A Nação precisa da atuação firme do proletariado revolucionário

Fundadores do P.C.B.: De pé, a partir da esquerda: Manuel Cendon, Joaquim Barbosa, Astrogildo Pereira, João da Costa Pimenta, Luís Peres e José Elias da Silva; sentados, a partir da esquerda: Hermogênio Silva, Abílio de Nequete e Cristiano Cordeiro. Foto: Reprodução.

O Brasil passa por uma crise sem precedentes em todos os terrenos fundamentais: no econômico, político, moral, institucional, militar e social, para ficar apenas nesses. Convergem, como poucas vezes se viu na história do país: uma profunda recessão de um enfermo capitalismo burocrático cuja recuperação é impossível no imediato, dentro da qual o imperialismo e as classes dominantes locais impõem uma elevação sem precedentes da exploração das massas e restrição de seus direitos fundamentais; o desmoronar do sistema de governo e dos pactos das classes dominantes para exercer sua dominação e, por fim, o antagonismo entre esse sistema de governo – e, crescentemente, entre o sistema de poder – e os interesses e consciência das massas populares. Essa é a situação revolucionária, objetiva, que traz consigo grandes tormentas e sofrimentos, como também as melhores condições para sua superação por completo.

Dentro disso a pandemia veio a agravar toda a situação, lançando mais de 270 mil pessoas à morte, enterradas em valas comuns, sem mencionar aquelas que morrem com coronavírus sem sequer serem assim diagnosticadas, Brasil adentro.

A crise econômica atira um enorme contingente humano a uma regressão no tempo, na mais absoluta barbárie. É o caso dos 67 milhões de desempregados reais (desemprego, subutilização e desalentados), entre os quais 27 milhões dos brasileiros (12,8% da população em números subestimados) vivem com menos de R$ 246 por mês, ou R$ 8,20 por dia, segundo a Pnads Contínua Covid-19, figurando o macabro quadro da extrema miséria como há muito não se via no país.

Enquanto lamenta ter que retomar o auxílio emergencial para ao menos mitigar o sofrimento inaudito de milhões de famílias brasileiras lançadas ao terror cotidiano, com um miserável valor de R$ 250 por três meses, o governo militar se curva, como o lacaio mais desprezível, ante o mercado financeiro (os banqueiros internacionais), para o qual destinará R$ 2 trilhões e 236 bilhões – mais de 53,9% do orçamento a ser aprovado pelo Congresso – para pagar os juros e amortizações da “dívida pública” ilegítima que saqueia a Nação e infelicita o povo. Mas neste tema os generais “patriotas” e seu capitão fracassado, tão valentões para acovardar ministros e rosnar ameaças de culminar o golpe de Estado, se mostram dóceis e amáveis como cães em busca de onerosas recompensas.

Enquanto os monopólios e grandes empresas fazem e acontecem durante a pandemia, a despeito da infecção dos trabalhadores e com a conivência e beneplácito do governo militar (como as lojas de departamento e a construção civil, tidas por “serviço essencial”!), os pequenos e médios proprietários são açoitados. Sendo os que mais pagam impostos e os que mais empregam, abandonados que se acham, enfrentam uma falência ímpar que, em 2021, tende a atingir 53% a mais do que em 2020, segundo a consultoria Alvarez & Marsal.

No campo, o latifúndio segue avançando seu processo de cerco ao campesinato e expropriando suas terras e, por outro lado, o movimento camponês combativo responde na mesma medida.

Situação objetiva e condições subjetivas

Toda a situação objetiva empurra avassaladoramente as massas a uma ação revolucionária histórica. Porém, o que falta em nosso país é a atuação firme do proletariado revolucionário, cujo partido, a forma superior de organização, o Partido Comunista em nosso país, foi liquidado pelo revisionismo no final dos anos 1970, com João Amazonas à cabeça, seguido pela quase liquidação completa do movimento revolucionário no país, impondo pesados fardos ao proletariado e massas populares.

Privadas de sua vanguarda e de suas organizações revolucionárias, as massas populares são alvos fáceis de toda sorte de ataques, patranhas e sistemática “lavagem cerebral” dos monopólios de comunicação, submergindo grande parte delas num estado de torpor insano. Somente mobilizadas, politizadas e organizadas as massas podem distinguir com facilidade seus amigos dos inimigos; os projetos políticos que correspondem com seus mais legítimos interesses imediatos e históricos daqueles que são antagônicos a esses.

O relativo torpor que ora se apresenta no estado de espírito das massas, combinado com um ódio completo a todos os sintomas que a velha ordem de exploração e opressão gera no cotidiano do povo, é protagonista do ato imediatamente antecedente ao de sua rebelião indomável e inevitável, queira ou não quem quer que seja. Espontaneamente, ela pode, mirando nos sintomas, mitigá-los parcial e apenas temporariamente, não mais que isso. Eis aqui onde reside a obrigação do proletariado revolucionário, cujo acionar é o único elemento da situação política capaz de, fundindo-se às massas, mirar seus golpes nas raízes dos problemas e, passo a passo, eliminá-las junto aos sintomas. A falta que faz o partido revolucionário do proletariado também facilita que os elementos reacionários possam polarizar entre si para arregimentar as massas em suas pugnas e afastá-las dos seus interesses, por desilusão. É esse o ninho mais fecundo do fascismo.

O 25 de março de 2021 marca o 99º aniversário do Partido Comunista do Brasil, hoje, segundo publicações do Núcleo de Estudos do Marxismo-leninismo-maoismo, transitando a Segunda Fase da Terceira Etapa de sua história: a da luta pela reconstituição como autêntico partido marxista-leninista-maoista em meio à luta contra o revisionismo e todo oportunismo de modo inseparável do combate ao imperialismo, à grande burguesia, aos latifundiários e a toda reação. Se já falamos da situação relativamente favorável para as lutas das massas e desfavorável à reação no imediato, cabe remarcar: só com o verdadeiro partido revolucionário do proletariado, em síntese, a principal debilidade estratégica na colina das massas populares e a maior vantagem estratégica da colina da reação podem ser alteradas. Resolvido isso, tal como disse o grande timoneiro, “toda sorte de milagres serão possíveis”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro