Mais de 400 mil famílias esperam na fila para receber auxílio em plena pandemia

Milhares de famílias não se encontram nem no programa Bolsa Família e nem no auxílio emergencial. Foto: Reprodução/Luis Alvarenga

Em plena pandemia, o governo militar genocida de Bolsonaro e generais mantém 423 mil famílias sem Bolsa Família e sem o auxílio emergencial. Os dados oficiais do próprio governo indicam que o recurso está sobrando. Uma pesquisa apontou, ainda, que a exclusão digital foi uma das causas para que famílias pobres não recebessem o benefício.

As famílias que entraram na fila especificamente para o programa Bolsa Família precisam, pelas regras do programa, passar por um processo de análise. O procedimento é usado pelo governo para confirmar que essas pessoas estão abaixo da linha de pobreza e extrema pobreza (as duas categorias previstas no programa Bolsa Família). 

Porém, durante meses à fio, milhares de brasileiros ficaram à míngua, sem emprego e sem renda.

No mês de março, cerca de 1,2 milhão de cadastros já aprovados aguardavam para receber as parcelas referentes ao programa Bolsa Família. A partir de abril (mês que o governo voltou a pagar o “auxílio emergencial”, mas com valor reduzido), 763 mil famílias estavam recebendo o auxílio emergencial. O que indica que 423 mil famílias não receberam renda alguma, nem do programa Bolsa Família, nem do auxílio emergencial.

Auxílio voltou a ser pago após muita enrolação

Após passado um período sem nenhuma parcela do auxílio ser paga, o governo anunciou que iria dar prosseguimento em março, com a assinatura de uma Medida Provisória (MP) que possibilitou a ampliação do programa, com algumas mudanças. Entre elas, a diminuição do valor pago. Se no ano de 2020 o auxílio emergencial pagava seis parcelas de R$ 600,00 e três de R$ 300,00, o “novo” auxílio emergencial de 2021 pagou quatro parcelas de R$ 250,00

A prioridade do governo em focar no auxílio emergencial, e não em outros programas que já existiam, se explica, entre outros motivos, no fato de que o auxílio foi pensado para ser programa temporário e com muito mais recursos do que o Bolsa Família.

Ainda assim, não houve qualquer medida que colocasse fim ao programa - por mais que o presidente fascista Bolsonaro, em discursos demagógicos, tivesse falado repetidas vezes que estaria pensando em um programa substitutivo do Bolsa Família.

Sobrou dinheiro para o auxílio emergencial

O auxílio emergencial de 2021 foi planejado para atender 45,6 milhões de famílias. Porém em abril, mês em que foi pago a primeira parcela, menos de 40 milhões de famílias foram beneficiadas. A economia feita pelo governo genocida no período foi de mais de R$ 2 bilhões: o montante disponível estava em R$ 11 bilhões, tendo sido gastos R$ 8,9 bi.

Somente a título de comparação, a dívida pública representa incríveis 53,92% do Orçamento de 2021, custo aos cofres da Nação cerca de R$ 2,198 trilhões. Valor quase sete vezes maior do que os R$ 321,8 bilhões destinados ao auxílio emergencial em todo ano de 2020.

Falta de celular contribuiu para exclusão do auxílio emergencial

O Centro de Estudos de Microfinanças e Inclusão Financeira da Fundação Getúlio Vargas (FGV) realizou um estudo que traz como conclusão que a exclusão digital contribuiu para excluir famílias mais pobres ao auxílio emergencial durante a pandemia. 

Em sua divisão por categorias (que vai de A até E, correspondendo com a renda mensal gradualmente menor), a pesquisa descobriu que 20% dos entrevistados das classes D e E que tentaram e não conseguiram auxílio do governo apontaram como razão a falta de celular.

Já em abril, o governo priorizou somente o auxílio emergencial, programa que tinha, então, acabado de ser recriado. O auxílio emergencial teve início ainda no ano de 2020, tendo sido encerrado no início deste ano.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin