A pedra cantada do Alto Comando das Forças Armadas

Da esquerda para a direita: comandante do Exército (general Paulo Sérgio Nogueira),Ministro da Defesa (Braga Neto), Jair Bolsonaro, comandante da Marinha (almirante de esquadra Almir Garnier Santos) e comandante da Aeronáutica (brigadeiro Carlos Alberto Batista Júnior). Os três militares assumiram como comandantes logo após crise militar ser escancarada. Foto: Reprodução

O general Paulo Sérgio Nogueira foi colocado no Comando do Exército em meio à crise militar desatada após Bolsonaro demitir Fernando Azevedo. O pretendido pelo governo, segundo os boatos dos monopólios de imprensa, seria o general Freire Gomes (comandante militar do nordeste) - que não foi escolhido. Paulo Sérgio, porém, foi pedra cantada pelo Alto Comando das Forças Armadas que previa o agravamento da crise institucional.

No último domingo, que precedeu à crise, o general concedeu entrevista ao Correio Braziliense na condição de responsável do setor de recursos humanos do Exército (a principal das três forças militares). Nela, o atual comandante do exército falou que as forças armadas já se preparavam para a terceira onda da Covid-19, e que a rotina da caserna foi alterada pelas exigências sanitárias: “Todo dia, nosso comandante, o general Leal Pujol, faz videoconferência conosco e recomenda para que a ponta da linha use máscara, álcool em gel, distanciamento. Não tem mais formatura militar. Quando vai fazer algum evento são 10, 20, no máximo”. 

Paulo Sérgio Nogueira, em sua entrevista e após ela, escala nos ombros de Edson Pujol, agora ex-comandante do exército. Com a saída de Fernando Azevedo do ministério da Defesa, Pujol foi o primeiro a entregar o cargo, sendo acompanhado pelos comandantes das outras duas forças, marinha e aeronáutica. Em seu posto de comandante de força, Pujol aferrou-se na posição de que as forças armadas reacionárias não deveriam misturar-se na “vida política nacional”, irritando, assim, Bolsonaro que busca todo o tempo cindir o Alto Comando, tentando ganhar generais para seu projeto golpista.

Leia também: Editorial especial – Crise militar e cisões alcançam novos patamares

“Em caso de incêndios, quebre o vidro”

A estratégia de “estabilidade, legitimidade e legalidade”, cunhada por Vilas Bôas quando do início do golpe militar institucional de 2015, desatado de maneira preventiva ao inevitável levantamento de massas, (Lava Jato) e repetida por Mourão em meio à atual crise militar, diz muito sobre a pedra cantada do Alto Comando das Forças Armadas no contexto da atual escolha do novo comandante do exército. O cerne da agitação do presidente fascista, e de toda a extrema-direita já estruturada no país, é a oposição aos governadores. Foi em torno desse tema que remexeu-se todo o primeiro escalão, além do descarte dos ministros da chamada “ala ideológica” (extrema-direita) após pressão do Congresso, STF e monopólios de imprensa.

Sabendo que novas turbulências entravam na rota do país, os militares buscaram, ao longo dos últimos 2 meses, postar-se como soberanos naturais. Quem ler a entrevista de Paulo Sérgio, espanta-se com a aparência, adrede fabricada, de detentores de sabedoria ímpar na questão de como lidar com a pandemia. Distanciamento, testagem em massa, álcool gel (quem diria!), tudo isso apareceu na boca de um general da ativa responsável, até então, pelos “recursos humanos” do exército. 

A atuação quase teatral protagonizada por Paulo Sérgio em dita entrevista busca modificar a imagem deixada por Pazuello de um gorila inútil. Afinal de contas, o responsável em logística (que antes de assumir o cargo de ministro da Saúde geria de fato o serviço da ativa do exército) confundiu o Amapá com o Amazonas, em apenas um dos episódios da tragédia, que prolongou a dor dos familiares de mortos e doentes do estado do Amazonas e de todo o país.

só se engana quem quiser

A expectativa criada em torno de quem seria o futuro comandante do exército partiu da intenção de Bolsonaro em aproximar algum general alinhado a seu projeto golpista de extrema-direita. Nesse cargo entra, pelo contrário, um general que postou-se como sabichão do “combate à pandemia”. 

Somente ignorando a realidade do genocídio premeditado ao qual efetuou o governo Bolsonaro/generais e lançando-se à total insanidade, pode-se enxergar qualquer coisa que não o agravamento da pugna no seio das classes dominantes - nessa briga, que perdura, pela direção do golpe militar, em curso desde 2015.

De nosso lado, todo o episódio serve tão somente para ver de que trapos são feitos a farda verde-oliva brasileira. Todos os cálculos lógicos e certeiros dos empenhados em fazer a contrarrevolução em nosso país ao custo de centenas de milhares de corpos provarão-se inúteis tão logo a “convulsão social” organize-se e tome os céus de assalto em fenômeno que tem nome: Revolução de Nova Democracia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin