Nem coachs amargurados, nem “fracassados” adaptados

Nota da redação: Publicamos texto enviado por leitor fazendo crítica à implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como parte da "Reforma" do Ensino Médio por parte do governo militar genocida de Bolsonaro e das gerências estaduais.

Um grito em defesa da escola pública

Em meio à pandemia de Covid-19 correm para promover o desmonte da Escola Pública proposto ainda no governo Dilma-PT e imposto por Medida Provisória na gerência Temer. Sem alterar nada na realidade de subfinanciamento da Educação, mantendo as escolas deterioradas, os baixos salários e carência de trabalhadores em educação, propõem: 1) a redução do currículo científico - o que se aplicará quase exclusivamente aos alunos das escolas públicas; 2) a banalização da modalidade à distância, excludente e deficitária, rumo a desescolarização; 3) a expansão das parcerias público-privadas - privatização; 4) converter os professores em tutores/orientadores generalistas; 5) reduzir tempos e até mesmo suprimir disciplinas fundamentais à formação dos estudantes; 6) criar disciplinas de caráter duvidoso, tais como “Projeto de Vida”, cuja finalidade é, centrando no indivíduo, empurrar uma espécie de “manual de conduta” pautado em “habilidades e competências” - princípios liberais perversos e anticientíficos (resiliência, empreendedorismo etc.) - que formam para aceitação e adaptação à realidade de miséria posta nessa semicolônia chamada Brasil. Toda camisa de força costurada pelo oportunismo a frente dos principais sindicatos e entidades estudantis do país não será capaz de impedir em cada escola, nossas trincheiras de combate, a resistência para revogar mais esse crime contra o povo!

As trombetas soaram anunciando a chegada da nova escola, afinal de contas “é preciso se adequar às mudanças do mundo”. Quem? Quais? Ainda se ouvem as interrogações quase sussurradas. Eles contam com o “silêncio das línguas cansadas” para tornar o absurdo palatável. Mas mesmo com o paladar comprometido pela praga que avança e nos leva aos milhares, esse gosto podre não nos escapa. Os arquitetos do projeto são seres de fé, sem dúvida, creem piamente na escravidão, tão rentável; em cada bilhão que lhe rende. Amam incondicionalmente a crise, tão cheia de “oportunidades” para meia dúzia. O que lhes falta? Nosso consentimento; que compartilhemos de seu obscurantismo de mercado. É mesmo isso? Sim, nós sabemos: o “empreendedorismo” é o terraplanismo dos barões da educação. Eles creem piamente na servidão e a verdade é tinhosa, não para nas mãos dos injustos. Falta-lhes nosso consentimento, resta-lhes a mentira. São fracos, apesar de grandes, por isso desejam que amemos a crise como eles amam, mas como? Estamos do lado da meia dúzia de bilhões de escorraçados, nós odiamos a crise, não saiu de nosso ventre, mas a carregamos nas costas. Nós pagamos caro pelo que produzimos, eles usufruem gratuitamente do nosso sangue. Por trás do seu espetáculo terminológico mora a negação. Expulsam a ciência pela porta dos fundos e nos distraem ao pintar na fachada da escola: “resiliência”. Acostumar-se com o sofrimento é se aconchegar na barbárie, não espere isso de nós, não namoraremos sua nomenclatura bandida. Nós queremos conhecimento, não o seu “manual de conduta” fantasiado de novidade. Cate e descarte cada habilidade que nos reserva, nossa maior competência é rejeitar seu projeto de vida. Leia-se: seu plano de miséria para nossas vidas. Pense: uma casa destruída! Eles propõem o inviável, reforma-la sem gastos. Leia-se: demoli-la. Querem nos fazer engolir o sabor oculto. São dezenas de componentes em seus livros de “boas maneiras” que cintilam como ouro para esconder a única fórmula ali existente: fracasse e culpe-se! Não seremos tutores do que esperam ser um exército de “fracassados” adaptados. Ouçam-nos bem, estamos vivos!

Em 2016, milhares de estudantes ocuparam escolas em defesa da educação pública. Foto: Reprodução/Victor Prat

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin