Colômbia: Aos dois meses de rebelião, massas derrubam estátua de Cristóvão Colombo

Juventude protesta ininterruptamente contra a miséria por dois meses na Colômbia. Foto: Frederico Rios.

A rebelião das massas colombianas completou dois meses no dia 28 de junho, e foi comemorada com mais manifestações combativas. Em rechaço à repressão do velho Estado às manifestações populares, que deixou oficialmente 70 vítimas fatais e centenas de feridos, os manifestantes atacaram quatro delegacias de polícia e duas estátuas de colonizadores também foram destruídas.

Estátua de Cristóvão Colombo é derrubada e decepada

Manifestantes derrubam estátua de Cristóvão Colombo em Barranquilla.

Na cidade de Barranquilla, manifestantes amarraram diversas cordas em torno da estátua do colonizador espanhol Cristóvão Colombo, derrubando-a e decepando sua cabeça e mãos. As massas, carregando bandeiras Whipala, de origem andina, gritavam Colombo Assassino! 

Com a estátua já caída ao chão, os manifestantes escreveram com tinta spray na sua base frases como "pelos nossos mortos", e cortaram-lhe a cabeça e as mãos.

Essa não é a primeira estátua de um reacionário atacada pelos manifestantes nos protestos que têm tomado o país nos últimos dois meses. Anteriormente, as estatuas dos colonizadores Gonzalo Jiménez de Quesada em Bogotá e Sebastián de Belalcázar em Cali também foram.

Mesmo em Bogotá, as estátuas de bronze de Isabel a Católica e Cristóvão Colombo, localizadas perto do Aeroporto Internacional de El Dorado, foram removidas após tentativas dos povos indígenas Misak de as destruir.

Povo continua a se rebelar contra o Estado policial e a miséria

O general Jorge Luis Vargas Valencia, diretor da polícia colombiana, relatou que o Esquadrão Móvel Antimotim, sigla Esmad, teve que intervir mais de 20 vezes em diferentes cidades do país, devido à massividade e combatividade dos protestos.

Além disso, em resposta à brutal repressão policial contra as massas em luta, delegacias em Medellín, bem como em Madrid, Cundinamarca e Pereira foram atacadas pelo povo.

Contra o velho Estado colombiano e os monopólios do transporte “público” e suas taxas abusivas de passagem, 13 ônibus foram atacados, 11 na cidade de Pasto, um em Bogotá e um em Pereira.

Os manifestantes protestam, principalmente, contra a miséria que assola o povo colombiano. Nesta crise do capitalismo burocrático em particular, e crise geral do imperialismo no mundo todo, que teve sua explosão com a crise sanitária do coronavírus desde 2019, a pobreza na Colômbia aumentou de 37% para 42% da população.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin