Editorial semanal – Os discursos da crise

Bolsonaro perde força e fica refém do Alto Comando das Forças Armadas e do Centrão. Foto: Gabriela Biló

Há várias semanas, dizíamos em nossos editoriais que a situação brasileira marchava, aos solavancos, para sensíveis mudanças de qualidade. Foi o que ocorreu a partir da decisão do STF de anular as condenações de Luiz Inácio, que precipitou por sua vez a maior crise militar desde 1977 e abertura da CPI da Covid (alguns analistas chamam-na já CPI do genocídio), tendo como pano de fundo o massacre de 400 mil brasileiros no contexto da pandemia. Bolsonaro, acuado, insiste no seu samba de uma nota só: ameaça e mente, mente e ameaça.

Vejamos: em visita a Manaus, em entrevista a um apresentador de televisão de repugnante reputação, Bolsonaro revelou que “temos um plano” (sujeito no plural) caso o Brasil “entre no caos”. Ele revelara, ali, de propósito, a surrada carta que o Alto Comando guarda com zelo na manga: intervenção militar completa, amparada no artigo 142 da Constituição, para garantir “os Poderes constitucionais”. Fizera isso o presidente fascista para tentar emplacar a imagem de identidade entre seu plano e o dos generais, assustar a oposição legalista que tenta vingar o processo de impedimento e, de quebra, criar este caos sem o qual seu plano dificilmente arrastaria os generais.

Bem, tratam-se de verdadeiras as palavras ditas pelo nosso Bonaparte de botequim. De fato, eles têm um plano, inclusive detalhista em termos operativos. Para elaborá-lo fizeram mil experimentações, como a intervenção no Rio, os ensaios de Garantia da Lei e da Ordem e jogos de guerra. Que lunático ainda ousa acreditar que os generais estão defendendo esse arremedo emporcalhado que alguns chamam de democracia?

Agora, palavras à parte: Bolsonaro tem condições reais de desfechar o golpe de Estado, tal como queira, no curto prazo?

Para responder a esta pergunta, é mister ler com atenção os discursos proferidos pelos generais Edson Leal Pujol, ex-comandante do Exército, e Paulo Sérgio, atual comandante, nas mensagens direcionadas aos seus pares e à opinião pública. Edson Pujol disse, em suas “Palavras de despedida”, publicadas no último dia 20/04:

[Agradeço] ao Senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, Comandante Supremo das Forças Armadas, por ter me nomeado para esta importante e honrosa missão. Ao Senhor Ministro da Defesa, General Fernando, por ter me indicado para o cargo, por sua liderança e exemplo, pela lhaneza no trato e consideração com que sempre me distinguiu; pela orientação segura, judiciosa e oportuna; e, sobretudo, pelo respeito, consideração e amizade, que permitiram o cumprimento de variadas missões, em um ambiente de total confiança, lealdade e sã camaradagem”.

Ao “Comandante Supremo”, portanto, Pujol dedica uma mísera menção protocolar, rigorosamente obrigatória. Para Fernando Azevedo e Silva, Ex-Ministro da Defesa, subordinado a Bolsonaro, acaba-se em longos elogios e distinções. O mero contraste já indica o tamanho real do capitão falastrão junto ao Alto Comando das Forças Armadas. A seguir, Pujol ainda destaca os comandantes das outras forças armadas, que deixaram seus cargos junto com ele:

Aos prezados amigos Almirante-de-Esquadra Ilques Barbosa Júnior, Comandante da Marinha do Brasil; e, ao Tenente-Brigadeiro do Ar Antônio Carlos Moretti Bermudez, que comigo trabalharam ombro-a-ombro, comandando as Forças coirmãs, os meus agradecimentos pelo eficiente trabalho em equipe, pela ajuda fraterna, troca de experiências, relacionamento franco e leal; e, pelas inúmeras demonstrações de apreço, amizade, solidariedade e apoio recebidos”. (Grifo nosso).

Solidariedade e apoio que resultaram na sua demissão dos respectivos cargos, em atrito direto contra a extrema-direita. Pujol fez, portanto, entre linhas, mais uma dura demarcação de posição em relação a Bolsonaro.

Paulo Sérgio Nogueira, por sua vez, na sua primeira mensagem pública como Comandante do Exército, publicada no Youtube no último dia 23/04, ressaltou que: “Fiéis aos princípios basilares da hierarquia e da disciplina, sob estrita observância da ordem constitucional vigente, devemos continuar a representar vigoroso vetor de estabilidade e de garantia da ordem e da paz social”. (Grifo nosso).

Sobre Bolsonaro, novamente, uma menção protocolar, no mesmo nível da referência a Braga Netto:

Quero inicialmente agradecer ao senhor presidente da República, Jair Bolsonaro, comandante supremo das Forças Armadas, a confiança depositada neste soldado ao nomear-me para o comando do Exército Brasileiro, bem como ao senhor Ministro da Defesa, General Braga Netto, pela indicação de meu nome para tão nobre missão.”

Esta exígua referência merece ser comparada com a que ele fez ao seu antecessor:

Agradeço também ao general Pujol, pela grandeza com que me transmitiu o cargo, com inequívocas demonstrações de lealdade e camaradagem. A serenidade e o equilíbrio com que conduziu este processo foram fundamentais para uma transição eficiente, tendo por base os valores e tradições da força e sua missão”.

Seu discurso concentrou-se ainda na atuação do Exército durante a pandemia e concluiu fazendo um chamado à reserva, pedindo que os militares permanecessem unidos. Como temos visto e comentado em mais de uma ocasião em AND, o recrudescimento da crise política tem sido acompanhado de uma série de pronunciamentos de militares da reserva e do Clube Militar apoiando abertamente um golpe de Estado. É para estes reacionários inveterados, em nome da disciplina e unidade da força, que se dirige o chamado de Paulo Sérgio.

Comparemos estas menções a Bolsonaro ditas acima com o discurso de transmissão de cargo proferido pelo general Villas Bôas, ocorrido em 11 de janeiro de 2019:

O senhor [Bolsonaro] traz a necessária renovação e a liberação das amarras ideológicas que sequestraram o livre pensar, embotaram o discernimento e induziram a um pensamento único, nefasto, como assinala o jornalista americano Walter Lippmann: 'Quando todos pensam da mesma maneira, é porque ninguém está pensando'”.

E, de novo, mais à frente, referindo-se às personalidades mais destacadas do ano anterior (2018), nas quais incluiu Sergio Moro, Braga Netto e “o presidente Bolsonaro, que fez com que se liberassem novas energias, um forte entusiasmo e um sentimento patriótico há muito tempo adormecido”. Naquela ocasião, Edson Pujol não discursou. Pouco mais de dois anos se passaram, mas é como se fossem décadas inteiras. Eram os primeiros dias deste desgoverno, quando ainda não caía sobre ele a pecha indelével e eterna de genocida, além de inepto, corrupto, boquirroto. É da mancha que os senhores oficiais generais querem se livrar, não da política de controle e sufocamento de qualquer manifestação genuína de protesto popular, perante a qual se apresentarão unidos para combatê-la. Se as massas se sublevarem, eles intervirão para massacrá-las, com ou sem Bolsonaro na presidência, na defesa da ordem iníqua e dos seus próprios privilégios, para o que, mediante chantagens, ameaças, pugnas e conluios, acabarão por receber todo o respaldo e legitimação dos demais “poderes constituídos”.

O contraste entre os primeiros discursos com os segundos não indica, obviamente, que antes houvera convergência de plano entre extrema-direita e direita militar; e também não significa que o êxito do plano bolsonarista esteja condicionado unicamente a uma boa relação com os generais. A médio prazo, se sobreviver no governo, existe a possibilidade de Bolsonaro arrastá-los a um golpe, quer gostem ou não os senhores generais, a depender do peso que o fascista possuir nas bases das forças militares e do grau de inoperabilidade do sistema político, determinado pelo nível de divisão existente no campo da reação e de mobilização no campo da revolução. Trata-se de uma equação complexa, insolúvel para o bolsonarismo no curto prazo.

A abertura dos trabalhos da CPI e o avanço, ainda que aos trancos e barrancos, das investigações sobre os crimes da família Bolsonaro no Rio de Janeiro (Bolsonaro, “o cara da casa de vidro”, é mencionado em reiteradas ligações grampeadas de milicianos, obtidas durante a investigação que resultou na execução de Adriano da Nóbrega no interior da Bahia) prometem elevar a crise política em meio à escalada da pandemia e à fome e debacle econômica. Reiteramos que nenhum rearranjo palaciano porá fim às mazelas que assolam o nosso povo. Contra os seus algozes, as massas populares devem atuar unidas em torno do seu próprio Estado-Maior, qual seja, o proletariado revolucionário, para romper o ciclo vicioso das iniquidades, rechaçar o golpismo encoberto ou declarado, avançar a Revolução de Nova Democracia e construir o Brasil Novo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro