Editorial semanal - Uma demarcação necessária

 

Manifestação ocorrida no Rio de Janeiro no dia 19 de junho. Foto: Banco de Dados AND

As últimas semanas marcam uma inflexão no processo político – já prevista e analisada em editoriais anteriores – com Bolsonaro acuado pela avalanche de denúncias contra o seu governo e a ameaça do impeachment a pairar permanentemente sobre sua cabeça. A oposição burguesa-latifundiária da direita tradicional instalada na CPI, liderada por figuras “ilibadas” como Renan Calheiros, recrudesce sua investida para remover a extrema-direita, a fim de salvaguardar a mesma ordem reacionária que ambas defendem. Chega a ser espantoso ver figuras centrais no processo de ataques e supressão dos direitos sociais e democráticos nas últimas décadas, posando agora de defensoras da ciência e da saúde. Note-se, aliás, que os “esquemas” da família Bolsonaro iam das “rachadinhas” com verba de gabinete até a associação com as ditas milícias para aparelhar os hospitais federais do Rio. Já o potente “centrão” – sempre governista, qualquer que seja o governo – abocanhou 6 bilhões de reais em emendas e tramou, ao que tudo indica, um mega-esquema de desvios na negociação de vacinas, capitaneado pelo líder do governo na Câmara, Ricardo Barros. Filiado ao PP (sempre ele), Barros já foi líder do governo FHC, vice-líder de Lula e de Dilma e Ministro da Saúde de Michel Temer. Dos dois lados do balcão – seja no governo, seja na oposição – encontram-se arrivistas profissionais com trajetória idêntica.

Este é o retrato do Congresso Nacional, inimigo acérrimo do povo brasileiro, presidido por notórios bandidos e pela majoritária bancada ruralista. E é para lá que apontam os oportunistas, que pretendem fazer das manifestações de rua mero apêndice daquela instituição apodrecida. Na verdade, o próprio fato de os monopólios de imprensa, ao lado de “Suas Excelências”, destacarem o tema “corrupção” como mal principal num contexto em que 520 mil brasileiros são mortos na pandemia da Covid-19 pela sabotagem do governo tanto às medidas sanitárias quanto à aquisição das vacinas necessárias, e outros 14 milhões estão oficialmente desempregados (dado subestimado, uma vez que não abrange os informais e os desalentados), indica que sua preocupação não é com os interesses das massas, mas com seus próprios projetos de poder e eleitorais. Ao povo, como sempre, está reservado o papel de coadjuvante, até que sobrevenha outra eleição e novas frustrações. Situação, aliás, compatível com nosso passado latifundiário e feudal-escravocrata, em que o direito ao patrimônio dos “senhores” sempre precedeu e se sobrepôs ao direito à vida das massas de despossuídos.

Para o deleite da Globo – esta monstruosa máquina de alienação política e massificação cultural reacionária do povo brasileiro –, que até então vinha boicotando as manifestações combativas, desinformando e mentindo sobre as ações das verdadeiras forças populares-democráticas, pôde desta feita fazer badalação de uma manifestação mais parecida a corso carnavalesco pelo impeachment de Bolsonaro, tudo para alcançar, em coro com o que prometeu Boulos – este candidato a sucessor do pelego-mor: posse de Mourão na presidência.

Seria um grave erro permitir que as legítimas manifestações de massas sejam sequestradas por oportunistas que, até ontem, desde a internet, acusavam de disseminadores do vírus quem não parou de lutar, que em nome de uma “frente ampla antifascista” praticam, de fato, a mais desavergonhada conciliação de classes. Nada têm em comum as massas com os Dória, os Kim Kataguri, as Joice Hasselman, nem com os mercadores de ilusões que chamam àqueles – e também a Renan Calheiros, Jader Barbalho, José Sarney, bem mais perigosos, aliás – de “companheiros”. Na verdade, marchar ao lado de figuras e instituições desprezadas pelas massas, o que se comprova pelos sucessivos recordes de abstenções e votos brancos e nulos a cada eleição, é que é fazer o jogo do golpismo, deixando nas suas mãos o monopólio da crítica à velha ordem política. Isto, sem falar do grave equívoco que consiste em supor que um processo golpista em marcha pode ser detido pela mera “pressão popular”. No frigir dos ovos, é a força efetiva, e não a pressão, que decide a sorte das classes e dos povos.

Sim, os lutadores devem convocar as massas à luta, mas não para defender o indefensável, isto é, esta velha e anacrônica democracia burguesa-latifundiária, serviçal do imperialismo, que não passa de um arremedo sem conteúdo efetivo. Por ela, não deve-se mover nenhuma palha, nem gastar nenhuma vela. Basta de ilusões! Por Pão, Terra e Nova Democracia é que as massas lutam e lutarão.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin