Norte de Minas: Vitorioso Encontro do MFP reúne camponesas na região da Ponte da Aliança Operário-Camponesa

O dia 08 de março, dia Internacional da Mulher Proletária foi celebrado através de vigoroso Encontro de mulheres camponesas que reuniu durante todo o dia 07, companheiras jovens e adultas de 10 áreas camponesas e quilombolas Furado Modesto, Furado Seco, Vila, Sebo, Tanquinho, Brilho do Sol, Araruba, Caxambu, Conquista da Unidade em Varzelândia, todas vizinhas da Área Revolucionária Ponte da aliança operário-camponesa de onde também participou uma delegação.

Camponesas exibem faixa do 2º Encontro do MFP no Norte de Minas. Foto: MFP

O Encontro se realizou na escola de remanescentes quilombolas do povoado Furado Modesto, um espaço amplo onde foi possível aplicar as medidas sanitárias com distanciamento entre as diferentes comunidades. Infelizmente neste ano as anciãs não participaram devido a pandemia, mas manifestaram seu acordo e apoio à atividade, o que é uma questão chave nas comunidades quilombolas, onde as pessoas mais velhas são ouvidas e possuem muito prestígio!

Várias companheiras e companheiros participaram da organização do Encontro que está em sua segunda edição nesta Área de Remanescentes Quilombolas, inclusive os companheiros da LCP que trabalharam na logística e apoiaram na convocação. A escola foi roçada e limpa, foi feita arrecadação para almoço e lanche, foram confeccionados os lencinhos do MFP, assim como as pastas de músicas com a foto da companheira Elzita Rodrigues – fundadora do MFP no Norte de Minas. Havia grande expectativa e apreensão devido à pandemia e também as condições das estradas, devido às chuvas.

Reunião com jovens camponesas

A primeira parte do Encontro realizou-se com as jovens, onde 20 companheiras entre 11 e 21 anos participaram com muito entusiasmo e interesse. Quando as jovens chegaram já encontraram uma banquinha com os livros e demais materiais de propaganda, como o jornal A Nova Democracia. Muitas destas jovens são conhecidas por nós, pois são filhas de camponeses e quilombolas que conquistaram a terra através da luta e que cresceram nas áreas tomadas. Logo já se elegeu uma comissão sanitária para garantir o uso do álcool em gel e máscara por todos, o que foi assumido por elas com toda responsabilidade.

Jovens camponesas exibem a bandeira do MFP durante o vigoroso Encontro de mulheres, no Norte de Minas. Foto: MFP

Depois do café com pipoca, as jovens assumiram a segunda tarefa, montar a ornamentação do Encontro. Rapidamente se mobilizaram para pintar e colar cartazes de propaganda, organizar cadeiras, cartazes da campanha “vacina para o povo já!” e identificação dos copos para garantir o uso individual. Claro que não faltaram as crianças para dar mais brilho e alegria para o encontro. E para aqueles que as subestimam argumentando que elas não podem compreender e aplicar as medidas sanitárias, uma lição: todas quiseram máscaras e a cada 5 minutos corriam nas companheiras para repetir o álcool em gel.

A reunião com as jovens iniciou com uma intervenção de saudação da companheira dirigente do MFP na região e o canto Lutadoras da Revolução, logo depois as jovens ganharam braçadeiras vermelhas, que elas mesmas ajudaram a confeccionar, como símbolo de que agora estavam organizadas pelo Movimento Feminino Popular.

Na sequência todas se apresentaram, apelido, idade, comunidade e foi feita uma apresentação do movimento, sobre a posição classista quanto a organização de mulheres de crítica ao feminismo burguês e pequeno burgues, de crítica à falácia de “empoderamento” e assim também quanto ao 8 de março, sobre o significado desta data, sobre as 3 montanhas que exploram e oprimem o povo brasileiro e sobre a 4 montanha da opressão feminina, que recai sobre as mulheres do povo. As jovens ficaram muito interessadas nesta explicação, pois confrontava com a versão dos monopólios de comunicação que apresenta o 8 de março como o dia de todas as mulheres.

Uma jovem dirigente do MFP falou sobre a experiência do Grupo de Teatro Servir ao Povo e uma pequena encenação foi improvisada para explicar o que é teatro. O tema eram duas mulheres conversando e uma que era do mfp chamava a outra para ir a uma reunião do núcleo do MFP, no qual a outra se negava dizendo ter muito serviço doméstico a fazer. Em meio a aplausos e risos, todas entenderam o que era teatro.

A maioria das companheiras são negras e debatemos com elas sobre a importância da autoafirmação do povo preto, da resistência de Palmares, da Dandara, do valor que temos por nossas ideias e não pelo nosso corpo, pela pressão dos padrões de “beleza” europeus, e várias questões sobre sexualidade, gravidez não planejada, namoro e tocamos também no grave problema da violência sexual, problema vivido na grande maioria dos lares e que é um verdadeiro tabu. Pelo tempo que tivemos não pudemos aprofundar em todos os temas, mas foi proposto a criação do Grupo Cultural Servir ao Povo para desenvolver atividades com a juventude dentro das áreas, conhecer e difundir a cultura do povo preto e a partir daí manter também o núcleo do movimento feminino com as jovens. A empolgação foi geral, todas queriam já marcar uma atividade. 

A canção Bela Ciao foi escolhida para ser o hino do Grupo Cultural e até coreografia foi inventada, assim também as consignas de Despertar a fúria revolucionária da mulher que foi ensaiada várias vezes, um pouco envergonhadas no início, para depois virar um belo brado das jovens camponesas e quilombolas! Despertar a fúria revolucionária da mulher!

2a Parte: O Reencontro!

Depois do delicioso almoço coletivo e a saída de algumas jovens, reuniu-se 38 companheiras no que representava nosso 2o. Encontro, pois muitas que estavam presentes estiveram no encontro de 2020 e a novas comunidades que não estiveram ano passado, participaram agora, mesmo em meio a medidas de isolamento impositivo e toque de recolher (que está sendo imposto em todo o Norte de Minas). Foi uma grande alegria reencontrar as companheiras, pena que não podíamos nos abraçar para celebrar com o calor devido esse grande dia.

Iniciamos com o hino Lutadoras da Revolução e uma justa homenagem à companheira Elzita, que em Outubro completará 10 anos de falecimento e encerramos com o canto Conquistar a terra, o refrão era cantado por todo o coral e as consignas foram respondidas com reconhecimento daquelas para quem já não era mais novidade. O Encontro relembrou os debates iniciados ano passado e o aumento da violência contra as mulheres em meio a pandemia, o genocídio cometido contra o povo pelos generais e Bolsonaro, a necessidade de desenvolvimento dos Comitês Sanitários de Defesa Popular para aplicar medidas de proteção do povo, exigir a vacina para o povo já e a necessidade de resistir ao isolamento impositivo, levantando mais lutas pelos nossos direitos, contra a ofensiva contra revolucionária! Todas levaram pras suas Vilas e Áreas, cartazes da campanha e as canções com o compromisso de fazer funcionar o novo núcleo do MFP. Uma dirigente do MFP entregou solenemente uma bandeira do movimento para uma companheira do Novo Núcleo, assim como o seu Juramento.

As camponesas confeccionaram lenços com a sigla MFP para serem exibidos durante o Encontro. Foto: MFP

Durante os debates, discutimos sobre o aumento da violência contra a mulher e uma companheira relembrou com tristeza e ódio o terrível feminicídio ocorrido na comunidade ha 20 nos atrás, contra uma jovem que era a mãe, irmã e filha de companheiras presentes. Reafirmamos a posição do movimento contra a ideia difundida por organizações do Estado e movimentos feministas, que afirmam que as mulheres têm que denunciar e que a criação das delegacias de mulheres seria uma conquista para o povo. Reafirmamos que toda polícia é extensão da dominação contra o povo, de nada adianta denunciar para polícia e autoridades deste velho Estado, pois estes não têm interesse e não podem resolver nenhum problema do povo, menos ainda o da violência contras as mulheres, pois trata-se de um problema que somente a luta revolucionária porá fim! As companheiras lembraram como esses casos são tratados pela polícia. A lei Maria da Penha tem resultado no aumento da violência contras as mulheres e sobre o problema das violações, o tratamento dado pelas autoridades deste velho Estado, somente expõe as mulheres e jovens e nada resolve. Além disso, debatemos que a causa dessa violência está nessa sociedade de classes, nesta sociedade atrasada de exploração e opressão e que só a Revolução Proletária pode emancipar as mulheres de nosso povo.

Defendemos o direito à autodefesa das mulheres, defendemos a organização de um movimento forte de mulheres para enfrentar, persuadir e elevar a consciência na educação de homens e mulheres; adultos, jovens e crianças. Principalmente entre os companheiros sobre o papel das mulheres na luta, que somos a metade da nossa classe, como disse o Presidente Mao, sustentamos a metade do céu! Que as denúncias devem ser feitas ao próprio povo, às suas organizações que julgarão com justiça e tomarão as providências cabíveis a cada caso, isso, quanto mais se eleve a organização de mulheres para impor os seus direitos e aspirações!

Viva o Movimento Feminino Popular!

Somente a luta revolucionária porá fim à violência contras as mulheres!

Abaixo o genocídio do povo pobre! Vacina para o povo já!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin