A questão feminina nas vitrines de AND

A Loja de AND lança, neste mês de março, a Coleção Questão Feminina com quatro obras importantes para se debruçar sobre o estudo da opressão sexual que pesa sobre as mulheres e o caminho para a emancipação feminina elucidado pelo marxismo. Adquira esta Coleção de estudo por apenas R$50 + frete em nossa loja virtual através do link Coleção Questão Feminina ou através do contato (21) 98623-4696.

Veja abaixo os livros incluídos nesse material de estudo.


Livro I - Biografias (Editora Seara Vermelha)

Biografia de quatro importantes dirigentes comunistas, suas duras batalhas travadas pela libertação do proletariado internacional e de seus países juntamente com a emancipação das mulheres do povo: a polonesa Rosa Luxemburgo, a alemã Clara Zetkin e as russas Nadezdha Krupskaya e Alexandra Kollontai.

Sumário

Rosa Luxemburgo (1871-1919)

Clara Zetkin (1857-1933)

Nadezdha K Krupskaya (1869-1939)

Alexandra M. Kolontai (1872-1952)

Livro II - Textos Marxistas-leninistas-maoistas sobre a questão da mulher (Editora Seara Vermelha)

“O conteúdo deste primeiro caderno apresenta a base científica para o estudo de uma das questões fundamentais para a revolução em nosso país: despertar a fúria revolucionária da mulher e desenvolver uma linha de massas para incorporá-la como força poderosa na revolução

A literatura marxista sobre a questão da mulher é bastante vasta e, portanto, esta primeira seleção é ainda incompleta. Mas os textos aqui incluídos certamente permitirão ampliar o debate sobre a importância da politização, organização e da luta das mulheres do povo. Assim como garantirão o bom combate ao oportunismo e ao revisionismo representados pelo feminismo burguês e sua tese burguesa de libertação da mulher.” – Editora Seara Vermelha

Sumário

  1. Introdução
  2. A guerra imperialista e as mulheres –  V. I Lenin -1916
  3. O poder soviético e a situação da mulher – V. I Lenin – 1919
  4. As tarefas do movimento operário feminino na República Soviética – Discurso proferido por Lenin na IV Conferência de operárias sem partido da cidade de Moscou, em 23 de setembro de 1919
  5. Igualdade completa para mulheres – V. I Lenin – 1920
  6. Prólogo do livro “A emancipação da mulher” – N Krupskaya – 1933
  7. A família e o Estado Socialista – Alexandra Kolontai
    1. A família e o trabalho assalariado da mulher
    2. Os trabalhos domésticos deixam de ser necessários
    3. A educação dos filhos cabe ao Estado
  8. Lenin e a questão sexual – Do caderno de Notas de Clara Zetkin – 1920
    1. As grandes questões políticas devem ser o centro da educação das mulheres operárias pelos comunistas
    2. Identidade do movimento feminino com o movimento da juventude
    3. A organização das mulheres comunistas
    4. A agitação e propaganda dos comunistas entre as mulheres
    5. A situação das mulheres na Rússia logo após a revolução
  9. A mulher e o socialismo – August Bebel – 1879
  10. Os comunistas e a família – Marx e Engels – 1848
  11. O Capitalismo e a família – Marx
    1. O Capital, livro I – Cap XIII
  12. Dois lares de desempregados – Karl Marx
    1. O Capital, livro I, Cap. XXIII
  13. As rendeiras – F. Engels
  14. As mães arrancadas de seus filhos – F. Engels
  15. A dissolução da família – F. Engels
  16. A origem da família, da propriedade e do Estado – F. Engels – 1884
    1. A família sindiásmica
    2. A família monogâmica
    3. Barbárie e Civilização
  17. As mulheres – Mao Tsetung
  18. A mulher na guerra popular – O marxismo e a Emancipação da Mulher – Presidente Gonzalo – 1986
    1. As relações da propriedade e da mulher
    2. O problema da emancipação
    3. A politização da mulher
    4. Buscam opor-se ao desenvolvimento do movimento feminino
  19. Resolução do Primeiro Congresso do Partido Comunista do Peru
  20. A via de industrialização chinesa e a libertação – Claudie Broyelle
    1. Aumentar a produção e aprofundar os conhecimentos
    2. Um exemplo de resistência feminina que triunfa
  21. Bibliografia

 

Livro III - Chiang Ching – As ambições revolucionárias de uma líder comunista(Editora Seara Vermelha)

Chiang Ching, grande dirigente comunista do proletariado internacional e impulsionadora da Grande Revolução Cultural Proletária na China  foi camarada de armas do Presidente Mao Tsetung e sustentou, em meio ao fogo da luta de classes e contra escolados revisionistas, a posição da esquerda maoista. Foi presa após a morte do Presidente Mao e, não aceitando renegar sua posição pelo maoismo, fez sua própria defesa em julgamento. Ao fim, declarou: “Segui a linha do Presidente Mao e do Partido. O que vocês estão fazendo agora é exigir que a viúva pague as contas do Presidente Mao. Bem, lhes digo, estou contente e honrada em pagar as contas do Presidente Mao", e disse ainda: "Cumpri o que me propus fazer! Fazer a Revolução não é crime!", reafirmando sua condição de maoista, e deixou um exemplo a ser seguido pelos comunistas, da velha e da nova geração, de firmeza e busca intrépida pelo Comunismo.

Sumário

  1. Introdução
  2. Uma rebelde contra a tradição
  3. Ienan: discípula e camaradas de armas de Mao
  4. Reforma agrária e investigação social
  5. Aprendendo a ir contra a corrente
  6. Atacando a velha superestrutura… e seus guardiões.
  7. Revolução na Ópera de Pequim.
  8. Líder da Revolução Cultural.
  9. Tomando o Poder.
  10. Voltas e reviravoltas da revolução
  11. “É fácil fazer a revolução contra os outros e difícil fazê-la contra si mesmo”
  12. Rompendo com velhas ideias
  13. Novos episódios de luta
  14. A última grande batalha
  15. A morte de Mao e o golpe de Estado capitalista
  16. O julgamento mais infame do século XX: “estou contente de pagas as contas do Presidente Mao”
  17. Esposa e camarada de Mao durante 38
  18. Assassinada até que se prove o contrário
  19. Atrever-se a ser como Chiang Ching

Livro IV - A mulher e a revolução (Editora Seara Vermelha)

“Neste livro fizemos uma coletânea de textos sobre a questão da mulher e a luta de classes em alguns processos revolucionários. Mai Thi, do Vietnã; Samora Machel, de Moçambique; Kim Il Sung, da Coreia; e Parvati, do Nepal trazem importantes contribuições para o estudo desse problema chave para a Revolução.” – Editora Seara Vermelha

Sumário

  1. A mulher vietnamita ontem e hoje (Mai Thi Tu)
    1. A mulher na sociedade feudal
      1. A “gota de chuva”
      2. Lindas tradições
    2. A escrava do escravo
    3. Sob a bandeira da classe operŕia
      1. Uma mulher nova
      2. A emancipação da mulher e a herança do passado
      3. Uma luta ideológica perseverante e medidas eficazes
  2. A libertação da mulher é uma necessidade da revolução, garantia da sua continuidade, condição do seu triunfo (Samora Machel – Presidente da FRELIMO e presidente da República Popular de Moçambique – 1973)
    1. A revolução e a emancipação da mulher
      1. O contexto histórico da Conferência
      2. A necessidade da emancipação
      3. O momento de desencadear a batalha
    2. Os fundamentos da alienação da mulher
      1. O sistema de exploração como ponto de partida
      2. Os mecanismos ideológicos e culturais da dominação
      3. A definição do antagonismo
    3. A questão estratégica e tática
      1. As linhas de forças da nossa ação
      2. A organização da mulher
      3. As estruturas da organização da mulher moçambicana
  3. A questão da liderança das mulheres na guerra popular do Nepal (Parvati -The worker)
    1.  Introdução
    2. A questão da liderança das mulheres no PCN (Maoista)
    3. A questão da liderança e as mulheres
    4. As mulheres chegaram mais tarde na arena política
    5. O modo de produção atual não é favorável
    6. A luta da mulher é mais complexa do que a luta dos homens
    7. Manifestação de valores patriarcais no Partido Comunista
    8. Falta de esforço subjetivo por parte dos quadros femininos
    9. A falta de vontade dos homens em abrir mão de seus privilégios especiais
    10. Linha política e a questão da liderança das mulheres
    11. A propriedade privada e a questão da liderança das mulheres
    12. Algumas experiências de lideranças de mulheres no Nepal
    13. Conclusão
  4. A inteireza revolucionária das combatentes (Kim Il Sung)

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro