Mortes por polícias no RJ em 2020: em meio à pandemia, PM segue praticando genocídio

O ano de 2020 encerrou com 1239 assassinatos cometidos exclusivamente por agentes de repressão somente no Rio de Janeiro. O número inclui mortes feitas por policiais militares, civis, e outros “agentes de segurança pública”.

Terceiro ano mais letal da década

A taxa de mortes em decorrência de intervenção estatal do ano que se iniciou a pandemia do coronavírus no Brasil fica atrás somente dos anos de 2019 e 2018 (com 1814 e 1534 mortes, respectivamente), em um acompanhamento feito desde 2003. Os dados são do Instituto de Segurança Pública (ISP).

A cada cem mortes violentas no Rio, 25 foram causadas diretamente pela Polícia Militar ou Polícia Civil. Uma média de 3 mortes por dia. Uma das razões para uma queda momentânea nos casos a partir, sobretudo, em junho é que neste mês começou a valer uma liminar do STF que visava restringir estas operações.

A decisão do ministro Edson Fachin veio após uma série de casos de assassinatos praticados pela PM durante operações que rolavam soltos mesmo em meio à primeira onda de Covid-19. Ali, o estado do Rio de Janeiro era uma das primeiras cidades do país a ver transcorrer o completo caos no sistema de saúde resultando em centenas de mortes diárias. À este genocídio premeditado, veio se somar um outro genocídio, mais antigo, a violência policial.

Em 2020, PM promoveu operações de extermínio durante entrega de cestas básicas

João Vitor da Rocha, 18 anos, foi um dos jovens assassinados. O jovem morreu na Cidade de Deus no exato momento em que voluntários da Frente Cidade de Deus – Frente CDD realizam a entrega de 200 cestas básicas durante o fim de tarde. O caso desse adolescente ocorreu somente dois dias após João Pedro Matos, de 14 anos, morrer em outra operação conjunta das Polícias Civil e Federal em outra parte da região metropolitana, São Gonçalo.

A decisão (que autorizava operações policiais na pandemia somente “em casos absolutamente excepcionais”, devidamente justificadas por escrito pela autoridade competente e comunicadas ao Ministério Público estadual), contudo, nunca fora cumprida em sua plenitude.

Como consequência, nos meses de outubro, novembro e dezembro, foram vistos os patamares habituais de violência policial. Com média de 101 pessoas assassinadas por policiais por mês, a população pobre das favelas e bairros pobres do Rio de Janeiro seguiram sendo vitimados na guerra contra o povo praticada pelas forças repressivas reacionárias.

Ainda foram registrados, no 10o mês de 2020, o dobro de operações em toda região metropolitana do RJ dobrar em relação ao mês anterior (de 19 para 38). O número de mortos foi de 30, seis vezes maior que o de setembro e equivalente à soma dos quatro meses anteriores.

O mês de dezembro foi o mais letal: foram registradas 368 mortes, destas 79 foram causadas pela polícia. O que resulta que, nesse mês, a cada 5 mortes violentas, a PM foi responsável por 1.

Guerra contra o povo no RJ assassinou mais que em todo estado imperialista norte-americano (USA)

A letalidade policial do Rio, neste ano de 2020, ficou 23% acima que a dos Estados Unidos. Somente à título de comparação, o país norte-americano, que viu as bases de seu secular sistema imperialista de opressão racial tremerem frente aos gigantescos protestos que tomaram todo o país após o brutal assassinato de George Floyd, conta com 1004 mortos pela polícia para uma população de 328 milhões de habitantes. Enquanto o Rio de Janeiro encerrou o ano com a marca de 1239 mortos por policiais para 17,4 milhões de habitantes (incluindo não só a região metropolitana, que é onde se concentra maior parte das operações policiais, mas sim todo o estado).

A enorme taxa de mortos pelos agentes de repressão impressiona, ainda mais, quando comparados com o número de policiais mortos. 65 policiais (militares e civis) foram mortos no ano de 2020, contrastando com os 1239 assassinatos praticados pela instituição.

Violência policial se repete por todo país

A PM do Rio não foi a única a atingir elevados níveis de assassinatos de civis. Em São Paulo, registraram-se diariamente 2 mortes feitas pela PM. Nesse estado, o número total de mortes ficou em 814.

Tal escancaramento da atuação das policias em todo o país, mesmo em meio ao contexto de genocídio em curso da pandemia do coronavírus, não é algo novo. É o continuado processo em curso desde sempre no nosso país. E representa, ainda, uma escalada da violência reacionária contra as massas favelas, pretas e pobres, de todo o país.


Operação militar no Morro do Fallet no Rio de Janeiro em 2019. Foto: Betinho Casas Novas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro