Caldeirão de Santa Cruz do Deserto: os crimes que o velho Estado insiste em negar 

Beato José Lourenço foi religioso e líder camponês no episódio conhecido como Caldeirão de Santa Cruz. Foto: Reprodução/Ilustração de Reginaldo Farias

O Caldeirão do Beato Zé Lourenço ou Caldeirão de Santa Cruz do Deserto é um dos acontecimentos históricos mais apagados e ignorados do nosso país, talvez porque não houve um Euclides da Cunha para registrar a resistência daquele povo e a história do Beato; ou talvez porque o regime fascista de Vargas foi extremamente eficiente em esconder as atrocidades que cometeu, a exemplo dos campos de concentração no Ceará já tratado em AND

Leia também: Lá era pra matar judeu, aqui o povo do sertão: A história dos campos de concentração no Ceará

De uma forma ou de outra, é necessário estudar e denunciar o que aconteceu no Caldeirão. Vivemos em um país sentenciado mais de uma vez por crimes em cortes internacionais; um país que ignorou todas essas sentenças. É necessário compreender quais esses crimes, porque um dia o povo brasileiro há de cobrá-los, como cantou Geraldo Vandré em Aroeira. 

O BEATO E O ‘BOI SANTO’ 

O Beato José Lourenço, nascido em Pilões de Dentro, Paraíba, era um trabalhador da terra, um arrendatário. De origem camponesa, ele se tornou - como muitos de sua classe e da sua região - romeiro do Padre Cícero Romão Batista e migrou para o Crato onde se fixou no sítio Baixa Dantas, por volta de 1900 ou 1890 (1)

A primeira polêmica envolvendo Zé Lourenço ocorre antes do Caldeirão, ainda no sítio onde havia se fixado. O caso se deu quando o Padre Cícero lhe confiou um bonito garrote, mestiço de zebu (2) dado por Delmiro Gouveia, pois não tinha ainda capacidade de criá-lo na cidade. O boi foi nomeado Mansinho e era tratado com bastante carinho por todos os moradores de Baixa Dantas. Porém pessoas influentes passaram a denunciar que o boi havia se tornado motivo de culto, santidade entre os sertanejos: quando a denúncia chegou aos ouvidos de Floro Bartolomeu ele pegou o boi e esquartejou o animal em praça pública. 

À partir daí os relatos são diversos, uns dizem que de fato havia culto ao boi, que os sertanejos faziam remédios com os dejetos do boi e bebiam sua urina; outros dizem que não e que essa era uma inverdade. Fato é que, havendo ou não esse culto ao boi, a preocupação de Floro nunca foi essa. A verdade não interessava aos donos do poder queriam pôr fim ao Beato e ao “fanatismo” que fazia com que os sertanejos que outrora eram seus servos nas fazendas se rebelassem de alguma forma, se organizassem de alguma forma contra o seu domínio, em comunidades como o sítio Baixa Dantas 

Após a morte de Mansinho, José Lourenço foi preso e as versões novamente variam: uns dizem que durante sua prisão ele não comia nem bebia absolutamente nada, outros dizem que ele foi obrigado durante o cárcere a comer a carne do Boi ‘Santo’; o que se sabe com certeza é que o Beato ficou preso por 17 dias e isso só alimentou o gosto do povo por ele, já que ele não havia sido preso por ser devoto de nenhum “Boi Santo”, sendo este o pretexto, mas sim foi preso por reunir sertanejos em torno de algo que não a servidão. No 16º dia de prisão, ele foi solto por ordens do Padre Cícero, mas o episódio que de fato faria Lourenço entrar para a história aconteceu quando já não havia nem mais Floro, nem mais Padre Cícero. 

O CALDEIRÃO DE SANTA CRUZ NO DESERTO 

Em 1922 o coronel João de Brito, dono das terras onde o Beato e seus seguidores moravam, vendeu as terras e o novo proprietário mandou expulsá-los de lá, já em 1926 o Padre Cícero deu o seu sítio Caldeirão localizado na Serra do Araripe para que o Beato e seus seguidores pudessem morar, os que acompanhavam José Lourenço eram todos camponeses como ele um dia fora e em pouco tempo transformaram o Caldeirão em uma terra bastante produtiva. 

Em 1932 durante à seca que assolou o sertão do Ceará nenhuma pessoa no Caldeirão morreu de fome, os flagelados que escapavam ou por sorte não eram postos nos campos de concentração iam para o Caldeirão onde viam água da qual podiam beber e muita fartura da qual podiam se alimentar, obviamente aquilo não foi visto com bons olhos pelos latifundiários, o Caldeirão não pagava arrendo, lá não tinha foro, cambão, meação nem nenhum desses regimes feudais da terra, tudo ali era de todos, semelhante à uma comuna onde todos ajudavam na roça e acumulavam à comida em um armazém comum, e isso passou a dificultar para os grandes fazendeiros a mão de obra barata em seus latifúndios, para quem leu sobre Canudos esse cenário parece bem semelhante, como assinalou Rui Facó 

“Além disso, o pesadelo de Canudos persistia na mente das zelosas autoridades, mesmo depois de 1930, quando o latifúndio teve parcialmente cercado o seu poder político. Os latifundiários submetiam-se a uma aliança, desigual para eles, mas com a condição de que a burguesia os ajudasse na defesa de seus domínios” 

Havia um verdadeiro pavor que uma “Nova Canudos” aparecesse, então a ordem - principalmente após a morte do Padre Cícero em 1934, que defendia o Caldeirão de receber grandes ataques - era que fosse destruída como a primeira, outra vez: “Não deixar nem um pau". Lembrando que com a perseguição ferrenha aos comunistas durante a ditadura Vargas o anticomunismo era a desculpa para quaisquer atrocidades, e foi com essa entre outras desculpas que o Caldeirão foi invadido. 

“O discurso dominante disseminado seja pela elite “sagrada”, igreja, ou pela elite “profana”, políticos e latifundiários, implantaram na sociedade o perigo do Caldeirão, habitado por pessoas inescrupulosas, aliadas do comunismo soviético, fanáticos nas suas expressões religiosas e desregramento sexual, vivendo o beato em concubinato com as moças do Caldeirão. Convencida do perigo, logo o Estado teria o apoio moral para acabar com a vida comunitária.” (3)

Disfarçando-se de negociante, o capitão José Bezerra foi ao Caldeirão fazer um reconhecimento da área e no mês de setembro de 1936 (4) foi desatada a primeira expedição para destruí-lo. Ao contrário de Canudos, de início, o povo ali não resistiu através da luta armada, mas negaram toda e qualquer passagem oferecida pelo governo para que voltassem às suas terras, quando o capitão do Exército e futuro prefeito de Fortaleza, Cordeiro Neto, disse para pegarem seus haveres e saírem dali; os "fanáticos", seguidores do Beato, lhe responderam que não tinham ali haveres, tudo era de todos. 

A ordem foi dada, o fogo irrompeu e foram queimadas as casas, as plantações e o povo do Caldeirão foi colocado para fora de sua terra. Surgiram então duas tendências entre os que após o ataque não voltaram para suas casas: o Beato Severino Tavares queria resistir à mão armada, já o Beato José Lourenço queria apenas continuar ali na chamada Mata dos Cavalos (à época Baixa do Maracujá) onde se refugiaram e buscava evitar quaisquer confrontos com a polícia. O que aconteceu foi que a polícia logo desatou novos ataques contra os camponeses de Caldeirão, o Beato Severino Tavares e seus seguidores reagiram e, no dia 10 de maio de 1937, um contingente pequeno de alguns soldados sob o comando de José Bezerra foram emboscados e uma grande parte mortos - incluindo o próprio Bezerra, o qual os habitantes de Caldeirão passaram a odiar pelo seu papel de espião - a golpes de punhal, cacetes e materiais de trabalho dos camponeses. 

A retaliação veio com aviões e um contingente absurdo de soldados para uma massa de camponeses desarmados e com apenas a disposição para resistir. Foram assassinados cerca de 400 camponeses neste ataque covarde do Exército reacionário brasileiro contra os remanescentes do Caldeirão. Houve bombardeios aéreos e rajadas de metralhadoras. Logo após isso o Beato José Lourenço e algumas famílias fugiram para Pernambuco e o Beato Severino Tavares e os dispostos a resistir foram para a comunidade denominada Pau de Colher.

Em 1938 Pau de Colher é exterminada com outro ataque brutal do Exército. Dessa vez Severino e as centenas de famílias que lhe acompanhavam resistiram até o último homem de armas na mão; o número de mortos foi superior a 400. 

CONCLUSÃO 

O que aconteceu no Caldeirão e em Pau de Colher foi mais um crime brutal que o Estado Brasileiro cometeu contra camponeses. Esse histórico de massacres contra camponeses não parou em 1930 com o extermínio de Pau de Colher. 

O motivo que os camponeses do Caldeirão e Pau de Colher resistiram existem até hoje, e aos que acham loucura a luta do camponês, principalmente do camponês nortista e nordestino pela terra e contra o latifúndio, lembre-se do que disse Josué de Castro: “É que nenhum povo do mundo se mostra tão enraizado à terra, mais profundamente ligado à seu solo natal do que o povo do nordeste. Este desadorado amor à terra que sempre lhe fez sofrer faz com que o homem do nordeste a defenda sempre, até o extremo limite de suas forças”. (5) 


Notas:

1- Floro Bartolomeu diz em seu depoimento que o Beato apareceu por volta de 1900 no Juazeiro, mas outros relatos dizem que ele já estava lá desde 1890, como as coisas na vida do beato antes do Caldeirão e do Boi “Mansinho” não são tão claras, preferi registrar dessa forma.

2- Extraído do livro Juazeiro do Padre Cícero –Depoimento para a história de autoria de Floro Bartolomeu 

3- A Epopéia do Mansinho: o boi santo do Caldeirão (Crato-CE) - Autora: Antônia Lucivânia da Silva / Coautora: Marilyn Ferreira Machado. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/35/1400183093_ARQUIVO_ARTIGOAEPOPEIADEMANSINHO.pdf

4- Novamente as datas se confundem pois alguns pesquisadores como Rui Facó afirmam que a expedição ocorreu em 9 de novembro, já outros pesquisadores afirmam que se deu no dia 10 de setembro, e outros ainda dizem que ocorreu no dia 11 de setembro. 

5- Sete Palmos de Terra e um Caixão - Josué de Castro

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin