RJ: Ambulantes resistem a ação truculenta da Guarda Municipal

Ambulantes enfrentam repressão da Guarda Municipal, no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução

No dia 24 de junho, ambulantes enfrentaram a Guarda Municipal e resistiram à absurda operação que queria apreender suas mercadorias. A mando do prefeito Eduardo Paes, os guardas tentaram destruir as barracas e roubar as mercadorias dos trabalhadores. O incidente ocorreu na avenida Brás de Pina, no bairro da Penha, zona norte do Rio.

Vídeos mostram os agentes disparando bombas de gás lacrimogêneo e sprays de pimenta contra os trabalhadores. Para impedir que suas mercadorias fossem levadas, os ambulantes revidaram lançando pedras e outros objetos.

A ação aconteceu como parte do plano da prefeitura de “ordenamento urbano”. Antes do início da operação, a Guarda Municipal anunciou que o Grupamento Tático Móvel iria atuar em missões de tal tipo na Penha e no Centro. 

Os agentes chegaram ao local com um caminhão da prefeitura para remover as barracas localizadas em frente ao supermercado Guanabara. Porém se depararam com a justa revolta dos trabalhadores ambulantes.

Eduardo Paes: inimigo dos ambulantes

O atual prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, ficou conhecido por usar amplamente a tática denominada “rapa”, para reprimir os camelôs, durante os oito anos (2009 a 2017) em que governou a cidade.

O “rapa”, é o nome dado pela população carioca aos carros da prefeitura que vão até as feiras livres com o objetivo de apreender mercadorias para obrigar os trabalhadores a pagarem altas multas para receberem de volta o material. As operações tem apoio da Guarda Municipal e da Polícia Militar, que agem com truculência agredindo os camelôs e roubando suas mercadorias.

As mercadorias apreendidas pela Guarda Municipal deveriam ser levadas para um dos depósitos da prefeitura, para que, posteriormente, os trabalhadores pudessem reavê-las. Isso, por si só, já constitui um cerceamento criminoso do direito ao trabalho e à sobrevivência dos vendedores ambulantes, sobretudo quando tal fato ocorre em meio à uma pandemia e à grave crise de desemprego que assola todo o povo. 

Porém, o que de fato ocorre é que as mercadorias na maioria das vezes são apreendidas ilegalmente pois as apreensões não são feitas na presença de um fiscal e nem tem qualquer notificação legal. As mercadorias (mesmo as apreendidas de maneira “legal”) nem chegam a ir para os referidos depósitos da prefeitura. No trajeto entre o ponto da recolha do material até os galpões de armazenagem, os produtos simplesmente desaparecem, ficando os camelôs com todo o prejuízo.

Com a pandemia, ainda mais do que em qualquer outro momento, os trabalhadores dependem das suas vendas diárias para sobreviver e alimentar suas famílias. E essa parcela da população foi seriamente afetada pelas medidas restritivas adotadas pelos governos municipais e estaduais. É também esse grupo de onde saem as principais vítimas do genocídio planificado do governo de Bolsonaro e seus generais com a negligência planificada. 

Leia também: Trabalhadores brasileiros sofrem maior exploração e mortandade na pandemia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin