Chile: Povo Mapuche resiste à violenta repressão policial

Mulheres Mapuche confrontam agentes policiais. Foto: Aton

No dia 7 de janeiro, em uma operação com mais de 821 oficiais da Polícia de Investigações (PDI) e Carabineros (polícia militar chilena), a comunidade Temucuicui (na área de Ercilla, Araucanía, província de Malleco) foi duramente reprimida e alvo de ataques. O ocorrido se deu sob o pretexto de “combate às drogas”, no mesmo dia em que os líderes da comunidade aguardavam à condenação dos policiais envolvidos no assassinato de Camilo Catrillanca, jovem weichafe (“combatente”, na linguagem mapuche) assassinado em 2018. Em nota, a comunidade denunciou o caráter fraudulento da operação e a ligação do velho Estado chileno com o latifúndio.

Por volta de meio-dia, homens armados com fuzis, rostos cobertos e munições de guerra iniciaram a operação nas terras Temucuicui. Eles possuíam dezenas de veículos, muitos deles blindados, e cerca de dois helicópteros que sobrevoavam disparando contra a comunidade. Mulheres e homens, surpreendidos, saíram para expulsar as tropas.

Os policiais responderam com grandes quantidades de gás lacrimogêneo e projéteis, deixando homens, mulheres e crianças feridos. Animais foram mortos, moradias e cercas foram destruídas.

Em cima disso, a reação montou um palco para tirar a legitimidade da comunidade Temucuicui. A grande mídia, serviçal do velho Estado, justificou a operação afirmando que a comunidade estava envolvida com o tráfico de drogas e que “mil pés de maconha” foram apreendidos. O reacionário Ministro do Interior, Juan Francisco Galli, viajou à Araucanía para apoiar a operação. O diretor da PDI ameaçou futuras operações similares.

No seu blog, a comunidade publicou um comunicado repudiando as ameaças e falsificações. Em nota, narraram como há quase duas décadas o velho Estado chileno vem tentando associar o povo Mapuche ao tráfico de drogas, muitas vezes plantando falsas provas. Também pontuaram que os ataques que vêm sofrendo se dão por parte do latifúndio e demais classes exploradoras, que querem tomar suas terras prósperas.

Por fim, a comunidade denunciou as circunstâncias em que se deu a operação. Ela foi aplicada no mesmo dia do julgamento dos assassinos de Camilo Catrillanca. Sua família foi impedida de ir à cidade receber o veredito. Enquanto voltavam para a comunidade, sua mãe, juntamente de sua viúva e sua filha, de 7 anos, foram detidas.

Catrillanca foi assassinado em novembro de 2018 pelo Comando Jungla, em uma operação policial covarde com envolvimento dos Carabineros e do Ministério do Interior. O Comando Jungla, um “comando anti-guerrilheiro”, trata-se de uma equipe treinada na Colômbia para servir aos interesses do latifúndio e do monopólio florestal e madeireiro. O jovem weichafe desde cedo lutou pelo seu povo, contra o domínio e exploração das classes dominantes.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro