RO: Militares torturam camponeses do Acampamento Tiago dos Santos

Em 2020, o Acampamento Tiago dos Santos recebeu solidariedade de todo o país. Na imagem, uma pichação feita em apoio ao acampamento e contra a militarização promovida pelo Exército reacionário na Amazônia (Operação Verde Brasil 2), registrada no Paraná em novembro. Foto: Banco de dados AND

No dia 16 de fevereiro, camponeses do Acampamento Tiago dos Santos, em Nova Mutum-Paraná, Rondônia, foram ameaçados e torturados por policiais militares em um “bolicho” (pequeno comércio) localizado em uma das estradas que dá acesso à área.

A abordagem aconteceu por volta das 16 horas, quando três viaturas com cinco policiais militares chegaram ao local. Durante a ação, proferindo palavras de baixo escalão e preconceitos, agrediram diversos camponeses que estavam no local entre eles os donos do comércio, idosos e uma camponesa que foi humilhada durante a tortura pelo fato de ser lésbica. 

De acordo com o relato enviado ao AND, as perguntas feitas pelos militares em meio a sessão de tortura buscavam identificar quem seriam os dirigentes. Os camponeses que sofreram o ataque foram ameaçados de morte caso denunciassem.

“Perguntaram quem era o mandante, falei que não sabia, disseram: Se não falar vou cortar teu pescoço!”. Relatou a camponesa que também afirmou ter sido ameaçada por todos os policiais presentes, como os demais trabalhadores torturados.

Ao descrever a tortura, a camponesa relata que iniciaram a sessão de tortura com insultos se referindo a ela como vagabunda. Perguntaram se ela queria apanhar de homem ou mulher e em seguida disseram: “Tu não quer ser homem, vai ser tratado que nem homem, apanhar que nem homem, sapatão barrela”. Seguiram afirmando: "Tenho nojo da raça de vocês”. 

A camponesa relata que uma policial a mandou abrir as pernas perguntando se ela aguentava “porrada”. Ao responder que iam bater nela à toa, pois não havia feito nada, a policial chutou com um coturno com platina a perna. Ainda segundo relato, enquanto chorava de dor um policial perguntou o porquê ela estava chorando, e ao tentar responder a policial a mandava calar a boca.

“Eles falaram que era pra mim falar, ficava um num ouvido e outro no outro. Um falava uma coisa e quando eu falava que não sabia, o outro lá pegava e falava outra coisa. [...] Eles botaram tanto pânico na minha cabeça, um de um lado, outro do outro, outro atrás cutucando, o da frente falando bobagem. Perguntaram meu nome e não estava sabendo nem meu nome”. Afirmou a camponesa.

Policias Militares torturaram camponeses. Em relato, camponesa denuncia a tortura, discriminação, tentativa de intimidação e disse também que os militares buscavam identificar os dirigentes camponeses. Foto: Banco de dados AND

as torturas são obras do acaso?

A resistência do Acampamento Tiago dos Santos

O Acampamento Tiago dos Santos, onde vivem mais de 600 famílias, 2,4 mil homens, mulheres e crianças, empreendeu uma impetuosa resistência diante dos ataques cometidos pelo latifúndio comandado pelo latifundiário grileiro Antônio Martins dos Santos (o “Galo Velho”)  em conluio com o velho Estado durante todo o mês de outubro de 2020, perseguição que se somou a diversas outras intensificadas e que ocorrem até hoje, principalmente em Rondônia, sobre os camponeses organizados pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP).

Leia também: Acampamento Tiago dos Santos é cercado pela PM, resiste e impede novo massacre - A Nova Democracia

Na ocasião, após a morte de dois policiais na região, o latifúndio sob este pretexto se mobilizou e junto às forças de repressão, torturaram camponeses pela estrada, cercaram o acampamento disparando tiros sobre quem estivesse no caminho, impediram a entrada de alimentos e até mesmo leite para crianças residentes do local, sobrevoaram de helicópteros sobre a região jogando cápsulas de calibre 380 para tentar incriminar os camponeses, preparando o cenário para um massacre camponeses. Por fim efetuaram um violento despejo e prenderam camponeses e apoiadores. Durante o despejo, as massas erguiam com vigor as bandeiras da LCP e proclamavam palavras de ordem contra o latifúndio.

Uma campanha à nível internacional foi desencadeada em apoio aos camponeses dos acampamentos da LCP ameaçados. Diante da mobilização popular, um desfecho mais trágico foi impedido.

No mesmo mês, dias após a tentativa de massacre, 300 famílias do acampamento Tiago dos Santos reocuparam a área e desde então diversas outras famílias entraram ou retornaram à terra.

Leia também: RONDÔNIA: Violações e violências contra o Acampamento Tiago - A Nova Democracia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin