‘Capitão Adriano’ morreu com tiro à queima roupa quando já estava deitado

Adriano da Nóbrega, do Escritório do Crime, foi morto em circunstâncias caracterizada por queima de arquivo. Foto: Reprodução

O paramilitar e ex-policial militar do Batalhão de Operações Especiais (Bope), morto em 9 de fevereiro de 2020, chamado Adriano da Nóbrega, foi atingido por uma bala quando estava deitado. A informação, revelada em novo laudo divulgado no final do mês de março, contradiz a versão dos três policiais envolvidos de que teria ocorrido troca de tiros. A suspeita principal, que é propalada desde os monopólios de imprensa, é de que houve “queima de arquivo” devido ao envolvimento desse elemento com grupos suspeitos de envolvimento com a extrema-direita. O fato foi denunciado por AND como tal há mais de um ano, em sua edição 231. Com isso, voltou-se à tona o nome do “Capitão Adriano”, chefe do Escritório do Crime. 

Fruto de uma verdadeira caçada que durou mais de um ano, a operação que resultou no assassinato de Adriano contou com a participação de integrantes do Bope do Rio de Janeiro e de integrantes da Polícia Militar (PM) da Bahia. Tendo início no dia 08/02, com cerca de 70 homens, a operação conjunta com as forças dos dois estados foi finalizada no dia seguinte com a participação de somente 3 homens, destacados para enfrentar o ex-capitão, conhecido atirador de elite. 

Leia também: Paramilitar ligado a Bolsonaro é morto em ‘queima de arquivo’

Responsável pelo assassinato de Marielle Franco, o grupo paramilitar chefiado por Adriano da Nóbrega atuava, também, no ramo da agiotagem, exercia função de mercenários e tinha ligação com bicheiros. A ligação com o presidente fascista Jair Bolsonaro é apontada, segundo investigações, pela participação de Fabrício Queiroz no grupo. Preso por desvio de verba pública, Queiroz participava e dirigia o esquema que ficou conhecido como “rachadinhas”, que funcionava desde dentro do gabinete de Flávio Bolsonaro. Segundo novas denúncias, impulsionadas a partir da decisão do Superior Tribunal de Justiça, que rejeitou um pedido de Flávio Bolsonaro que visava estancar as investigações, o desvio de verbas englobava a todos da família Bolsonaro, incluindo aí os paramilitares como Adriano da Nóbrega (cuja mãe e esposa trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro).

Leia também: Flávio Bolsonaro e Fabricio Queiroz denunciados por organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato

Cavalos de raça, coberturas de luxo, extorsão e homicídios

O paramilitar, além de comandar o grupo em ações cumprindo a política da extrema-direita (como o assassinato da deputada), estava envolvido em negócios escusos. Entre eles, a criação de cavalos de raça, que era usada para lavagem do dinheiro que vinha da atuação de extorsão. 

Em um áudio de uma ligação divulgado em investigação iniciada em 2018, é possível ouvir um integrante do grupo falando que não era para citar o nome do Adriano em ligações, pois ele estava foragido: “cê fica falando o nome do cara não! ‘Adriano corta braço, corta perna’ falando o nome do cara! (...) o papo dos cara [sic] é só papo de milhão, parceiro!”.

nova queima de arquivo

Em uma operação realizada no final de março, nove pessoas foram investigadas por suspeita envolvimento no Escritório do Crime. O paramilitar Luiz Carlos Martins foi assassinado na porta de sua casa no dia 20/03 em Realengo na justa ocasião que havia sido expedido um mandado de prisão contra si, por suas atividades ilegais. Luiz Carlos era homem de confiança do “capitão Adriano”. 

O sargento Luiz Carlos Felipe Martins morreu na rua Curumbé, no bairro de Realengo, zona Oeste do Rio de Janeiro. Luiz Martins era envolvido no Escritório do Crime. Foto: Reprodução

Bruno Gangoni, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), vinculado ao Ministério Público, confirmou a nova queima de arquivo: “Não tem como afirmar, mas às vésperas de uma operação como essa acontece uma coisa assim, é desconfiável. Tudo leva a crer que pode, sim, ter sido uma queima de arquivo” afirmou.

Martins e Nóbrega faziam parte do Grupamento de Ações Táticas (GAT) no início dos anos 2000. Adriano como líder e Luiz como policial integrante. O grupo tornou-se conhecido publicamente por promover verdadeiro terrorismo contra as comunidades da Zona Norte do Rio de Janeiro.

Em 2003, foram acusados de homicídio de um guardador de carros que denunciou o grupo na Corregedoria da PM. Ainda assim (ou por isso mesmo), Nóbrega e Martins receberam, juntos, a Medalha Tiradentes na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), dada por Flávio Bolsonaro, por orientação direta de Jair, seu pai. Na visão dos fascistas, a honraria se deveu a que o paramilitar era um “brilhante oficial”. Adriano já trabalhou também como segurança de bicheiros cariocas, sendo preso por tentativa de assassinato em 2011. 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro