CEBRASPO: Cármen Villalba, dirigente do Exército do Povo Paraguaio (EPP), da prisão envia carta a Pablo Hasel

Reproduzimos, aqui, texto publicado em 30 de março pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo):

A presa política paraguaia Cármen Villalba, dirigente do Exército do Povo Paraguaio (EPP) e em cárcere há 17 anos, enviou uma mensagem de solidariedade ao preso político Pablo Hasel. Na carta Villalba além de denunciar o velho Estado espanhol e denuncia o recente sequestro de sua filha Carmen Elizabeht, de apenas de 14 anos, por militares paraguaios. Villalba incentiva veemente Pablo a continuar resistindo, em suas palavras “...a única coisa que nos pode assegurar justiça é a luta revolucionária juntamente com os nossos povos...”.

Retirado de https://www.resumenlatinoamericano.org/2021/03/18/paraguay-carta-desde-la-prision-de-carmen-villalba-a-pablo-hasel/

------------------------------

"Não basta pôr a mão no pescoço; é preciso matar" disse Marx descrevendo o esmagamento da comuna de Paris em 1871. Esta história recria a essência criminosa, e a permanente predisposição das classes dirigentes, independentemente da nacionalidade, para esmagar, assassinar e prender os revolucionários que incomodam, e que não engolem a história da Justiça para todos igualmente, ou que o verdadeiro objetivo da democracia burguesa é a busca do bem comum do povo. Os Estados censuram, deturpam, prendem, assassinam sem escrúpulos, quando se trata de defender os interesses da classe dominante. Já em 1776, Adam Smith, o ideólogo do liberalismo, afirmava que "a autoridade civil foi instituída na realidade para defender os ricos contra os pobres, ou aqueles que têm alguma propriedade contra aqueles que não a têm". Os Estados e a classe dominante burguesa, independentemente de seu pertencimento territorial, têm apenas uma lógica, impor e defender a propriedade privada sobre os meios de produção comercial, opondo-se aos interesses reais dos povos oprimidos e famintos, Nela ninguém deve estar na frente, e se isso acontecer, essa resistência é ferozmente esmagada e morta. Para eles, as resistências famintas e esfarrapadas à sua opressão são os violentos e terroristas, contra os quais, armados até aos dentes, nos falam de paz. Esta, e nenhuma outra, é a lógica ascendente da violência burguesa quando se depara com a resistência popular nas questões decisivas para o lucro capitalista.

Pablo Hasel é o cantor comunista do povo que viola, canta, na busca de despertar a consciência de classe para os pobres famintos e oprimidos. Esse ato é um crime para o Estado espanhol, o crime é despertar a consciência crítica e revolucionária dos trabalhadores. É um crime que os trabalhadores pensem a partir dos seus interesses de classe, para os que enobrecem a despossessão e a exclusão de milhões de trabalhadores. Temem que as pessoas esfarrapadas sejam convencidas e convertidas em forças revolucionárias, porque a sua canção chega aos ouvidos receptivos. Chegou a mim, na prisão, e em momentos difíceis de repressão interna ou externa, com a qual se regozija o meu espírito recordando-me que o caminho é a resistência. Aqui não só quero expressar a minha solidariedade com o camarada Pablo Hasel, mas também encorajá-lo a continuar com a resistência e a luta, cada vez mais necessária neste contexto histórico de agravamento entre capital e trabalho e a massa de trabalhadores excedentes, desempregados na incerteza. A nós, comunistas, não nos resta outra forma senão aumentar a nossa resistência e luta. Porque os inimigos de classe, os capitalistas, são ferozes nas suas ações criminosas. Perseguem, censuram, prendem, torturam, assassinam e desaparecem como forma de encenação. Em 2010 assassinaram meu filho de 12 anos a caminho da escola. Este 2020, aquele fatídico 2 de Setembro, levaram vivas, torturaram e executaram Lilian Mariana e Maria Carmen, duas meninas de 11 anos. E hoje, há 68 dias, a minha filha Carmen Elizabeht, Lichita, uma menina de 14 anos, desapareceu na zona de Amambay. Segundo as versões dos habitantes locais, ela foi vista sendo levada à força pelos militares. A minha filha está nas mãos do governo fascista e criminoso de Mario Abdo. A morte do meu filho, o desaparecimento da minha filha, reforça o meu compromisso de lutar por eles, pela necessidade de justiça. Porque a continuidade deste sistema narco-fascista, deste regime opressivo e criminoso é inviável. Camarada Pablo Hasel, a única coisa que nos pode assegurar justiça é a luta revolucionária juntamente com os nossos povos. Isso e só isso deve guiar o nosso norte.

Abaixo a monarquia espanhola.

Absolvição para Pablo Hasel.

Abraço resistente e revolucionário."

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin