Áustria: ativistas realizam ação de solidariedade com os camponeses do Acampamento Manoel Ribeiro e a LCP

Ativistas realizaram uma ação de solidariedade condenando as forças reacionárias brasileiras que tentam massacrar os camponeses do Campo Manoel Ribeiro. Uma grande faixa foi segurada pelos presentes que dizia: Não à criminalização do movimento camponês revolucionário no Brasil! e Viva o LCP!. Outra ação similiar ocorreu na cidade de Linz.

No sítio da web (afainfoblatt.com) em que as imagens da ação foram divulgadas, também foi anexo o seguinte texto que expressa solidariedade internacional:

Solidariedade com a luta dos camponeses pobres do Brasil! Abaixo a criminalização da luta pela terra!

"A terra de Santa Elina está encharcada de sangue camponês! Não vamos sair daqui"! (Camponeses do acampamento Manoel Ribeiro, atualmente cercados pela polícia militar)

Desde o final de março, os governantes no Brasil estãAtivistas na Áustria realizam ação de solidariedade internacional. Foto: afainfoblatt.como preparando um novo massacre contra o movimento revolucionário camponês. No centro do ataque planejado está o Acampamento Manoel Ribeiro (Rondônia), uma região onde um massacre cruel dos camponeses já havia sido realizado em 1995. Os camponeses e sua organização, a "Liga dos Camponeses Pobres", estão determinados a permanecer firmes e defender seus direitos contra os interesses sangrentos dos grandes latifundiários.

O "crime" que os camponeses do Acampamento Manoel Ribeiro cometeram é tomar o que é seu por direito: A terra! No final do ano passado, os revolucionários camponeses expulsaram os grandes latifundiários da fazenda Santa Elina, recuperaram a terra e a dividiram entre os camponeses pobres. Esta vitória do movimento camponês desenvolveu um enorme apelo muito além das fronteiras da região, e o governo local, os grandes proprietários de terras e seus mercenários armados estão agora prontos para qualquer crime para restaurar seu antigo poder. A operação é liderada pelo prefeito da região de Rondônia, Marcos Rocha, que também é coronel da polícia militar, e seu ministro da segurança, Cisneiro Pacha, que os camponeses lembram muito bem como o "Açougueiro de Santa Elina". Todas as estradas de acesso ao acampamento Manoel Ribeiro foram fechadas pela polícia militar, e todas as pessoas que querem entrar ou sair da região são controladas e chantageadas através de métodos ilegais. O transporte de mercadorias é negado, os serviços de saúde são suspensos e até mesmo as vacinas contra o vírus Corona foram suspensas, apesar de o Brasil ser um dos países com a maior taxa de mortalidade devido à Covid-19.

Para legitimar o massacre planejado do movimento revolucionário camponês na região, os governantes estão recorrendo a velhos métodos familiares: Os camponeses são chamados de "terroristas" e os métodos terroristas e sangrentos da polícia militar são chamados de "meios para restaurar a paz no campo". Isto não passa de uma tentativa cínica e nojenta de criminalizar a luta pela terra e de justificar todos os ataques aos camponeses!

Mas os camponeses de Santa Elina não serão intimidados, eles mostram sua determinação na defesa de suas terras e seus ganhos revolucionários: "O sangue derramado sobre Santa Elina corre em nossas veias! Mesmo que fique pior, esta terra é nossa"!

O movimento camponês no Brasil, desde o massacre de Corumbiara em 1995, criou uma organização forte que, mesmo neste momento difícil, está firmemente ao lado dos camponeses em luta, conduzindo-os em seu caminho e objetivo justificado: Para desenvolver ainda mais a revolução agrária e esmagar o grande latifúndio. Esta organização, a Liga dos Camponeses Pobres, apela à solidariedade com a luta dos camponeses pobres do Brasil!

Mostremos também nosso forte apoio na Áustria! Juntemo-nos às exigências justas:

Abaixo a criminalização da luta pela terra!

Solidariedade com a luta dos camponeses pobres do Brasil!

Viva a Liga dos Camponeses Pobres!

Ativistas na Áustria realizam ação de solidariedade internacional. Foto: afainfoblatt.com

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin