SP: Frente estudantil divulga nota de repúdio contra base da PM que será instalada na Usp - Ribeirão Preto

Reproduzimos a nota da Frente Estudantil contra a EaD na Universidade de São Paulo campus de Ribeirão Preto (Usp-RP) sobre a base da Polícia Militar (PM) que está sendo instalada na unidade.


Obras para a montagem da Base da PM no campus da Usp-RP. Foto: Reprodução

NÃO A BASE DA POLÍCIA MILITAR NA USP!!!

ABAIXO A MILITARIZAÇÃO NAS UNIVERSIDADES!!!

A Frente Estudantil Contra a EaD Usp-RP vem até os estudantes por meio desta nota se posicionar sobre a construção de uma base da Polícia Militar em nosso campus.

A construção de uma base da PM na universidade é expressão do processo de militarização e criminalização das lutas populares, em geral, e da luta em defesa da universidade pública, em particular. Não à toa, a base tem sido construída em frente ao Bandex (Restaurante Universitário), local onde os estudantes se encontram para fazer suas reuniões, assembleias e convocações de atos, entre se alimentar e descansar. Ou seja, a base serve unicamente para vigiar e perseguir estudantes comprometidos com a luta.

A presença da PM representa uma ameaça às já frágeis autonomia e democracia universitárias. É parte do mesmo processo de nomeação de reitores interventores nas universidades federais levado a cabo pelo governo Bolsonaro/generais. A base da PM não serve de maneira nenhuma para garantir a segurança aos estudantes, professores e funcionários do campus, pelo contrário, visa garantir através da força que sejam impostos os interesses privatistas para a universidade.

O aumento da Letalidade pela PM e as Mentiras contadas pela Reitoria.

O número de mortes pela PM em 2020 é recorde em São Paulo, segundo os dados publicados pelo G1. Mesmo durante a pandemia, a população vem sofrendo com perseguições, mortes, ameaças e despejos pela PM. As mortes causadas pela polícia em 2020 é o maior número de toda a série histórica de 2001. A PM não representa segurança!

Ao chegar na construção, a Usp colocou uma placa dizendo que é uma base avançada da guarda universitária, mas em um grupo dos moradores do Pacaembu no Facebook os moradores confirmam a construção da base da PM da região oeste da cidade. Por que essa omissão de informação? Pois sabem, que a comunidade universitária reagirá. Como já dito antes, a PM representa perseguição, opressão e morte.

A repressão policial na USP

A PM na Usp causa mais medo do que sensação de segurança. Os estudantes são tratados como vagabundos, drogados, entre outras coisas. São parados, abordados, apanham e até morrem pela própria PM.

Cada vez mais eles estão dentro da Universidade para defender os interesses dos empresários, para defender as privatizações, para defender os corruptos, para defender o desmonte da universidade pública, para oprimir os estudantes, professores e funcionários (isso sem falar da população dos bairros) e para colocar a universidade na mão dos empresários e banqueiros. Exemplo disso, é o evento Boat Show em 2020.

O Boat Show, foi um evento que aconteceu na Raia Olímpica da USP Capital. Um evento milionário, que rendeu à USP um barco de luxo. Evento realizado no meio da pandemia, que não tinha nenhum caráter emergencial. Um espaço público, utilizado para enriquecer mais a grande burguesia. Os estudantes protestaram contra o evento, por ser um absurdo a universidade pública ser usada para eventos luxuosos, e por estar sendo expulsos da própria universidade. Na manifestação, a PM usou contra os estudantes bombas e spray de pimenta, sendo obrigados a se afastarem (Por mais informações a ADUSP publicou uma matéria bem detalhada).

Em 2016, a PM usou bombas e balas de borracha contra os moradores do CRUSP que lutavam pela devolução dos blocos K e L. Que estavam vazios e sem uso enquanto muitos estudantes estavam precisando. Com a presença da Tropa de Choque e da Força Tática na moradia.

Esses acontecimentos foram na Usp e não foram só esses.

Temos que resistir com todas as forças contra o órgão de repressão do velho estado brasileiro, a PM. O genocídio causado pela PM ao povo trabalhador que luta por seus direitos não pode continuar. Não podemos permitir a sua presença dentro da universidade e nem os malefícios que ela traz. Queremos segurança e não sentir mais medo.Temos que agir rápido. Chega de opressão!

Não a base da polícia militar na Usp!

Não a militarização das Universidades!

Abaixo o Extermínio causada pela PM a População Trabalhadora!

Frente Estudantil Contra a EaD USP-RP

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro