Inglaterra: Povo protesta contra feminicídio por policial e Estado tenta aprofundar repressão com nova Lei

Milhares de pessoas protestam desde o dia 9 de março em rechaço ao sequestro e assassinato de uma mulher de 33 anos, Sarah Everard, por um policial, quando essa caminhava voltando para casa. Os manifestantes rechaçaram não somente esse caso, como também as instituições de repressão do Estado imperialista inglês como um todo, formadas em práticas e ideologia antipovo.

Na noite do dia 13, os policiais removeram à força os manifestantes que estavam sob um pavilhão no parque onde ocorria o protesto, que foi transformado em um memorial para Everard. Várias mulheres foram presas e algemadas. “Estamos protestando contra a violência contra as mulheres e sendo reprimidas pela polícia” disse uma das manifestantes, demonstrando o absurdo do ocorrido.

No dia 14, centenas de manifestantes furiosos se reuniram novamente, agora em frente ao quartel general da policia metropolitana de Londres, Scotland Yard, depois que a polícia 'agarrou e maltratou' mulheres na vigília de Sarah Everard, de acordo com denúncias dos manifestantes.

Primeiro-ministro Boris Johnson quer tornar ilegal protestos

Diante das mobilizações, o Estado imperialista inglês agilizou a nova "Lei da Polícia, Crime, Penas e Tribunais" depois que policiais usaram métodos violentos para interromper os atos e foram respondidos pelas massas. O projeto de lei daria à polícia mais poderes para restringir os protestos, incluindo a imposição de horários de início e término de manifestações, bem como limitar a "intimidação ou assédio" por parte dos manifestantes.

A movimentação para a aplicação dessa nova Lei tão rapidamente após os protestos demonstra o desespero dos governantes diante da revolta popular que se coloca cada vez mais em ordem do dia como visto em todos os países, e agora também na Inglaterra.

Manifestantes protestam contra o feminicídio de Sarah Everard por policial.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin