CE: Caminhoneiros erguem barricada contra preço do combustível

Caminhoneiros fecham rodovia do Ceará em protesto contra aumento nos preços dos combustíveis. Foto: Reprodução

Durante a manhã do dia 14/07, caminhoneiros bloquearam um trecho da rodovia CE-422 com uma barricada de pneus em chamas. A via dá acesso ao Porto do Pecém, no município de Caucaia, Fortaleza. Os trabalhadores protestaram exigindo a redução do preço do óleo diesel e uma remuneração justa pelos fretes.

O preço do óleo diesel segue em patamares recordes, bem acima do registrado durante greve dos caminhoneiros em 2018. Ele se encontra em alta no mercado internacional, com aumentos sucessivos desde o início do governo, em 2019. 

Nos vídeos e fotos divulgados na internet, os trabalhadores demonstram estarem cansados de pagarem um preço abusivo no óleo diesel e de não receberem uma quantia digna por cada frete que realizam para as grandes empresas que contratam seus serviços.

Segundo informações, a via ficou bloqueada até às 12h30m. Em vídeo divulgado nas redes sociais, os trabalhadores aproveitaram para exaltar a união entre a categoria: “[estamos] juntos e misturados! A união faz a força, bora que bora!”.

Novo aumento de preços 

No dia 6 de julho, a Petrobras reajustou de uma só vez os preços da gasolina, do diesel e do gás de botijão.

No caso da gasolina, o preço médio por litro subiu 6,32%, de R$ 2,53 para R$ 2,69 nas refinarias. Assim, acumula alta de cerca de 46% desde janeiro.

No diesel, o avanço foi de 3,69%, de R$ 2,71 para R$ 2,81 em média por litro. Desde janeiro, a alta acumulada no ano é de 39%.

No Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), para as distribuidoras, o valor passará a ser de R$ 3,60 por quilo, refletindo um aumento médio de R$ 0,20. É uma alta de 5,8%. No ano, o preço do gás de botijão acumula alta de 38%.

Esse é o primeiro aumento nos preços da gasolina e do diesel desde que o general Joaquim Silva e Luna, nomeado por Bolsonaro, tomou posse como presidente da Petrobras, no dia 19 de abril. Seu antecessor, Roberto Castello Branco, foi demitido pelo presidente fascista Bolsonaro, justamente por aumentar os preços dos combustíveis em meio a rumores de greve de caminhoneiros.

Possibilidade de nova greve de caminhoneiros aterroriza Bolsonaro

Após sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis, caminhoneiros começam a se organizar novamente e a palavra greve está na pauta do dia.

Tal possibilidade preocupa Bolsonaro, pois tal evento poderia acarretar uma crise de desabastecimento sem precedentes que de certo estimularia protestos e saques, devido às já precárias condições de vida das massas.

Por conta disso, o presidente tenta tomar medidas que retardem tal greve. Uma delas foi o anúncio de redução de R$ 0,04 no preço do litro do diesel. O preço passa, então, de R$ 0,31 por litro para R$ 0,27.

Contudo tal redução não cobre o último reajuste da Petrobras de R$ 0,10 no preço do litro, em vigor desde o dia 06/07. O aumento, portanto, deve ser engolido pelo aumento que ocorre nas refinarias, além do preço do biodiesel e pelos impostos estaduais. 

A tentativa do presidente de controlar o preço dos combustíveis entra em conflito com os interesses de acionistas da Petrobras e acarreta prejuízos a esta que tem como política repassar aos preços as oscilações do câmbio e da cotação internacional do petróleo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin