Sindicato dos Trabalhadores Migrantes da Europa conclama a ampliar a solidariedade com a LCP

No dia 20 de abril foi publicada pelo Sindicato dos Trabalhadores Migrantes da Europa (AGEB, na sigla em turco) a nota intitulada Ampliemos a Solidariedade Internacional com a Resistência e as Lutas dos Camponeses Revolucionários Liderados pela 'Liga dos Camponeses Pobres’ (LCP) no Brasil. Também foram realizados atos na Grécia e Suíça em solidariedade internacional.

Na Suíça, durante os atos em solidariedade internacional, os ativistas seguraram uma faixa, fizeram falas no megafone e entregaram a declaração em forma de panfletos.

Ativistas realizam ato em solidariedade internacional à LCP e aos camponeses revolucionários brasileiros. Foto: AGEB

Segue, aqui, o vídeo da manifestação na Grécia:

Segue aqui, também, a nota traduzida:

“O sistema imperialista-capitalista continua seus ataques brutais contra todos os povos oprimidos do mundo em todas as esferas da vida para garantir a continuidade de sua exploração impiedosa e para sobreviver. Trabalhadores nas fábricas, camponeses pobres nos campos são esmagados em uma brutal roda de exploração. Enquanto as classes dirigentes vivem em riqueza e luxo com a mão-de-obra usurpada, bilhões de trabalhadores e operários sofrem na pobreza. Em países semicoloniais e semifeudais, esta exploração e agressão são vivenciadas nos níveis mais avançados. Os trabalhadores desses países estão sob a pressão das insaciáveis ambições de lucro tanto dos imperialistas quanto das classes dominantes servidoras. Todas as fontes subterrâneas e acima do solo desses países são saqueadas.

Sua estrutura ecológica é destruída e o povo é confrontado com a agressão oficial e paramilitar do Estado e a intensa pressão e exploração. No último período, o ataque brutal contra os camponeses no Brasil pelas forças da lei do Estado soberano, que tem estado a serviço das classes burguesas-feudais, é um deles. Em um país de vasta geografia como o Brasil, as massas camponesas são principalmente sem terra. Elas vivem na fome, na pobreza e na miséria. Quando as massas camponesas sem terra tomam medidas contra a opressão e a exploração impostas pelas classes burguesas-feudais, elas enfrentam forças paramilitares organizadas por soldados, policiais e grandes proprietários de terras codificadas para matar e destruir. O estado fascista-reacionário brasileiro lançou uma campanha ofensiva para proteger os interesses dos grandes proprietários de terras, conhecida como ‘Fazenda’, contra o movimento revolucionário camponês, que resiste e luta para ter terra suficiente para condições mínimas de vida.

O estado reacionário-fascista brasileiro e os mercenários dos grandes latifundiários aumentaram recentemente seus ataques contra a LCP (Associação Camponesa Pobre), que tem uma longa tradição de resistência e luta no estado de Rondônia, na região amazônica. Aldeões, incluindo crianças, foram feridos nesses ataques. Há até mesmo menções de aldeões assassinados. O ataque e o cerco contra os camponeses sem terra continuam.

Contra a opressão e os preparativos para o massacre das forças reacionárias, que até impediram o transporte médico dos membros do movimento revolucionário camponês durante a epidemia de Covid-19; como AGEB, apelamos a todas as forças revolucionárias e democráticas anti-imperialistas para que se solidarizem com o movimento revolucionário camponês e participem dos protestos contra a repressão do Estado brasileiro!

Os que resistem e lutam vencerão!

A Resistência Revolucionária e a Revolta dos Camponeses Pobres Sem Terra são Legítimas, Certas!

Ampliar a Solidariedade Internacional com a Resistência e a Luta dos Camponeses Sem-Terra no Brasil!

Proletários e povos oprimidos do mundo uni-vos!

SINDICATO DOS TRABALHADORES MIGRANTES NA EUROPA

20 de abril de 2021”

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro