Liga Operária: Auxílio Emergencial de um salário mínimo já!

Reproduzimos abaixo nota da Coordenação da Liga Operária retirada do portal Liga Operária.


Auxílio Emergencial de um salário mínimo já!

O reacionário governo dos generais, tendo à frente um capitão-do-mato Jair Bolsonaro, assessorado por um ministro da economia ligado aos grandes grupos econômicos do imperialismo ianque, formado na Universidade de Chicago Paulo Guedes, antioperários até o tutano, mais uma vez buscam sacrificar o povo, cortando os benefícios e principalmente o Auxílio Emergencial, que se quer dava para manter uma família de quatro pessoas.

O que muitos brasileiros não sabem é que esses senhores, buscam desenfreadamente retirar tudo do povo para encherem as burras dos grandes banqueiros e das grandes corporações, enquanto usam a pandemia para acabarem com o pouco que resta de direitos ao nosso povo. Para se ter uma ideia, quando o salário mínimo foi criado em 1936, era calculado para o sustento de uma família de quatro pessoas viverem com dignidade e de acordo ao Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômico (Dieese), divulgado no dia 11 de janeiro, o salário mínimo teria que ser de R$ 5.304, ou seja, quase 5 vezes (4,82) maior que os atuais R$ 1.100.

Fato é que os governos de turno no Brasil se limitam sempre em estatísticas e mais de 51 milhões de pessoas, um número maior que a população de muitos países da Europa, sobrevive com renda mensal de, no máximo, R$ 436 por pessoa do domicílio, sendo que desses, mais de 13,6 milhões de brasileiros, sobrevivem abaixo de R$ 151 reais por mês. Enquanto os países imperialistas, oferecem U$600 dólares no Auxílio Emergencial (cerca de R$ 3.222 reais para cada pessoa mês nos EUA) e £$2.500 Libras (cerca de R$18.275 reais mês no Reino Unido).

O reacionário governo dos generais repetem continuadamente que “o país tá quebrado” e que o Auxílio Emergencial vai afundar mais ainda, porém ele representa 2,5% do PIB e de forma covarde liberam mais de 40% só para os banqueiros e sem falar que os maiores devedores da União, são justamente essa gente que vive da ciranda financeira.

Por isso defendemos a permanência do Auxílio Emergencial de 1 salário mínimo (R$1.100 reais), enquanto perdurar a pandemia e também a vacinação para o povo já, incluindo na lista de prioridades todos os profissionais que estão trabalhando durante a pandemia, por que foram considerados “categorias essenciais”. Não deixemos que esses parasitas utilizem a pandemia para arrochar ainda mais o sofrido povo brasileiro, tanto na cidade quanto no campo.

Vacina para o povo, já! Testagem em massa, já!

 

É um verdadeiro absurdo que estão fazendo com a vacina, nem mesmo as pilhas de cadáveres que crescem a cada dia e a própria situação calamitosa no estado do Amazonas, onde as pessoas estão morrendo por falta de oxigênio. Esse governo de generais, serviçal das transnacionais se quer toma uma providência.

Esse canalha e sua claque o que faz é zombar do povo e vomitar o seu ódio, seguindo os ditames do seu amo Trump. Os monopólios de imprensa ficam como hienas em carniça, tomando o lado de uma das frações da grande burguesia, mas não denunciam o fato de que há um ano Bolsonaro e o “Chicago boy” Paulo Guedes, fecharam a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Petrobrás no Paraná, que poderia estar produzindo 30 mil metros cúbicos de oxigênio por hora, enquanto que a necessidade do estado do Amazonas é de 76 mil m³ dia, ou 3,17 m³ hora. (Fonte: FUP)

É um dever de todos os lutadores classistas exigirem a vacinação em massa e enquanto não chegar a vacina, que seja realizado a testagem em massa, principalmente dos trabalhadores que estão produzindo em meio a pandemia, criar formas de acordo a cada região, com manifestações, cartazes e propagandas, para contrapor as “fake news” espalhadas pelos reacionários obscurantistas. A vacina está aí e deve ser para o povo, não aceitemos que vire objeto de campanha, seja de quem for, a ciência e a tecnologia devem ser desfrutadas por todos! Abaixo a demagogia eleitoreira:

Vacina para o povo, já!

Testagem em massa, já!

Auxilio Emergencial de um salário mínimo, já!

Garantia de emprego e de salário para todos!

Coordenação da Liga Operária

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin