PI: A mando do latifúndio, militares atacam povo Gamela e casas são incendiadas

No dia 14 de janeiro, policiais militares realizaram, sob ordem do judiciário, um despejo contra o povo Gamela que vive na comunidade Morro D’Água, em Baixa Grande do Ribeiro, estado do Piauí. 

O despejo teve início às 16h da tarde enquanto os indígenas trabalhavam na roça. Após a expulsão, os agentes da reação queimaram casas. No dia 17, agentes da reação voltaram a ameaçar os indígenas no local. Apenas em 19/01, o judiciário do Piauí suspendeu a ordem de despejo. Um outro ataque onde casas foram incendiadas já havia acontecido em 2020 por iniciativa de latifundiários que praticam a grilagem de terras indígenas na região. 

Entre os expulsos está o líder indígena Adaildo José Alves da Silva e sua família, de 11 pessoas.  Segundo Adaildo, "a demarcação da nossa terra já foi reivindicada, mas aqui onde a gente vive é grileiro que compra terra de grileiro. Eles nos ameaçam de morte e como temos pouco estudo e conhecimento da lei, eles se aproveitam disso”. O suposto autor do pedido de posse é o latifundiário e grileiro Bauer Souto Santos.

O assessor jurídico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) Regional Nordeste, Daniel Maranhão Ribeiro, faz importante denúncia em entrevista ao Cimi, no que diz respeito aos despejos realizados em meio a pandemia. Segundo Daniel, “cabe ressaltar também que todos os processos de ações possessórias foram suspensos durante a pandemia, assim como recursos referentes a essas ações de acordo com a decisão no Recurso Extraordinário 1.017.365 proferida pelo Supremo Tribunal Federal (STF)”.

Casa é incendiada em meio a despejo ilegal. Foto: Reprodução

Matopiba: Latifundiários grilam terras do povo

Outra denúncia realizada pelo assessor é sobre como o avanço da chamada “fronteira agrícola” de Matopiba – acrônimo das iniciais dos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, afeta o povo gamela. 

Esta área que o latifúndio busca explorar compreende 73 milhões de hectares de cerrado que abarcam 337 municípios, 35 terras indígenas, 745 assentamentos de camponeses e várias comunidades tradicionais como quilombolas, geraizeiros, quebradeiras de coco, além de 46 unidades de conservação do segundo maior bioma brasileiro, considerado a savana mais rica em biodiversidade do mundo.

Por ser uma região de vasta extensão de terras planas, torna-se ideal para o cultivo de soja e outras commodities e este cultivo vem crescendo exponencialmente nos últimos anos graças aos incentivos dados pelo velho Estado ao latifúndio.

Durante o processo de grilagem, o latifúndio manda seus capangas até as terras já ocupadas pelas massas da região e intimidam fazendo georreferenciamento via GPS, ou colocando placas alegando que as terras pertencem a eles, ou invadindo as áreas. Invasões promovidas por pistoleiros. Ao final com certidão de matrícula falsa movem processos na justiça a fim de expulsar com apoio do velho Estado os trabalhadores de suas terras.

Há também a prática chamada “grilagem verde”, quando o latifúndio alega que toda uma extensão de terra pertence a ele e ao delimitar, como exigido por lei, a área de proteção o faz indicando o local onde há comunidades.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin