BA: Policiais entram em confronto e um deles é abatido em ato de agitação política

PM Wesley Goés foi morto após abandonar o serviço e ameaçar atirar contra policiais. Durante os momentos do caso, Wesley ainda lançou ao mar material de trabalho de trabalhadores informais. Caso foi instrumentalizado pela extrema-direita. Foto: Arisson Marinho

No último domingo, 28 de março, o policial militar Wesley Soares Goés abandonou o serviço, na sua cidade de Itacaré, e foi de carro, dirigindo por cerca de 5 horas, até a capital baiana. Em Salvador, por volta das 14h30m, se dirigiu a um dos principais pontos turísticos da cidade, o Farol da Barra. Uniformizado e com o rosto pintado de verde e amarelo, portando um fuzil e uma pistola, o PM colocou terror na população dando tiros para o alto e jogando mercadorias, bicicletas e demais pertences de ambulantes no mar que cerca o Farol. 

O policial gritava palavras de ordem como “Comunidade, venham testemunhar a honra ou a desonra do policial militar do estado da Bahia” e “Não vou deixar, não vou permitir que violem a dignidade e honra do trabalhador”. Tudo em meio a tiros que disparava para o alto.

Rapidamente o policial foi cercado por militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) que tentaram negociar sua rendição. Algo que se encerrou às 18h35m quando o PM iniciou uma contagem regressiva e começou a atirar contra os seus colegas que abriram fogo em seguida. Wesley recebeu 10 tiros e foi levado ainda vivo ao Hospital Geral do Estado, onde ficou entubado e morreu logo em seguida.

Surto ou crime premeditado?

O governo encabeçado por Rui Costa (PT), a PM e a maior parte do monopólio dos meios de comunicação tentam a todo custo colocar o episódio como um mero surto e caso isolado, sem qualquer motivação política. Assim como em outros momentos, as mortes em confrontos com militares são abafadas numa tentativa de preservar a imagem da instituição.

Todavia, alguns indícios indicam o contrário. O militar dirigiu premeditadamente por mais de 249 km, saindo do pouco visível interior para a grande capital, um dia antes da data de fundação da cidade de Salvador e escolheu um dos principais pontos turísticos da cidade, fatores que contradizem a tese do surto repentino. Também há de se questionar como Wesley passou fardado e com um fuzil por dois postos da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Rodoviária Estadual. Fica claro o seu papel como agitador político, ainda mais como todo o acontecido foi rapidamente utilizado pelas forças da extrema-direita.

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, numa aberta convocação para um motim, declarou em sua conta no Twitter que o militar “morreu porque se recusou a prender trabalhadores. Disse não às ordens ilegais do governador Rui Costa da Bahia. Esse soldado é um herói. Agora a PM da Bahia parou. Chega de cumprir ordem ilegal!”.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (Republicanos-RJ) postou um vídeo em que o PM grita palavras de ordem e na descrição das imagens, o deputado escreveu: "Aos vocacionados em combate ao crime, prender trabalhador é a maior punição. Esse sistema ditatorial vai mudar".

O agitador e arquirreacionário, o deputado estadual Soldado Prisco, que já foi noticiado no AND em 2019 por ser o principal mentor de motins na PM-BA, com direito a cenas de sequestros de ônibus e confronto armado entre policiais, publicou nas redes sociais uma convocação para manifestação, onde declara: “Mataram um policial, mataram um trabalhador, porra. Até quando vocês vão aceitar isso? Mataram o policial, mataram. Vamos parar esse caralho, a hora de parar é agora, eu convoco vocês!”, disse.

No dia seguinte, pela manhã, ocorreu manifestação no local onde o policial foi executado. A manifestação reuniu algumas dezenas de pessoas entre policiais e civis bolsonaristas. 

Apesar das tentativas da direita militar do Alto Comando das Forças Armadas querer ocultar as pugnas e a crise militar, fica evidente como essas contradições têm se expressado por todo o Brasil, principalmente no Ceará e na Bahia, como já trazidos antes pelo AND.

Este episódio parece ter dado alguma sobrevida na base reacionária do governo que tenta a todo custo explorar contradições no seio do povo, apontando a crise econômica que as massas  sofrem como culpa exclusiva dos governadores e suas medidas de isolamento, assim como a mobilização de praças das corporações militares. 

Leia também: CE: Greve da PM provoca divisão no velho Estado; senador é baleado

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin