Companheiro Dantas, presente na luta!

No sábado, 13 de fevereiro, o valoroso e combativo companheiro José Alves da Silva, conhecido por todos como Dantas, veio a óbito em decorrência de complicações da Covid-19.

Dantas e sua companheira Nora começaram a sentir os primeiros sintomas no início de janeiro, foram até uma UPA onde foi realizado raio-x e aplicado medicação, entretanto os sintomas avançaram e então resolveram buscar atendimento em Salvador, chegando ao Hospital Santa Izabel foi constatado o avanço dos sintomas da Covid-19 e ambos ficaram internados no mesmo quarto durante alguns dias, no entanto com o agravamento do quadro do companheiro, ele teve que ser encaminhado para a UTI e entubado em seguida, enquanto Nora permaneceu em tratamento mais alguns dias, e só pode receber alta após a melhora de sua respiração e o controle da glicemia. O Companheiro Dantas lutou pela vida por semanas, mas infelizmente não resistiu as complicações e faleceu no último sábado.

Dantas era um grande apoiador da imprensa popular e democrática, ferrenho Marxista-Leninista-Maoista, participava ativamente das manifestações, protestos, brigadas do AND, sempre demonstrando firmeza e convicção ideológica na Revolução de Nova Democracia como único caminho para emancipação do nosso povo.

Mesmo cego desde muito jovem nada parecia ser um empecilho para Dantas, tanto em suas conquistas pessoais como em sua luta política. Todos o conheciam pelo seu grande otimismo revolucionário e sua perseverança inquebrantável, tinha imenso prazer em participar das ações e tarefas políticas e, não gostava que olhassem sua deficiência como um impeditivo, como afirma por unanimidade todos os companheiros que atuavam ao seu lado.

No último ano mobilizou o Comitê Sanitário de Defesa Popular – Camaçari prestando apoio a dezenas de pessoas sem moradia na cidade vizinha de Lauro de Freitas que haviam sofrido com despejo de uma ocupação. Sempre ativo nas campanhas de boicote eleitoral, rechaçou ativamente a farsa das eleições 2020. Prestou apoio ao acampamento Thiago dos Santos e a LCP, movimento camponês pelo qual ele tinha profunda admiração.

Professor de História da Rede Estadual de Educação da Bahia, intransigente contra o sucateamento da educação pública e defensor de um ensino público e de qualidade para os filhos do povo, o companheiro morava e trabalhava em Camaçari, cidade da Região Metropolitana de Salvador. Dono de um grande carisma e um sorriso fácil era muito querido pelas massas em seu bairro e nas escolas que trabalhava e admirado também como uma referência política e moral.

A morte do companheiro faz parte da odiosa política genocida do governo militar que já contabiliza mais de 230 mil mortos vítimas do descaso criminoso do governo. Política deliberada, pois desde o início tratou com descaso fazendo chacotas, minimizando o potencial de letalidade do vírus, trocando os ministros da saúde em meio a pandemia até chegar a imposição de um general inapto e em acordo com seu negacionismo, usando a pandemia como palanque eleitoral e ideológico, promovendo e financiando com o dinheiro público o uso de medicamentos sem nenhuma eficácia comprovada, ao mesmo tempo que retardava ao máximo a busca por vacinas e em consequência, atrasando todo o plano nacional de vacinação que tem se mostrado ineficiente para atender a demanda populacional do país.

Em depoimento para o AND, os companheiros de Dantas destacam que:

"O momento em que recebemos a notícia da morte do companheiro nos deixou abalados. Porém, logo lembramos o que ele representa para nós e o movimento democrático revolucionário. Todo seu incondicional amor às massas, a sua força, combatividade, determinação, empenho e convicção em trabalhar em prol da revolução serão um combustível para todos nós. Pegaremos a sua bandeira, erguendo-a e seguiremos em frente, pois sabemos que era isso que ele iria querer de nós. Apesar de sua deficiência visual, enxergava como poucos o horizonte revolucionário que se avizinha e que irá pôr abaixo toda essa velha ordem de exploração e opressão."

Companheiro Dantas, presente na luta!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro