Polícia militar e pistoleiros atiram contra acampamento Manoel Ribeiro

Reproduzimos abaixo a nota assinada dia 31/01 pela Assembleia Popular do Acampamento Manoel Ribeiro, Comitê de Defesa da Revolução Agrária do Acampamento Manoel Ribeiro (CDRA) e Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia e Amazônia Ocidental (LCP), onde denunciam mais uma investida do latifúndio e o velho Estado contra os que lutam pela terra em Rondônia.

Camponeses erguem bandeiras após a tomada em 2020 das últimas terras onde ocorreu em 1995 a Heroica Resistência Camponesa de Corumbiara. Foto: Banco de dados AND

Enquanto o latifúndio e seus serviçais no velho Estado preparam escalada repressiva contra o Acampamento Manoel Ribeiro, policiais e pistoleiros aumentam ataques para manter as famílias sob tensão.

Policiais militares e pistoleiros da fazenda Nossa Senhora Aparecida cometeram no dia 29 de janeiro uma série de crimes no entorno do acampamento, localizado na área rural de Chupinguaia, na divisa com o município de Corumbiara. Duas viaturas da PM, sendo uma do Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron) e caminhonetes do latifúndio rondaram ostensivamente as áreas revolucionárias vizinhas Maranatã 1 e 2 e Zé Bentão. Invadiram propriedades de camponeses para arrancar bandeiras da LCP e do Acampamento Manoel Ribeiro; as mesmas bandeiras da Revolução Agrária que apavoram latifundiários, enchem de esperanças camponeses e democratas no Brasil e no mundo. Policiais e pistoleiros em três caminhonetes descaracterizadas pararam moradores de forma intimidatória e ameaçadora, como se os camponeses e os acampados fossem criminosos. Para um morador, perguntaram se ele estava indo para o acampamento e ameaçaram: “Se você tivesse indo pro acampamento estava indo pro lugar errado, o pessoal lá vai se dar mal.” Moradores da região reconheceram policiais sem fardamento e sem identificação junto dos pistoleiros da fazenda.

Pouco depois, tarde da noite, as viaturas se aproximaram do acampamento Manoel Ribeiro e realizaram diversos disparos de pistola na direção da entrada. Mais um fato criminoso que comprova o que os camponeses sempre denunciam: as polícias atuam como pistoleiros do latifúndio!

Esses crimes da polícia militar ao contrário de intimidar os camponeses, fez crescer o espírito de resistência das famílias do acampamento Manoel Ribeiro. Os camponeses seguem firmes na luta pelo restante da antiga fazenda Santa Elina, apoiados por camponeses e pequenos comerciantes da região.

A imprensa lixo, a soldo do latifúndio, tem vomitado suas mentiras para tentar criminalizar, desmoralizar e isolar os camponeses. Recentemente, algumas matérias caluniam que os acampados causaram prejuízo aos camponeses vizinhos furando pneus de seus veículos. Mentira descarada! Quem causa prejuízo aos moradores da região e à nação é o latifúndio ladrão de terras, que assassina indígenas e camponeses para monopolizar a terra para produzir só para exportação, enquanto o povo tem que pagar R$10 por um litro de óleo de soja e não pode comer carne, mesmo em Rondônia tendo mais boi que gente. Quem causa prejuízo aos moradores da região é o latifúndio que passa veneno de avião, intoxicando o povo, contaminando rios e solos, destruindo lavouras camponesas e até matas. Quem causa prejuízo aos moradores da região é o Ibama e a Sedam que aplicam multas extorsivas, apreendem motosserras e outros instrumentos de trabalho de camponeses e pequenos madeireiros. Quem causa prejuízo aos moradores da região é o latifúndio que acaba com as estradas e pontes com suas carretas pesadas sem pagar um centavo de imposto, isentos que são pelos governos de plantão. Quem causa prejuízo aos moradores da região é o latifúndio que não compra um prego sequer no comércio local. Quem causa prejuízo aos moradores da região é a polícia com suas operações criminosas que humilha os pobres e apreende suas motos e armas de caça.

E enganam-se os reacionários que pensam que o povo esqueceu os crimes que o latifúndio, a polícia e a sua “justiça” fizeram contra as famílias que ousaram tomar a fazenda Santa Elina, em 1995. Por tudo isso, tirando um ou dois puxa-sacos do latifúndio, a maioria absoluta dos camponeses e comerciantes da região e dos municípios vizinhos apoia materialmente, encoraja e torce pelos camponeses do acampamento Manoel Ribeiro.

Responder o aumento da repressão com mais resistência e solidariedade

Camponeses denunciam que o latifúndio Nossa Senhora Aparecida aumentou o número de pistoleiros, inclusive viram elementos uniformizados e com uma vestimenta que parecia colete à prova de balas. Há 3 dias, pistoleiros fizeram dezenas de disparos de arma de fogo contra o acampamento.

Mas onde existe opressão, existe resistência! Longe de se amedrontarem, as famílias elevam sua organização e preparação, conscientes da justeza de sua luta, ainda mais agora em meio a maior crise econômica e política da história, agravada pela pandemia de Covid-19.

Os camponeses seguem clamando pelo apoio ativo de todos camponeses, trabalhadores, pequenos e médios comerciantes e democratas. E seguem reafirmando: “Queremos viver em paz, mas se nos oferecerem guerra, terão guerra! Nós não sairemos de nossas terras! Estamos unidos e organizados! Se moverem aparato de guerra contra nós, para tentar nos tirar da terra, tenham certeza que resistiremos com unhas, dentes e da forma que pudermos.”

“Essas terras estão regadas com sangue dos camponeses que heroicamente resistiram e lutaram por elas em 1995 e dos povos indígenas chacinados por latifundiários e seu velho Estado. E se for necessário, juntaremos nosso sangue ao desses heróis. Assim como os combatentes de Santa Elina em 1995, hoje 25 anos depois gritamos com firmeza: Nem que a coisa engrossa, essa terra é nossa!”

Todas as terras da antiga fazenda Santa Elina agora são do povo!

Lutar não é crime!

O povo quer terra, não repressão!

Conquistar a terra, destruir o latifúndio!

Terra para quem nela trabalha!

Viva a Revolução Agrária!

Assembleia Popular do Acampamento Manoel Ribeiro

CDRA – Comitê de Defesa da Revolução Agrária do Acampamento Manoel Ribeiro

LCP – Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia e Amazônia Ocidental

30 de janeiro de 2021

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin