Patriotas iemenitas recusam cessar fogo da Arábia Saudita e mantêm ações

Instalação petrolífera da Saudi Aramco em Jiddah, Arábia Saudita. Foto: Amr Nabil

No dia 22 de março, os patriotas iemenitas conhecidos como Houthis recusaram o cessar-fogo feito pela Arábia Saudita. Ele não incluía algumas reivindicações primordiais para os iemenitas, como o fim do bloqueio naval e aéreo saudita, a reabertura do aeroporto internacional de Sanaa, um elo vital do Iêmen para o mundo exterior que não tem voos comerciais regulares desde 2015, e do porto de Hodeidah. 

O pedido de um cessar-fogo foi interpretado como fruto das ações recentes dos houthis contra instalações petrolíferas e militares sauditas, bem como o avanço do movimento pelo controle da última cidade que ainda permanece nas mãos do governo ligado aos sauditas, Marib. A queda de Marib representaria o fracasso dos sauditas em derrotar os houthis e, por conta do apoio que estes recebem do Irã, um fortalecimento do país persa na região.

Houthis atacam Saudi Aramco 

No dia 26/03, o porta-voz dos houthis anunciou que uma série de ataques de drones e mísseis balísticos havia atingido instalações de petróleo da empresa da monarquia saudita Saudi Aramco em Ras Tanura, Rabigh, Yanbu e Jizan, bem como bases militares em Damman, Najran e Asir, na Arábia Saudita, em razão do sexto aniversário da intervenção militar do reino no Iêmen. 

Desde março de 2015, com o apoio do imperialismo ianque (Estados Unidos, USA) e da Inglaterra, a Arábia Saudita encabeça uma coalizão militar que perpetua agressões e bombardeios diários contra o Iêmen, uma ofensiva iniciada pelo monarca Mohammed bin Salman. Seis anos depois, o resultado disso são mais de 130 mil mortos, dezenas de milhares deles em decorrência da fome e má nutrição causadas pela dificuldade de entrada de alimentos e insumos, por conta do bloqueio imposto pela coalizão. 

A importância dos ataques houthis a instalações petrolíferas se dá pelo fato do reino saudita ser o maior produtor e exportador mundial de petróleo, que representa mais de 80% das exportações do país e cerca de 40% do seu Produto Interno Bruto (PIB). A Saudi Aramco, por sua vez, é a maior companhia do ramo no mundo, em termos de produção e de reservas de óleo cru. 

Dentre os diretores da empresa sem origem saudita, estão o nobre inglês Mark Moody-Stuart (ex-presidente da Anglo American, do banco HSBC e da Fundação para o Pacto Global das Nações Unidas), os ianques Lynn Elsenhans (ex-presidente e diretora executiva da petrolífera Sunoco), Mark Weinberger (ex-presidente e diretor executivo da multinacional Ernst & Young) e Peter Cella (ex-presidente e diretor executivo da Chevron Philips Chemical), e o australiano Andrew N. Liveris (ex-presidente e diretor da Dow Chemical).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro