haiti, exigir a renúncia do presidente Jovenel Moïse, lacaio do imperialismo ianque.  A revolta popular se deu pela recusa do gerente de turno reacionário de encerrar seu mandato no começo do próximo mês, como estaria estipulado pela Constituição. Moïse vem governando o país a partir de decretos há um ano, após o parlamento ser fechado.

O primeiro grande protesto do ano foi marcado com uma multidão, composta de milhares de pessoas, marchando pela capital do país e entoando palavras de ordem como Jovenel deve ir embora. Se não for, terão desobediência civil!. Os protestos se radicalizaram quando a polícia decidiu reprimir os manifestantes com gás lacrimogêneo. Estes responderam atirando pedras e incendiando barricadas de pneus.

Moise assumiu o poder no dia 07/02/17, por um período de cinco anos. As eleições ocorreram em 2015, então seu mandato começaria em 2016, mas, por denúncias de fraudes eleitorais, a posse foi adiada em um ano. Os manifestantes, baseando-se em um artigo da Constituição, declaram que os cinco anos de mandato começaram a contar em 2016.

Apoiado pelo imperialismo ianque, Moïse tem acumulado poder através de uma série de decretos, apesar da revolta popular contínua desde 2018. No final de 2020, ele criou a Agência Nacional de Inteligência (ANI). Os agentes da ANI têm a tarefa de vigiar os “grupos sucessíveis a recorrer a violência”. Eles também possuem uma espécie de imunidade jurídica: não podem ser julgados por atos cometidos no exercício da função, ao menos que o presidente autorize. Em outro decreto, o “vandalismo” em locais públicos foi classificado “terrorismo”, com pena de 30 a 50 anos de prisão.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro