Alemanha: Democratas e revolucionários realizam palestras e manifestações em apoio ao Acampamento Manoel Ribeiro

Ativistas alemães realizaram uma série de atividades no mês de abril em defesa dos camponeses do Acampamento Manoel Ribeiro, em Rondônia, e da Liga dos Camponeses Pobres (LCP), denunciando, também, os ataques criminosos do velho Estado brasileiro em conluio com o latifúndio.

Na cidade de Hamburgo, no dia 16 de abril, o movimento Aliança contra a Agressão Imperialista realizou uma manifestação diante da embaixada brasileira em solidariedade com o movimento revolucionário camponês no Brasil. Entre os ativistas, haviam também ativistas turcos da organização democrático-revolucionária Partizan.

Múltiplas declarações de solidariedade foram lidas e diversas palavras de ordem do movimento revolucionário no Brasil foram entoadas.

Com esta manifestação, afirmam, “um forte sinal de solidariedade foi enviado e foi demonstrado que o movimento camponês revolucionário no Brasil não está sozinho, mas está lado a lado com companheiros de todo o mundo. É dever de toda força revolucionária, anti-imperialista, progressista e democrática demonstrar solidariedade e denunciar os crimes do velho Estado brasileiro, de modo que não pode haver outro massacre.

Ativistas realizam ato em Hamburgo. Foto: Dem Volke Dienen

Em Hamburgo, também, pichações em solidariedade com o movimento camponês revolucionário brasileiro foram documentadas em várias partes  da cidade. Foto: Dem Volke Dienen

Em Stuttgart, ativistas realizaram um ato em frente ao consulado honorário brasileiro, no dia 18 de abril.

Eles carregavam uma faixa com a frase “Abaixo a criminalização da luta pela terra!” em alemão e português.

Com essa palavra de ordem, eles denunciaram decisivamente os planos do Estado brasileiro, que “procura acabar com as lutas dos camponeses através da força e, portanto, tenta criminalizá-los”.

“Estes passos são necessários para o velho Estado, pois a revolução agrária no Brasil está constantemente alcançando novas vitórias, desafiando as regras dos burocratas-capitalistas e grandes latifundiários”, continuaram.

Durante o ato, três falas foram feitas, chamando a atenção para a situação atual em Chupinguaia, Rondônia. Os palestrantes falaram sobre a situação insuportável que obriga a maioria da população rural a passar pelas condições mais brutais de exploração e sobre a justa luta que está sendo travada pela LCP contra essas condições. Também denunciaram as ações do governo contra o movimento camponês em Rondônia e explicaram como o Estado brasileiro está atualmente violando suas próprias leis para realizar o despejo da antiga fazenda Santa Elina. Após os discursos, os ativistas gritaram palavras de ordem como Não à criminalização da luta pela terra!, Viva a Liga dos Camponeses Pobres do Brasil! e Viva a solidariedade internacional!

“Mais uma vez, queremos apelar aqui para todas as organizações e indivíduos progressistas, democráticos e revolucionários: Lutar para evitar outro massacre!

Converse com seus amigos, colegas, colegas de classe, familiares sobre a situação atual. Realizem suas próprias ações de solidariedade com os camponeses pobres do Brasil e criem a opinião pública para sua justa luta pela terra!”, demarcou o portal revolucionário, Dem Volke Dienen, que repercutiu a notícia. 

Ativistas realizam ato em Stuttgart. Foto: Dem Volke Dienen

Em Bremen, foi organizada uma palestra sobre a situação do movimento revolucionário camponês em Rondônia. Além de informações gerais, foi enfatizado que o ataque do velho Estado também significa que “os revolucionários no Brasil estão tendo enormes sucessos com seu trabalho e estão sendo combatidos por causa dele”.

“O plano de massacre foi claramente denunciado e a luta heróica dos companheiros no Brasil foi mais uma vez mostrada de forma impressionante através dos vídeos que foram publicados pelos companheiros brasileiros”, declararam.

Ativistas realizam palestra em Bremen. Foto: Dem Volke Dienen

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro