Um estudo sobre o "Rebelar-se é Justo!"

Qual o significado da consigna “rebelar-se é justo”? Geralmente encontramos a expressão na célebre citação de Mao que diz: “o marxismo consiste de milhares de verdades, porém todas se reduzem a uma frase: rebelar-se é justo”. Essa frase, apesar de parecer simples, possui uma grande apreensão do marxismo como concepção de mundo e vale a pena ser explorada.

Por representar a tomada de posição das classes oprimidas e exploradas, a consigna é vista em muros de todo o país. Na foto, uma pichação reivindicativa em meio à pandemia no estado do Mato Grosso do Sul, assinada pela organização Alvorada do Povo. Foto: Banco de dados AND

Em seu contexto maior, a frase continua: “por milhares de anos se disse que era justo oprimir, era justo explorar e que rebelar-se era mau. Este veredito foi revertido somente com a aparição do marxismo. Essa é uma grande contribuição. Foi mediante à luta que o proletariado aprendeu esta verdade, e Marx extraiu essa conclusão. E a partir desta verdade, segue a resistência, luta e combate pelo socialismo” (negrito nosso). O caminho colocado, então, é de que a partir da defesa da rebelião nasceu o marxismo. O “justo” aqui não se trata, portanto, de um apelo moral à justiça, mas inflexão de justeza, de conformidade com uma necessidade descoberta. A partir da descoberta dessa necessidade, do esforço para compreendê-la e defender seu valor, emergirá uma ideologia, uma concepção de mundo. Uma outra tradução possível do termo original usado em “é justo”, You li () é “tem razão” – ou seja, existe uma razão na rebelião e em rebelar-se, ela não acontece de maneira aleatória ou como um distúrbio.

O que está em jogo nessa frase, e porque Mao identifica nela o núcleo do marxismo? Porque os demais projetos ideológicos anteriores, reflexos das concepções de mundo das classes dominantes – naturalmente opostas à rebelião e à revolução social – chegam a princípios que temem, postergam, deformam ou atacam a rebelião; cristalizados em doutrina filosófica, religiosa, moral... Em contrapartida, o marxismo só consegue alcançar sua verdade pois nasce da rebelião, nasce da defesa da rebelião, da tomada de posição na luta de classes e na luta contra os reacionários. É desse processo material e objetivo que se desenvolve para a descoberta de uma economia, uma filosofia, uma política, etc. que se presta a justificar a revolução e acenar à sua necessidade.

Em um protesto reivindicativo, ativistas levantam alto a consigna. Foto: Banco de dados AND

É uma contradição onde a rebelião surge como aspecto principal, o marxismo surge como seu reflexo (“Marx extraiu...”) e então o próprio marxismo transforma-se em força material, retornando à luta de classes, transformando sua qualidade e impulsionando a rebelião adiante. Como o titã de pensamento e ação Friedrich Engels coloca em sua obra Anti-Dühring: “No ano de 1831, teve lugar, em Lyon, a primeira revolta de trabalhadores; de 1838 a 1842, atingiu seu auge o primeiro movimento nacional de trabalhadores, o dos cartistas ingleses. A luta de classes entre o proletariado e a burguesia passou para o primeiro plano da história dos países mais avançados da Europa” o que “[afirmou] fatos históricos que acarretaram uma virada decisiva na concepção da história” (negrito nosso).

Então, não se trata simplesmente que existiam várias teorias contra a rebelião e o marxismo surge na defesa da rebelião, como algo externo; mas que o marxismo surge em e pela defesa da rebelião e essa a preocupação que motiva seu desenvolvimento. Estudar a frase no chinês original pode trazer clarificação. A frase, traduzida literalmente do original significa: “O marxismo possui milhares de linhas e tramas, à sua raiz, há uma frase: a rebelião se justifica” (马克思主义的道理千条万绪,归根到底,就是一句话:造反有理。) (negrito nosso). Portanto, a raiz, a origem irradiadora de todas a verdades do marxismo é a defesa da rebelião.

Em inglês, as massas estadunidenses também desfraldam a consigna pelos muros. Foto: Banco de dados AND

Outra constatação importante que podemos tirar da leitura do original é o duplo significado de rebelião – Lit (造反) também significa “fazer oposição”. Quem é familiar à teoria da contradição dialética e como Mao a desenvolve em “Sobre a Contradição” sabe que a oposição dos contrários é uma das características da contradição, a outra sendo a unidade dos contrários. Lendo dessa forma, uma possível conclusão filosófica a ser tirada é que até o marxismo, a sociedade era vista como uma unidade harmônica entre contrários, ou como esta unidade sendo seu aspecto principal e a oposição sendo uma contingência, uma doença social. O marxismo, então, não somente justifica e dá razão à oposição; como põe o equilíbrio entre os opostos como relativo e sua desigualdade como absoluta. Isso é um golpe particularmente duro contra o Confucionismo imperante na China, firmemente baseado no conceito de harmonia, equilíbrio, leis eternas...

Desse modo, as raízes do marxismo não estariam no gênio de intelectuais, mas na rebelião, na oposição dos contrários, na luta de classes real. Levantar a consigna “rebelar-se é justo”, portanto, significa antes de tudo uma decisão filosófica: rebelar-se para, no curso da rebelião e com o propósito de impulsioná-la; descobrir sua razão e seu devir, descobrir as leis do mundo para poder transformá-las – gerando um novo salto na consciência e na própria filosofia. Como Mao coloca, assim se deu o surgimento do próprio marxismo.

Celebração por ocasião do fundador da ideologia todo-poderosa do proletariado internacional, Karl Marx. Minas Gerais 2018. Foto: Banco de dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro