Inimigos do povo aprovam aumento do fundo eleitoral em mais de R$ 3 bi

Pela proposta votada pelos inimigos do Povo no Congresso de corruptos, o fundo eleitoral receberá um aumento de 285%; o salário mínimo, contudo, terá aumento que não chega a 5%. Foto: Reprodução

Em meio ao aumento geral de preços, entre eles o do arroz e do feijão, que subiram 60% e a divulgação de que a desigualdade nas grandes cidades alcançou o maior nível desde 2012, o Congresso Nacional aprovou nesta quinta-feira (15) o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022, que aumenta o valor para o Fundo Especial de Financiamento de Campanha para um valor mínimo de R$ 5,7 bilhões.

O fundo financiará as campanhas eleitorais de candidatos de todas as legendas. A Lei que define o Orçamento de 2022 recebeu, na Câmara 278 votos favoráveis e 145 contrários. Já no Senado, o placar foi de 40 votos a favor e 33 votos contrários. O presidente fascista Jair Bolsonaro deve sancionar o projeto nos próximos dias.

O projeto foi votado nas duas casas do Congresso Nacional no mesmo dia em que a Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou o projeto em sessão que dispensou o prazo regimental de três dias de análise. A presidente da CMO justificou a correria: “Estamos em um Brasil não muito tranquilo, com muitos problemas, inclusive que sobraram do procedimento do trabalho da comissão anterior por questões de diferenças de políticas”, lançou em sua discurseira a senadora Rose de Freitas (Podemos-ES).

Base aliada do governo votou favorável

Entre os aliados do presidente fascista Jair Bolsonaro na Câmara de Deputados, Carla Zambelli e Eduardo Bolsonaro (ambos do PSL) tiveram a cara de pau de criticar a medida para, no fim de tudo, votar a favor. No ano passado, Jair Bolsonaro disse ser contrário ao “Fundão”, mas não vetou a medida. O senador Flávio Bolsonaro (Podemos), filho mais velho do capitão falastrão, também criticou e votou sim para a Lei que definiu o Orçamento.

Para as eleições, tudo; para o salário mínimo, quase nada

O valor mínimo de R$ 5,7 bilhões para financiamento eleitoral aprovado no dia 15/07 representa um aumento de 285%. O valor é quase o triplo das eleições em 2018 e 2020 quando o fundo contava com o valor de R$ 2 bi. Para justificar o aumento para as eleições que ocorrerão ano que vem, o deputado Juscelino Filho (DEM-MA), afirmou que “o Fundo de Financiamento de Campanha tem papel no exercício da democracia dos partidos”.

A lei aprovada indica um aumento de salário mínimo de somente R$ 47 reais, aumento de menos de 5%.

Além disso, é previsto um rombo de R$ 170,5 bilhões para o orçamento do ano que vem.



NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin