Judiciário autoriza governo Bolsonaro/generais a comemorar de forma oficial golpe militar de 1964

Supremo Tribunal Federal (STF), em 1965, quando os militares aumentaram o número de ministros da corte de 11 para 16. O STF seguiu funcionando normalmente durante o regime militar, inclusive deu legitimidade a tal governo sob a falácia de que "as instituições estavam funcionando". Foto: Reprodução.

Em decisão do dia 17 de março, o  Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), com sede no Recife (PE), permitiu que o governo Bolsonaro/generais e os quartéis comemorem os 57 anos do golpe militar de 1964, que instaurou um regime militar fascista no país.

Na decisão, o órgão alegou que a celebração do golpe faz parte da “democracia” e do “Estado Democrático de Direito”, e que respeita a “pluralidade de ideiais”.

A discussão começou após uma liminar da 5ª Vara da Justiça Federal no Rio Grande do Norte, ordenar a retirada de um texto publicado no site do Ministério da Defesa e ratificado pelo ministro da pasta, general Fernando Azevedo e Silva e por comandantes das Forças Armadas. O texto que classifica o golpe militar como “marco para democracia” sofreu diversas críticas por diferentes entidades democráticas por todo o país.

A Advocacia Geral da União (AGU) recorreu da decisão liminar, e teve o parecer favorável do TRF da 5º região para manter o texto.

64 nunca mais? Não para o judiciário brasileiro

Recentemente, uma decisão da 6ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região (São Paulo e Mato Grosso do Sul), decidiu por unanimidade reverter a sentença que havia condenado a União a pagar indenização por danos morais de R$ 150 mil à viúva do ferramenteiro Antonio Torini. Antonio era funcionário da Volkswagen e militante comunista, e, assim como milhares de brasileiros e brasileiras vivos nos anos 60, 70 e 80, combateu o regime militar fascista.

Os desembargadores entenderam que o militante cometeu crime contra a segurança nacional. E que, portanto, é justificável a supressão de direitos.

As decisões dos TRFs não são nada surpreendentes, visto que tal “poder” judiciário nunca foi capaz de punir o governo militar implementado pelos generais que conduziram o país durante os 21 anos do regime militar fascista. Nem tampouco o pacto de classes de 1988, ou o governo de 14 anos do oportunismo petista foram capazes de concluir tal demanda de punição aos mandantes e executores de torturas e assassinatos durante o período em questão.

Pelo contrário, a anistia dada aos torturadores e assassinos do regime militar, permitiu que dentro das casernas continuassem a ser comemorados os aniversários do golpe fascista de 1º de abril. E agora, com um “novo” governo militar, os gorilas seguem atuando: colocam os coturnos na rua para oprimir o povo e para comemorar o atraso e subjugação da nação, perpetrados e defendidos por eles mesmos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin