Coreia do Sul: Pescadores e ativistas protestam contra despejo de água radioativa do Japão no mar Sul-Coreano

Um pescador sul-coreano em seu barco durante um protesto marítimo, parte dos protestos nacionais para exigir que o Japão retire sua decisão de liberar água contaminada de sua usina nuclear Fukushima no mar, no mar ao longo de Incheon, Coreia do Sul. Foto: Kim Hong-Ji

Ao final do mês de abril, centenas de pescadores sul-coreanos e ativistas realizaram protestos contra a decisão unilateral do Japão imperialista de despejar um bilhão de litros de água contaminada de Fukushima no mar da Coreia do Sul, declarada no dia 13/04. Entre os protestos, ativistas e estudantes acamparam em frente à embaixada japonesa, exigindo a retirada da decisão.

No dia 30/04, cerca de 800 pescadores participaram de protestos em nove cidades. Em um porto em Gungpyeong, na costa oeste, os pescadores levantaram bandeiras anti-Japão e entoaram palavras de ordem como Japão, retire a sua decisão! e Condenar o ataque nuclear irresponsável!. Vinte barcos de pesca com bandeiras denunciando a decisão do Japão navegaram perto do porto.

Ativistas e estudantes acamparam em frente à embaixada japonesa, realizando protestos.

"Meu pai me legou este mar e vou passá-lo para meu filho, que também pesca", disse Park Re-seung, chefe da aldeia pesqueira Yongdu-ri, que trabalha na indústria pesqueira há 38 anos

"Para nós, esta questão é sobre como ganhar a vida", acrescentou Park. "Se os clientes vissem a notícia da liberação da água, não estariam nem mesmo comprando peixes que pescamos aqui".

 Em 19 de abril de 2021, foram realizados comícios por pescadores em duas cidades costeiras das cidades costeiras da Coréia do Sul. 

Em Yeosu, uma frota de mais de 150 barcos de pesca navegou ao redor de ilhas próximas à cidade. O Japão disse que não haverá nenhum impacto negativo na saúde humana ou no meio ambiente pela liberação da água, que foi usada para resfriar o reator danificado durante os 10 anos desde que um grande terremoto e tsunami provocaram um triplo derretimento na usina. Mas a decisão de Tóquio também atraiu protestos de pescadores locais e levantou preocupações de áreas vizinhas no Japão. Os planos exigem que a descarga de água comece em cerca de dois anos.

Uma estudante universitária da Coréia do Sul raspa a cabeça (forma cultural de protesto entre as mulheres sul-coreanas) durante uma manifestação em frente à embaixada japonesa contra a decisão do Japão de liberar água contaminada de Fukushima no mar. Foto: Kim Hong-ji

Japão chama a água contaminada de ‘tratada’, cientistas discordam

A água contaminada pelo desastre com a usina nuclear de Fukushima, de acordo com o Japão, está “tratada”. A água está atualmente armazenada em tanques ao redor da usina e a TEPCO, a empresa que administra a usina, diz que ela está ficando sem espaço.

O plano anunciado pelos japoneses alegava que a melhor maneira de lidar com a água é liberá-la lentamente no Oceano Pacífico ao longo de um período de 30 anos. Para remover substâncias radioativas nocivas da água, a TEPCO a tratou, utilizando o Sistema Avançado de Processamento de Líquidos, ALPS.

A TEPCO admitiu em 2018 que o sistema ALPS não tinha conseguido limpar adequadamente a água dos perigosos radionuclídeos causadores de câncer, e os ambientalistas argumentam que a descarga planejada, dada sua escala, acarreta riscos enormes e sem precedentes que exigem mais estudos.

"Como isto afeta a cadeia alimentar, como isto afeta a saúde humana, isto não está nada claro", disse Marcos Orellana, o Relator Especial das Nações Unidas sobre as implicações para os direitos humanos da gestão e eliminação ambientalmente correta de substâncias e resíduos perigosos e um professor de direito ambiental internacional, ao monopólio de imprensa Al Jazeera.

O Japão disse que o processo de descarga será monitorado pela Agência Internacional de Energia Atômica, a AIEA, que endossou o plano de Tóquio.

Entretanto, a AIEA não é vista como um "órgão técnico neutro" que ela afirma ser.

"A AIEA tem um mandato para acelerar e ampliar a energia atômica pacífica", disse Orellana. "Por que a AIEA, no mesmo dia em que o Japão anunciou sua decisão de descarregar a água contaminada ... viria a público em apoio ao Japão", questionou ele.

Cientistas argumentam que o Japão poderia simplesmente obter mais terra nas proximidades para armazenar a água até que um processo de limpeza a um nível seguro possa ser empregado.

Também é sugerido que não estão sendo buscadas alternativas por uma razão simples: dinheiro.

Segundo a ONG imperialista Greenpeace, as substâncias mais perigosas na água, Strontium e Carbon 14 - com duração de 30 e 5.730 anos - permanecerão nas águas residuais mesmo após o tratamento pela ALPS.

O Tritium, que é ainda mais difícil de remover da água, é ainda menos compreendido em termos de sua ameaça ambiental, pois se liga à vegetação oceânica e pode então entrar mais facilmente na cadeia alimentar, de acordo com orelatório: “Impedindo a maré 2020: A realidade da crise da água radioativa de Fukushima”.

O autor do relatório, Shaun Burnie, argumenta que o tratamento ALPS e a descarga oceânica foram escolhidos em detrimento de alternativas mais viáveis porque custam menos.

O Estados Unidos (USA), já sob o governo de Biden, se manifestou em apoio ao plano do Japão e o governo de turno da Coreia do Sul, sendo o país uma semicolônia dos ianques, cumpri-lo-á.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin