México: Ação do velho Estado prende estudantes normalistas; 130 estão desaparecidos

Estudantes e pais dos 43 de Ayotzinapa durante o protesto pelos estudantes de Mactumactzá. Foto Cristina Rodríguez

Após operação das forças policiais mexicanas contra um protesto na Escola Normal Rural de Mactumactzá, 93 estudantes foram detidos, e 130 estão desaparecidos. Entre os detidos, 73 são mulheres que denunciaram abusos e outros sexuais feitos pelos policiais.. A raiva ensandecida do velho Estado mexicano contra os jovens iniciou-se após o protesto estudantil contra a forma que seria aplicado o exame de admissão à escola, no dia 18 de maio, no estado de Chiapas.

As estudantes que haviam sido detidas e sofrido diversos tipos de abuso sexual foram mais tarde postas em liberdade condicional e iniciou-se contra elas um processo. Enquanto os outros estudantes permaneceram na prisão de El Amate.

Contra a aplicação de provas on-line

Numa entrevista, uma aluna da escola - que pediu para não ser nomeada - lembrou que desde o início de Abril os alunos começaram a mobilizar-se para protestar contra a decisão das autoridades educativas de Chiapas de realizar o exame de admissão à escola por meios eletrônicos, não presencialmente.

"O ano passado, devido à pandemia, o exame foi virtual, com muitas irregularidades no processo, porque a rede não era boa e porque muitos de nós viemos de comunidades distantes e por vezes nem sequer sabemos como utilizar um computador. Este ano foi a mesma situação, mas com a diferença de que os candidatos tinham de trazer o seu próprio tablet ou computador", explicou a jovem. 

Quanto maior a repressão, maior a resistência!

Dois dias depois da repressão , em 20/05, um caminhão de carga atropelou um bloqueio de estrada mantido por jovens estudantes da Escola Normal Rural "Carmen Serdán" em Teteles, Puebla. Duas jovens morreram e outras três ficaram feridas. As jovens protestavam contra a detenção de seus companheiros e companheiras estudantes em Chiapas.

Em Oaxaca, 21/05, a polícia estatal a bordo de tanques e caminhões e com armas de fogo atacou estudantes pertencentes à Coordenadoria Estudantil Normalista do Estado de Oaxaca. A entidade organizou um protesto no mesmo dia em que os agentes da repressão espancaram estudantes e apontando armas de fogo às suas testas. 

As prisões geraram um intenso sentimento de solidariedade entre todo o povo mexicano. Foram organizados comícios durante as visitas aos presos. As famílias dos cerca de 90 estudantes encarcerados injustamente pelo velho Estado mexicano se organizaram para arrecadarem e levarem alimentos para os estudantes. 

Dessa forma, as agressões desesperadas desatadas pelas forças repressivas estão a encontrar uma resposta ampla e unificada de amplos contingentes do movimento popular. São esperadas mobilizações em todo o país nos próximos dias.

Protesto pelos estudantes da Escola Normal Rural Mactumactzá. Foto Cuartoscuro

Diante da sanha sanguinária do velho Estado burocrático-latifundiário e de outros reacionários mexicanos contra a juventude, principalmente a camponesa, estudantes de diversas escolas normais realizaram manifestações. Participaram as Escolas Rurais Normais de Tenería, Estado de México; San Marcos, Zacatecas; Cañada Honda, Aguascalientes; Panotla, Tlaxcala; de Mactumactzá, Chiapas; Raúl Isidro Burgos, Ayatzinapa; 

Também, na Cidade do México, no dia 24 de maio, ocorreu uma manifestação denunciando a repressão contra o movimento normalista em Chiapas e Puebla, bem como em Oaxaca. Essa mobilização visou denunciar o governo federal pela sua conivência e silêncio cúmplice na repressão do movimento normalista. A ação foi dirigida por organizações como a Federação dos Estudantes Camponeses Socialistas do México, o Comité de Mães e Pais dos 43 estudantes de Ayotzinapa e outras.

Leia também: México: Povo se rebela e ataca prédios do velho Estado em aniversário de sequestro de 43 estudantes

Além disso, formou-se uma campanha que exige a libertação imediata e incondicional dos estudantes que permanecem na prisão. O Ministério Público do Estado se recusa a fornecer informações; a apresentação viva dos estudantes cujo paradeiro ainda é desconhecido, cujo número varia entre 160 e 250; que exige punição à polícia que perpetrou violência sexual contra as estudantes; que demanda o respeito e cumprimento da lista de exigências da base estudantil da Escola Normal Rural de Mactumatzá e, finalmente, o fim da repressão contra os Colégios de Formação de Professores Rurais e contra a Federação de Estudantes Camponeses Socialistas do México.

Tomaram parte dessa campanha os movimentos democrático-revolucionários mexicanos como o Coletivo Popular de Propaganda, o Movimento Estudantil Popular (MEP), as Brigadas Juvenis do Povo (BJP), o Movimento Feminino Popular (MFP-México) e Corrente do Povo-Sol Vermelho (CP-SV).

Pais exigem libertação imediata e incondicional dos estudantes detentos. Foto: Reprodução/ 24horasqroo.mx

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin