RJ: Centenas de pessoas exigem justiça para vítimas da Chacina do Jacarezinho

Centenas de pessoas protestam contra Chacina do Jacarezinho. Foto: Banco de Dados AND

No dia 07 de maio, mais de 400 manifestantes estiveram presentes na favela do Jacarezinho em um ato de repúdio à chacina realizada pelas forças policiais no dia anterior. Desde as 17h da sexta-feira estavam reunidos familiares das vítimas, moradores, ativistas de movimentos populares, trabalhadores, estudantes e advogados. O ato, que durou cerca de três horas, denunciou o genocídio praticado pela operação da Policia Civil que deixou como saldo 28 pessoas barbaramente assassinadas.

Manifestantes exigiram o fim das operações de guerra em favelas do Rio. Foto: Banco de Dados AND

Leia Também: RJ: Operação de guerra da Polícia deixa 28 mortos na favela do Jacarezinho

O ato de resposta ao massacre, teve sua concentração na quadra da Escola de Samba Unidos do Jacarezinho. Os manifestantes demonstraram em suas ações, faixas e palavras de ordem a extrema revolta com a rotina de violência e humilhação imposta a eles pelos policiais.

Manifestação adentrou a favela do Jacarezinho. Foto: Banco de Dados AND

Palavras de ordem ecoaram por toda região: Chega de chacina, polícia assassina, Justiça Já, justiça já, ser preto não é crime, vocês vão nos pagar, Que covardia, polícia mata pobre até na pandemia e No Campo e na Favela, o povo se rebela. Além disso, foi levada uma grande faixa pelos manifestantes com os dizeres: Contra o genocídio: Rebelar-se é justo! assinada pela Unidade Vermelha - Liga da Juventude Revolucionária (UV-LJR) e pelo Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR). Outras faixas eram vistas, como uma que dizia Cláudio Castro e Bolsonaro: Assassinos!

Moradores denunciaram o genocídio promovido pelo velho Estado contra o povo das favelas. Foto: Banco de Dados AND

O ato saiu em direção ao portão da Cidade da Polícia, centro da inteligência da Polícia Civil do Rio, que fica em frente a comunidade do Jacarezinho. Lá foi o local de onde saíram os policiais que participaram da operação genocida iniciada às 05h50m pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. Durante 9 horas seguidas a Polícia Civil esteve na comunidade levando terror aos mais de 50 mil moradores da favela.

Manifestantes levaram faixa com dizeres responsabilizando o governador do Rio, Cláudio Castro, e o presidente fascista Jair Bolsonaro pelo massacre no Jacarezinho. Foto: Banco de Dados AND

Leia também: Quinta-feira sangrenta no Jacarezinho

Protesto denuncia genocídio

Em certo momento, as massas se posicionaram em frente ao portão principal da Cidade da Polícia. Moradores, familiares das vítimas e manifestantes denunciaram o genocídio perpetrado pelos agentes do velho Estado contra a população preta e pobre das favelas do Rio. 

Faixa questiona o grande número de mortos na operação. Foto: Banco de Dados AND

Os policiais, com medo de que a massa indignada invadisse a sede da força da reação, montaram um cordão de choque em frente ao portão. Militares armados com bombas de gás, escudos e armas de bala de borracha tentavam, em vão, intimidar o protesto.

Manifestantes chamaram o velho Estado de Terrorista. Foto: Bando de Dados

Após irem até o portão da Cidade da Polícia o ato seguiu adentrando na favela do Jacarezinho, palco do massacre. Pelas ruas da comunidade, os manifestantes receberam intenso apoio dos moradores, comerciantes e trabalhadores do local. Alguns moradores relataram em suas falas as nove horas de terror que vivenciaram na chamada “Quinta-feira sangrenta”. Muitos denunciaram que tiveram suas casas invadidas pelos policiais, que executaram a sangue frio pessoas já rendidas na frente de crianças. Relatos contam também com explosões de bombas e rajadas de tiros durante todo o período, em uma verdadeira atrocidade levada à cabo pelas forças policiais do Rio de Janeiro.

Manifestantes se concentraram na Quadra da Escola de Samba Unidos do Jacarezinho. Foto: Banco de Dados AND

No final do ato, por volta das 20h, ativistas de movimentos populares denunciaram que a Chacina do Jacarezinho é parte da política de genocídio contra a população mais pobre e que operação de guerra na favela é parte da guerra civil reacionária contra o próprio povo. Tal ação de extermínio é dirigida pelo velho Estado, hoje com Bolsonaro e generais à frente.

Panfletos de movimentos populares denunciaram a criminosa Chacina promovida pelo velho Estado. Banco de Dados AND

Centenas de pessoas se manifestam pelas ruas do Jacarezinho. Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin