Poema: "De repente Palestina", de Rui Oliveira

Aos camponeses em luta pelo seu sagrado direito à terra.

“Avança,  fraqueza do governo!”

Na noite escura se ouvia

Em 1896

Era brado camponês

Da Canudos que surgia

-

É história que se escreve

Com sangue, suor e chumbo

Para conquistar a terra

E destruir o latifúndio

-

Do agreste Belo Monte 

Vieram grandes lições

Pajeú e seus guerreiros

Levantaram os Sertões

Derrotaram com denodo

Três grandes expedições

-

Hoje é a bandeira da Liga

Que se espalha pelo campo

Não está aqui, nem ali

Ela está em todo o canto

O povo se anima, se agita

A reação padece de insônia

Desde a margem do Vaza-Barrís

Até os confins de Rondônia

-

Latifúndio secular

Esta é sua sina

Causar distúrbios, fracassar

Até a sua ruína

Se Canudos demonstrou, do valor do camponês

Prova maior vem se dando, nas terras da Santa Elina

-

As forças do velho Estado

Tomadas de desespero

Cercaram e atacaram 

O Manoel Ribeiro

Prenderam, ameaçaram

Se puseram em pé de guerra

Contra o povo camponês

Em sua luta pela terra

-

A polícia que trabalhava 

(E toda gente sabia)

Como guaxeba de farda

Quis fazer provocação 

Em plena luz do dia

-

Mas o povo preparado

Unido e organizado

Respondeu como podia

Mostrando como a fagulha

Incendeia a pradaria

-

Recua Batalhão, aqui não tem ladrão!

Corre-corre seu fracote, ruim de mira, pistola fraca!

O povo se pôs de pé

E a polícia de marcha ré

Se pôs em debandada

-

“Avança fraqueza do governo!”

O fantasma reencarnou

E um novo grito ecoou

Dessa vez em Santa Elina

Vem na mão, ‘seu polícia’ 

“Vem pra Palestina!”

-

Rompe cerco na madrugada

Rompe cerca que a terra é nossa

Rompe a aurora no horizonte

Rompe ainda ‘que a coisa engrossa’

Latifúndio, disse o poeta:

Preparai vossa mortalha

Pois ao Norte já vem rompendo

A Revolução Agrária

-

Essa história está sendo escrita

Lá no Manoel Ribeiro

E terá muitos capítulos

Não é o último, nem foi primeiro

O povo quer terra, não teme a morte

E vai retornar mais forte

Certeza, triunfará

No combate derradeiro

Foto: Banco de Dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin