Apoio à LCP é visto em todo o país durante a manifestação nacional de 29 de maio

Faixa de apoio ao acampamento Manoel Ribeiro durante ato em Belo Horizonte, Minas Gerais. Foto: Banco de Dados AND

Durante todo o dia 29 de maio, último sábado, milhares de pessoas tomaram as ruas em repúdio ao governo militar genocida de Bolsonaro. Foram mais de 100 atos em todo o país. E em vários deles, ativistas de organizações populares prestaram ativamente a solidariedade à Liga dos Camponeses Pobres (LCP), bem como aos camponeses do Acampamento Manoel Ribeiro, que se retiraram transitoriamente da terra prometendo voltar “mais forte e mais preparado”.

No Rio de Janeiro, o bloco combativo e independente tinha uma grande exigindo: Liberdade imediata aos quatro camponeses presos de Rondônia! assinada pelo Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR). O ato percorreu as principais avenidas da cidade carioca e, ao final dele, na Cinelândia, ativistas fizeram uma fala que ecoou por toda praça defendendo a luta pela terra, denunciando os crimes do latifúndio, relembrando os heróis do povo brasileiro assassinados covardemente por pistoleiros (como o companheiro Renato Nathan) em uma manifestação contundente de apoio à Revolução Agrária.

Manifestantes do Rio prestaram apoio ao Acampamento Manoel Ribeiro. Foto: Banco de Dados AND

Ainda no Rio de Janeiro, no norte do estado também ocorreram manifestações. Membros do Grupo de Estudos ao Povo Brasileiro (GEAPB) esteve presente em uma delas e levaram cartazes em solidariedade à LCP.

No Norte do estado do Rio de Janeiro, manifestantes também prestaram apoio à LCP  e aos acampamentos Manoel Ribeiro e Tiago dos Santos. Foto: Banco de Dados AND

Em Minas Gerais, no ato da capital podia-se ver com destaque uma faixa vermelha com letras em amarelo Viva o Acampamento Manoel Ribeiro! Santa Elina é do povo! A faixa partia de um bloco de ativistas de organizações populares.

Já em Goiânia, ativistas distribuíram centenas de panfletos em que difundiam a solidariedade e o apoio ao Acampamento Manoel Ribeiro. Os ativistas organizaram um bloco no ato, a partir do qual ecoavam a denúncia do governo militar, faziam a defesa da luta popular combativa e a necessidade de se organizarem Comitês Populares de Defesa Sanitária.

Em Campinas, uma faixa em apoio aos camponeses do Acampamento também foi vista em meio a um bloco que rechaçava os cortes de verba na educação. 

No ato ocorrido em Recife, ativistas do Coletivo Mangue Vermelho (MV) fizeram agitações em denúncia dos crimes do latifúndio e em defesa da LCP. Panfletos também foram distribuídos.


Militantes do coletivo Mangue Vermelho denunciaram a prisão dos jovens camponeses do Acampamento Manoel Ribeiro, exigindo liberdade imediata. Foto: Banco de Dados AND

Em São Luís do Maranhão, cartazes em apoio à LCP eram vistos juntos às faixas que denunciavam o governo militar genocida. O ato contou com participação massiva do movimento Combate.

Em São Luís, manifestantes também levaram cartazes em apoio à LCP e contra o latifúndio. Foto: banco de Dados AND

Em Brasília, milhares de pessoas estiveram presentes em ato na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã do dia 29 de maio. Uma faixa em apoio à Liga dos Camponeses Pobres foi avistada no ato, com os dizeres: Bolsonaro/Generais: Basta de ameaças! Viva a LCP!

‘Nada irá parar a Revolução Agrária!’

Em Brasília, manifestantes levaram faixa contra o governo Bolsonaro/generais e em apoio à LCP. Foto: Banco de Dados AND

Em São Paulo, manifestantes exigiram a liberdade dos camponeses do acampamento Manoel Ribeiro presos em Rondônia. Foto: Banco de Dados AND

Em Rondônia, manifestantes exigiram a liberdade aos presos políticos do Acampamento Manoel Ribeiro. Foto: Banco de Dados AND

Como se vê, a solidariedade com a luta dos camponeses pobres tem sido ampla. Ativistas de todas as partes do país entenderam o recado deixado pela LCP de que nada irá barrar a luta pela terra e brigam por ampliar as atividades de apoio e de divulgação da luta pelo sagrado direito à terra a quem nela vive e trabalha.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin