RJ: Paes ordena destruição de moradias e despejo de moradores na favela Metrô-Mangueira

O prefeito reacionário do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, ordenou que agentes da Secretaria de Conservação (Seconserva), da Secretaria de Ordem Pública (Seop) e da Subprefeitura da Tijuca, destruíssem moradias da favela Metrô-Mangueira com o objetivo de despejar moradores que ali viviam. O crime de deixar pessoas sem ter onde morar, logo durante  o pico da Covid-19, foi cometido pela Prefeitura, logo às 6h da manhã, do domingo dia 11 de abril. A comunidade fica localizada no bairro da Tijuca, próximo a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e ao Estádio do Maracanã, na zona norte do Rio.

Durante a operação, dez moradias foram destruídas por uma retroescavadeira. A Coordenadoria Técnica de Operações Especiais (COOPE), informou ainda que voltará para demolir o restante dos prédios. Segundo ela, serão demolidos tanto imóveis de uso residencial como comercial, ação que como se vê, deixará pessoas sem casa e sem emprego.

A questão da demolição de casas na favela, é um desejo antigo da prefeitura. Em 2014, por ocasião da Copa do Mundo Fifa, foram realizadas uma série de remoções para favorecer as empresas e imobiliárias envolvidas no Megaevento. A favela Metrô-Mangueira era uma das primeiras comunidades na lista de destruição e expulsão de moradores, pois fica localizada muito próximo ao estádio do Maracanã, sede de importantes eventos esportivos. Na época, os moradores, tomados pelas intensas rebeliões que varreram o país, fizeram combativos protestos contra as remoções, fato que fez com que o Estado recuasse no seu intuito criminoso.

Retroescavadeira destrói moradias na favela Metrô-Mangueira sob mando do prefeito Eduardo Paes. Foto: Diego Felipe Souza

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro