Índia: Marcha camponesa toma as ruas de Nova Déli; um camponês é morto e 200 são detidos

Camponeses tomam o Forte Vermelho. Foto: Sajjad Hussain.

No dia 26 de fevereiro, Dia da República da Índia, dezenas de milhares de camponeses marcharam até o Forte Vermelho em Nova Déli, em continuação aos protestos contra as novas leis de agrárias pró-latifúndio realizados nos últimos dois meses. Com tratores, cavalos ou a pé, a grande massa se dirigiu e invadiu o complexo histórico, enfrentando a repressão policial que fez o uso de gás lacrimogêneo, canhões de água e barricadas. Esse foi o maior ato em pressão ao governo de turno do fascista Narendra Modi desde o início dos protestos em novembro do ano passado.

Durante uma parte do protesto, em ITO (região do centro da cidade), um camponês de 26 anos foi morto ao entrar em conflito com policiais. Enquanto avançava para cima das barreiras policiais com seu trator, o veículo capotou. Os manifestantes testemunhas afirmam que ele foi atingido por um disparo da polícia, enquanto os policiais alegam que foi apenas um dano no trator.

Cerca de 200 pessoas foram detidas acusadas de “revolta”, além de “danificar a propriedade pública” e “atacar oficiais policiais”. Dezenove pessoas foram presas. Fontes policiais afirmam que 394 policiais foram feridos e que 30 veículos policiais foram danificados.

O ato se iniciou por volta das 8h da manhã, surpreendendo as “autoridades”, que haviam firmado um acordo com lideranças oportunistas. O acordo autorizava a marcha dos camponeses somente com rota prescrita e apenas após as comemorações oficiais do “Dia da República”. As comemorações acontecem na avenida Rajpath, onde um espetáculo é montado pelo governo de turno para exibir poderio bélico e uma falsa "diversidade cultural".

Os camponeses, acampados nas fronteiras de Singhu, Tikri e Ghazipur, tomaram rotas diferentes em direção ao centro da cidade. Ao todo, cerca de 10 mil tratores seguiram ao lado de outros milhares de camponeses a pé ou a cavalo. Enquanto avançavam, cantando palavras de ordem contra Modi, eles recebiam pétalas de rosas de trabalhadores da região que filmavam a marcha a partir de suas moradias. Logo cedo, eles tiveram seus caminhos bloqueados por contêineres, ônibus e caminhões colocados nas estradas pela polícia para os conter. Quebrando as barreiras, a marcha avançou. A polícia, em número menor, teve de recorrer ao uso de gás lacrimogêneo, canhões d’água e repressão com cassetetes. Os camponeses responderam com pedras, pedaços de paus e kirpans (espadas cerimoniais).

Com maior força, os camponeses fizeram a reação recuar e seguiram até o Forte Vermelho, importante monumento histórico do país. O Forte Vermelho é uma fortificação que servia de moradia aos imperadores mogóis ainda no século XVII, e se tornou um dos símbolos da “independência” indiana após Jawaharlal Nehru erguer a bandeira nacional acima dos portões de Lahori no dia da Independência, gerando a atual cerimônia anual em todo dia 15 de agosto.

No Forte Vermelho, os agentes de repressão do velho Estado foram facilmente superados pela grande massa camponesa, que ocupou o prédio enquanto destruía a parafernália externa (catracas de entrada, guichês, scanners de bagagens), e o interior (câmeras de segurança e escritórios administrativos). Além disso, ônibus e automóveis policiais presentes no local também foram destruídos. Alguns manifestantes escalaram o prédio, erguendo bandeiras de organizações e sindicatos camponeses nas suas torres. No bastião onde o Primeiro Ministro ergue a bandeira nacional no “Dia da Independência”, os camponeses também ergueram uma bandeira. 

Os camponeses permaneceram no forte até o anoitecer, quando novos agentes da repressão chegaram, e permaneceram mais algumas horas do lado de fora cantando palavras de ordem contra o governo Modi. Após isso, partiram para ITO, onde se encontraram com outro grupo de camponeses que enfrentava a polícia.

Partido Comunista da Índia (Maoista) lança declaração em apoio aos camponeses

Em uma declaração intitulada Continuar a Luta Contra as Três Leis Agrícolas Antipovo, Até que o Governo Modi as Revogue Completamente, o PCI (Maoista) transmitiu saudações vermelhas e revolucionárias a todos aqueles que "em Delhi e em toda a Índia, lutam resoluta, contínua e unidamente pela revogação das três leis anticamponesas do governo Modi". E afirma que acolhem com muito entusiasmo a "Marcha do Trator", realizada pelos camponeses em 26/01.

O partido afirma que a marcha expôs o "hipócrita e duas caras" Modi que se disfarça de "Principal Servidor do Povo", mas na verdade é o “servo obediente dos imperialistas e dos grupos compradores corporativos".

Ele ainda declara que o governo Modi está roubando a comida da boca dos pobres entregando os direitos de aquisição e açambarcamento às empresas Adani e Ambani: "Eles estão apertando o laço ao redor do pescoço do camponês, iniciando mercados privados e fazendo disposições para entregar a terra às corporações. Essa lei é um decreto para tomar o sustento das pequenas empresas e comerciantes. Não são apenas os camponeses, mas 80% dos cidadãos comuns que serão gravemente afetados por esta lei".

Por isso, os comunistas anunciam que apelam às grandes massas para que se unam à luta: "Nas áreas de seu trabalho, realize lutas consistentes de apoio e obrigue o governo a revogar estas leis. Apelamos a todas as pessoas para que protestem e se manifestem em diferentes lugares em todo o país em apoio ao chamado da Frente Única dos Agricultores para gherao o parlamento no dia 1º de fevereiro de 2021 e a outros programas, apelamos aos quadros do Partido Maoista, Exército Guerrilheiro de Libertação Popular organização revolucionária, outras organizações e as Comunidades Populares Revolucionárias (CPRs) para realizar várias lutas em apoio ao movimento militante de Toda a Índia e contra as 3 leis."

Reação endurece medidas repressivas

Enquanto a marcha ocorria, unidades paramilitares se somaram às forças de repressão como reforço. Ao mesmo tempo, as “autoridades” locais fecharam estações de metrô e suspenderam a internet móvel em partes da capital, ações frequentemente usadas para sabotar protestos, sob o pretexto de “restaurar a ordem”.

No dia seguinte, em conferência pública, o comissário policial S N Srivastava declarou que a polícia de Nova Déli está utilizando tecnologia de reconhecimento facial, além de câmeras de segurança e gravações de vídeo para identificar os supostos envolvidos nos protestos. Na mesma conferência, declarou que os culpados por isso não serão perdoados.

No mês de dezembro, a grande mídia local, ao lado de membros do partido do governo de turno (o Partido Bharatiya Janata), propagaram diversos ataques e acusações contra camponeses ocupando Nova Déli. A reação se uniu para acusar as massas camponesas de “separatistas”, “naxalitas” e “maoistas”, na intenção de os criminalizar. O Ministro do Comércio e Indústria, Piyush Goyal, afirmou abertamente que o movimento havia sido "tomado pelos maoistas".

Protesto multitudinário já completa dois meses

Os protestos tiveram início em 25 de novembro com uma marcha histórica de 200 milhões de camponeses, majoritariamente dos estados de Punjab e Haryana, até Nova Déli, mobilizados contra as contrarreformas agrárias propostas pelo governo latifundista e semicolonial, que barateariam os produtos agrícolas dos camponeses ao acabar com o intermédio governamental sobre suas vendas. Desta forma, os camponeses terão que negociar diretamente com multinacionais enquanto disputam com o latifúndio. 

Com a crescente pressão das massas, o governo reacionário fez promessas irrisórias de "consertar aspectos das leis" e "suspender sua implementação por dezoito meses". Os camponeses recusaram a oferta, exigindo o descarte completo das leis.

O protesto iniciado nos estados do norte (que possuem uma maior proporção de camponeses) aos poucos ganhou a aderência das massas camponesas de todo o país.

Manifestantes enfrentam as barreiras policiais. Foto: Altaf Qadri

Camponeses dirigem tratores na fronteira de Singhu. Foto: Bilal Kuchay.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin