PA: PM assassina professor do povo Tembé-Theneteraha dentro de Território Indígena

No dia 12 de fevereiro, o professor Isac Tembé, 24 anos, do povo Tembé-Theneteraha, foi assassinado com tiro no peito por policiais militares (PM's). Os agentes de repressão atuavam como paramilitares a serviço do latifúndio, na Terra Indígena (TI) Alto Rio Guama, localizada entre os municípios de Capitão Poço e Paragominas, no nordeste do Pará. 

O jovem professor e liderança dos indígenas, saiu junto com um grupo no dia 12/01 para caçar depois de um dia de trabalho na casa que construía para sua família - esposa que está grávida de cinco meses e três filhos adotivos. Ele foi executado durante a noite com um tiro no peito depois de ser emboscado em uma ilha de mato.

O corpo de Isac foi retirado da cena do crime, não houve perícia no local e apenas após seu velório, que ocorreu no dia seguinte ao assassinato, seu corpo foi levado para perícia.

A Secretaria de Segurança Pública (Segup) do Pará confirmou que toda ação foi fruto de uma operação policial.

A Polícia Militar (PM) alega que houve troca de tiros, que havia um revólver calibre 38 no local e agiu em legítima defesa, porém o grupo que saiu com Isac afirma que estes estavam sem armas de fogo durante a caça. A suposta arma não foi apreendida pela PM.

Em nota pública emitida dia 14/02, o povo Tembé-Theneteraha denúncia: “A Polícia Militar assassinou duas vezes Isac Tembé: mataram seu corpo e tentam matar sua memória quando atacam a índole de nosso jovem guerreiro e liderança exemplar”.

De acordo com as denúncias feitas pelos indígenas, a PM age na região como bando paramilitar que protege as terras do latifúndio e invasores das terras indígenas.

A respeito das invasões pelo latifúndio à TI, segue em nota dizendo: “Nosso território sofre diariamente invasões e ataques por parte de exploradores ilegais de madeira ou de fazendeiros que insistem em manter a ocupação de partes da Terra Indígena Alto Rio Guama, através de cabeças de gado e de outras atividades econômicas”.

Por fim, concluem: “Exigimos resposta urgente pois não vamos nos calar e deixar que esse crime permaneça impune. [...] Exigimos justiça! Punição dos assassinos e mandantes da morte de Isac Tembé!”

Segundo denúncia emitida pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), mortes de indígenas são parte do quadro nacional: “É oportuno lembrar que a morte de mais este jovem indígena soma-se às mortes de outros 16 jovens que vêm acontecendo no município de Capitão Poço desde 2019”.

Afirmam ainda que “Apesar de homologada e regularizada, a terra indígena tem mais da metade de seus 279 mil hectares ocupados ilegalmente por fazendeiros, situação que afeta diretamente o direito de usufruto do povo Tembé sobre seu território tradicional”.

Isac Tembé, professor e liderança indígena é assassinado com tiro no peito por PMs na TI Alto Rio Guama. Foto: Reprodução.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro