Colômbia: Massas derrubam estátua de colonizador e incendeiam agência bancária em meio a protestos multitudinários

Manifestantes enfrentam a repressão policial em Bogotá. Foto: Juan Barreto

O povo colombiano foi massivamente às ruas na greve do dia 28 de abril para protestar contra a nova reforma tributária imposta pelo governo ultrarreacionário de Iván Duque, de reestruturação do capitalismo burocrático em crise. As massas rebeladas contra a fome, o desemprego e o descaso com a saúde do povo durante a pandemia da covid-19 enfrentaram as forças de repressão e atacaram símbolos coloniais e do capital monopolista, como estátuas, bancos e ônibus.

Foram realizados protestos em mais de 23 cidades em todo o país.

“Desde cedo pela manhã, mas especialmente à tarde, em várias partes do país, em particular Cali, Bogotá e Medellín, as massas populares expressaram sua raiva reprimida ao longo de séculos de opressão, exploração e miséria, e a transformaram em batalhas ferozes com a polícia e ataques a instituições e símbolos do poder econômico e político, como bancos, o gabinete do governador, o gabinete do prefeito, DIAN [Diretoria de Impostos e Alfândegas Nacionais], monopólios comerciais, monopólios de transporte, estátuas de saqueadores e assassinos como a de Sebastian de Belalcazar (em Cali). Centenas de pessoas resistiram heroicamente durante horas em vários pontos da cidade de Bogotá e em diferentes partes do país.”, relata o portal de notícias revolucionário da Colômbia, El Comunero.

Pelo menos um jovem manifestante foi morto pelas forças do velho, e centenas foram feridos em todo o país. Pelo menos 26 pessoas foram presas - 19 delas na capital, Bogotá - e 44 policiais ficaram feridos.

Em Cali, fervorosos confrontos levaram o velho Estado a decretar um toque de recolher a partir das 15 horas. Cerca de seis lojas de redes monopolistas, 12 caixas eletrônicos, três agências bancárias e três ônibus foram atacados pelas massas. Além disso, indígenas Misak derrubaram uma estátua de Sebastián de Belalcázar, colonizador espanhol do século XVI.

Agência bancária incendiada em Cali. Foto: Getty

Em Bogotá, a capital do país, o dia começou cedo com bloqueios de estradas. Por volta das 10 horas da manhã, a maior das manifestações no país foi realizada no Parque Nacional central.

Milhares de pessoas marcharam em direção à Plaza de Bolívar, onde estão localizados o Congresso e o Palácio da Justiça. Lá, os manifestantes responderam ativamente à tentativa de dispersão pelas forças de repressão, que atacaram as massas com bombas de gás lacrimogêneo. A Brigada Móvel Anti-Motim (ESMAD, na sigla original) foi responsável por encurralar os manifestantes.

Segundo o El Comunero, os manifestantes e grupos de jovens revolucionários, em Bogotá, denunciaram o papel das forças militares e policiais que apontaram como "assassinos do povo" como o “braço armado dos exploradores" e lembraram companheiros assassinados nas lutas do povo pelas balas do velho Estado, expressando seu compromisso de continuar a luta, e entoaram em alto e bom som que Por nossos mortos, nem um minuto de silêncio, uma vida de luta!, e que As balas que dispararam voltarão, o sangue (do povo) que derramaram eles pagarão!.

Também na capital, um grupo de pessoas atacou as instalações do canal de televisão monopolista RCN e seu canal internacional, NTN24.

Manifestante soca um policial durante a manifestação de 28 de abril. Foto: Raúl Arboleda

Liga Juvenil Revolucionária. Foto: El Comunero.

Reforma tributária: velho Estado sanguessuga cerra mais seus dentes

A reforma tributária proposta pelo governo imporia um Imposto Sobre Valor Agregado de 19% sobre quase toda a cesta básica familiar, assim como sobre os hidrocarbonetos, afetando os transportes e congelando os gastos do orçamento nacional para todos os ramos do setor público (incluindo saúde e educação), com exceção das Forças Armadas.

A reforma propõe, entre outras medidas, a criação de um imposto de renda sobre pessoas que ganham mais de 656 dólares por mês, em um país onde o salário mínimo é de 248 dólares. Até agora esta obrigação só se aplica a salários acima de 1.050 dólares.

Além disso, acontecerá a tributação de serviços básicos em áreas da pequena-burguesia e a funerais.

"A reforma tributária vai basicamente aumentar o custo da cesta familiar quando não temos nem trabalho e nem sequer temos dinheiro para comer. Eu ganho o suficiente para o dia, eles quase me expulsaram de casa porque ainda não consegui pagar o aluguel", disse Alexandra Torres, uma mãe chefe de família de Bogotá, ao monopólio de mídia France24.

Uma juíza do Tribunal Administrativo de Cundinamarca (região que circunda a capital Bogotá), também emitiu uma ordem proibindo as marchas de 28 de abril e 1º de maio, algo que foi rechaçado amplamente.

No dia 28 foi ouvido em numerosas ocasiões da boca dos manifestantes que O governo é um vírus pior do que o coronavírus!, demonstrando que a miséria é, atualmente, mais urgente para o povo.

índices desnudam a crise do capitalismo burocrático

Manifestação em Bogotá. Foto: Getty

Índices recentes que trazem à superfície os números de mazelas sociais como a fome, o desemprego e a inflação parecem confirmar a palavra de ordem Rebelar-se é justo!, praticada pelas massas colombianas nas manifestações multitudinárias.

Mais de 2,7 milhões de colombianos sofrem de fome crônica, uma situação que se agravou com a crise geral do imperialismo e capitalismo burocrático e durante a pandemia. Segundo dados do Programa Mundial de Alimentos, em outubro de 2020, 10,9 milhões de colombianos tinham um consumo alimentar insuficiente, um número que durante os meses de agosto e setembro chegou a 12 milhões.

Os dados também revelam que 54,2% da população da Colômbia vive em “insegurança alimentar” (fome). Cerca de 1,6% das crianças do país são extremamente desnutridas e 12,7% sofrem de desnutrição crônica.

Durante o mês de fevereiro de 2021, a taxa de desemprego era de 15,9% e a inflação em março de 2021 foi a maior em um período de cinco anos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin