Equador: Comitês de operários e camponeses declaram seu apoio aos camponeses de Manoel Ribeiro e à LCP

A Organização Sindical Nacional Única dos Trabalhadores do Ministério da Saúde (Osuntramsa), o Comitê de Trabalhadores da Empresa Eléctrica do Norte (EMELNORTE) e a Associação de Trabalhadores Elétricos de Imbabura: "Adolfo Guerra"  lançaram notas de apoio aos camponeses pobres do Acampamento Manoel Ribeiro, inclusive entregues à embaixada do Brasil no Equador, endereçados ao embaixador.

Organização Sindical Nacional Única de Trabalhadores do Ministério da Saúde entregam carta à embaixada e lançam petição

A Organização Sindical Nacional Única de Trabalhadores do Ministério da Saúde (Osuntramsa) é formada por mais de 17 mil trabalhadores cobertos pelo contrato coletivo e, nos últimos anos, tornou-se o setor sindical mais dinâmico e ideologicamente coerente na luta contra o regime títere e de fome de Moreno.

Nesta ocasião, os companheiros se unem a esta grande minería de apoio à luta que os camponeses pobres do Brasil estão realizando no acampamento de Manoel Ribeiro, hoje sitiado pela polícia militar aliada aos paramilitares dos grandes latifundiários.

OS TRABALHADORES DA SAÚDE EXPRESSAM SOLIDARIEDADE COM OS CAMPONESES POBRES DO BRASIL

NÃO À REPRESSÃO DOS CAMPONESES POBRES DO ACAMPAMENTO MANOEL RIBEIRO!

LUTAR E RESISTIR!

REBELAR-SE É JUSTO!

Quito, 12 de abril de 2021

Dr. Carlos Alfredo Lazary Teixeira                         

EMBAIXADOR DO BRASIL 

Presente.

Receba nossas saudações, ao mesmo tempo em que nos dirigimos para expressar e exigir o seguinte:

EXPOSIÇÃO

A Liga dos Camponeses Pobres do Brasil é uma organização democrática, que organiza os camponeses pobres e sem terra; ela promove a necessidade de democratizar a posse da terra, hoje concentrada nas mãos de poucos grandes proprietários e que está sendo submetida a uma violenta campanha de perseguição, assassinatos, difamação e criminalização, tanto de suas lutas como de sua organização.

Há semanas, a Polícia Militar, em conluio com o Coronel Marcos Rocha, governador de Rondônia e, à frente do aparelho militar, o Coronel José Helio Cysneros Pachá, desencadeou um estado de sítio e repressão contra os camponeses instalados no acampamento Manoel Ribeiro, fazenda Nossa Senhora Aparecida, antiga fazenda Santa Elina, no município de Chupinguaia, próximo ao município de Corumbiara, Rondônia.

Não cansados desta sangrenta campanha militar, acrescenta-se outra, de desacreditar, catalogando os camponeses pobres como membros de uma organização terrorista, para que com este pretexto, tenham os "argumentos jurídicos" necessários para perseguir, prender e processar os líderes camponeses, aplicando, desde a administração da justiça brasileira, a lei penal do inimigo.

A campanha de difamação e desprestígio também é dirigida pela mídia num claro esforço de silenciar o direito dos camponeses a protestar, à terra, ao trabalho e à vida.

É oportuno lembrar que neste mesmo lugar, Fazenda Santa Elina, em 1995, a Polícia Militar aliada aos mercenários a serviço dos grandes latifundiários e sob a liderança militar de José Cysneiros Pacha, que na época detinha o posto de capitão - que entraria para a história como o "carniceiro de Corumbiara" - cometeu um massacre execrável de dezenas de crianças, jovens e adultos.

Hoje, advertimos que um novo massacre está sendo conspirado contra os camponeses pobres, já que a polícia e outras organizações do aparelho repressivo brasileiro estão reprimindo indiscriminadamente os proprietários históricos e legítimos dessas terras.

De nossa parte, como sindicato que reúne mais de 17.000 trabalhadores da saúde do Equador, juntamente com outras organizações sindicais, populares e camponesas, manteremos firme apoio à luta camponesa em Rondônia; além disso, defenderemos nas ruas e na mídia popular e democrática as justas lutas da Liga dos Camponeses Pobres do Brasil.

Expressamos com veemência que estaremos vigilantes e atentos ao respeito aos direitos humanos dos camponeses que são permanentemente violados pelo Estado brasileiro.

PETIÇÃO

Pelas razões acima mencionadas, exigimos

Ø Desmantelar o estado de sítio e cessar as hostilidades ao acampamento Manoel Ribeiro, instalado na fazenda Nossa Senhora Aparecida, antiga fazenda Santa Elina, no município de Chupinguaia.

Ø Que a liberdade de organização, reunião, direito de resistência e protesto seja respeitada.

Ø Que a perseguição aos líderes camponeses e à mídia popular cesse.

Ø Que o Estado brasileiro cesse a campanha para desacreditar e perseguir as organizações populares.

Fazemos esta exigência sob a proteção da Declaração dos Direitos Humanos nos Artigos 3, 5, 10, 14, 19, 20, 21.

Atenciosamente,

Oswaldo Peralvo

SECRETÁRIO DE ORGANIZAÇÃO DE OSUNTRAMSA

Comitê de Trabalho dos trabalhadores da Emelnorte e da Associação de Trabalhadores Elétricos de Imbabura: "Adolfo Guerra" entregam carta na embaixada brasileira

O Comitê de Trabalho dos trabalhadores da Emelnorte e da Associação de Trabalhadores Elétricos de Imbabura: "Adolfo Guerra" entregou o comunicado anexo na sede da Embaixada do Brasil no Equador:

O proletariado; o elemento consciente da classe, solidário com a luta dos camponeses pobres do Brasil.

VIVA A LUTA PELA TERRA!

NÃO À REPRESSÃO DOS CAMPONESES DO ACAMPAMENTO MANOEL RIBEIRO!

REBELAR-SE É JUSTO!

Ibarra, 13 de abril de 2021

 Dr. Carlos Alfredo Lazary Teixeira

EMBAIXADOR DO BRASIL

Em seu escritório.

O Comitê de Trabalho da Empresa Eléctrica del Norte (EMELNORTE) e a Associação de Trabalhadores Elétricos de Imbabura: "Adolfo Guerra", rejeitam e condenam a operação militar dirigida contra os camponeses instalados no acampamento Manoel Ribeiro, fazenda Nossa Senhora Aparecida, a última parte da antiga fazenda Santa Elina, no município de Chupinguaia, próximo ao município de Corumbiara.

É importante lembrar que neste mesmo cenário, em 1995, a terra foi manchada de sangue após o vil assassinato de dezenas de camponeses pobres pela Polícia Militar liderada pelo Capitão José Hélio Cysneiros Pachá, que entrou para a história como o "carniceiro de Cumbiará".

Hoje, justamente este personagem sanguinário, mas com o posto de coronel (Cysneiros Pacha), com o consentimento do governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, sitiou o acampamento Manoel Ribeiro e realizou uma série de operações militares que violam os direitos mais elementares da população.

A luta dos camponeses pela posse e defesa destas terras não só é justa, mas também responde à necessidade inegável de entrar em um processo irreversível de democratização da propriedade da terra.

Nossas organizações sindicais permanecerão atentas aos eventos descritos acima; portanto, exigimos que as autoridades brasileiras acabem com o despejo violento dos camponeses pobres; não criminalizem suas lutas; acabem com o cerco e a repressão no acampamento Manoel Ribeiro; retirem de cena o Coronel José Cysneiros para evitar a repetição do massacre abjeto de 1995.

ABAIXO À CRIMINALIZAÇÃO DA LUTA PELA TERRA!

DEFENDER A POSSE DA TERRA PELOS CAMPONESES DO ACAMPAMENTO MANOEL RIBEIRO!

AS TERRAS DA ANTIGA SANTA ELINA PERTENCEM AO POVO!

TODO APOIO AOS CAMPONESES DA REGIÃO DE MANOEL RIBEIRO!

Sinceramente,

COMITÊ DE TRABALHO DA EMPRESA ELÉCTRICA DEL NORTE (EMELNORTE) E  ASSOCIAÇÃO DE TRABALHADORES ELÉTRICOS DE IMBABURA: "ADOLFO GUERRA".

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro