Campanha exige a liberdade imediata para Matheus Machado, ativista preso em São Paulo

Manifestação em frente a delegacia exigiu a liberdade imediata de Matheus. Foto: Reprodução

No dia 03 de julho, durante a manifestação contra o governo militar genocida de Bolsonaro e generais ocorrido em São Paulo (SP), o ativista Matheus Machado Xavier e outros três manifestantes foram presos pela Polícia Militar (PM) de São Paulo. Um dos presos foi agredido covardemente pela polícia antes de ser detido. Sem qualquer prova do cometimento de crimes, todos foram libertados, com exceção de Matheus que segue preso sob a falsa alegação de “lesão corporal e furto de capacete do segurança do metrô”.

A prisão segue apesar de vídeos demonstrando que o capacete do policial caiu durante a manifestação (não tendo sido “furtado”). No momento da queda do segurança, o ativista Matheus estava em outro ponto do protesto. Posteriormente, o capacete foi encontrado por outros manifestantes e não roubado, como alega a acusação.

Matheus foi preso quando voltava para casa após ser seguido e agredido por um policial do serviço reservado (conhecido como “P2”) da PM de João Dória, que o acusou de agressão e furto. A partir da prisão, foi incorporada a falsa acusação de roubo e agressão. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou que recebeu relatos de policiais infiltrados. As denúncias apontam também que os policiais tiraram fotos dos rostos dos presentes e prenderam durante a dispersão do ato.

Leia também: Abin intensifica monitoramento aos atos contra o governo militar

Após a prisão, Matheus foi levado para o Centro de Detenção Provisória Belém (SP) e segue preso até então. 

Diversas ações foram feitas exigindo sua liberdade. Uma manifestação ocorreu na manhã de segunda-feira, 05/07 exigindo a liberdade imediata de Matheus. O ato ocorreu em frente ao 77º distrito policial de Santa Cecília.

No dia 06/07 foi feito o pedido do Habeas Corpus de Matheus. Contudo, não há previsão do resultado. 

#LibertemMatheus

Matheus é preso político do governo militar de Bolsonaro e generais. Sua prisão e a acusação falsa de agressão e furto foram feitas após um amplo crescimento do protesto popular. As massas têm elevado sua denúncia e demonstrado seu repúdio ao genocídio planificado. As manifestações tomaram as ruas de mais de 320 cidades do país e também no exterior.

Toda essa situação obriga os reacionários (entre eles os agentes do velho Estado brasileiro, como os governos federal e estaduais, como o de SP, e também os órgãos de inteligência) a intensificar a sua criminalização ao justo protesto popular, que, apesar disso, cresce a cada dia. Colocando Matheus como “trófeu”, as forças de repressão falharão em seu objetivo de intimidar.

A ampla campanha de apoio que vem recebendo Matheus é comprovação disso. Imediatamente após a arbitrária prisão, diversos trabalhadores, estudantes, ativistas, personalidades democráticas e organizações populares prestaram sua solidariedade ao ativista e também exigindo sua imediata liberdade.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin